Seis cidades mineiras estão em situação de emergência por causa da seca

Municípios enfrentam calor intenso há mais de 100 dias, além de falta de recursos básicos como alimentos e água potável

9 de fevereiro de 2024 às 10h47

img
Buenópolis, ao Norte do Estado, está entre as seis cidades que enfrentam a seca | Crédito: Prefeitura Municipal de Buenópolis/Divulgação

Estão em situação de emergência reconhecida pela Defesa Civil Nacional seis cidades de Minas Gerais. A informação foi confirmada pelo órgão nessa quinta-feira (8), após as prefeituras dos referidos municípios terem solicitado recursos ao Governo Federal para fins de ajuda humanitária por conta da seca.

As seis cidades em situações críticas são:

  • Buenópolis (região Norte de Minas Gerais)
  • Medina (região do Vale do Jequitinhonha)
  • Miravânia (região do Vale do Rio Doce)
  • Pedras de Maria da Cruz (região do Norte de Minas)
  • Rio do Prado (região do Vale do Jequitinhonha)
  • Salinas (região do Norte do Estado)

Dentre as ações previstas pelas cidades caso os recursos sejam liberados pelo Poder Executivo federal, estão a compra de cestas básicas e de água potável, além do aluguel de caminhões-pipa para o abastecimento de áreas urbanas e rurais.

Os pedidos foram ser feitos por meio do Sistema Integrado de Informações sobre Desastres (S2iD). Outras cidades do Estado que estejam na mesma situação precisam passar por este mesmo processo para solicitar apoio federal.

Leia mais:

Doação de sementes de feijão para municípios castigados pela seca deve gerar R$ 240 mi em renda

Além de assistência humanitária, os recursos da Defesa Civil Nacional também podem ser direcionados para o restabelecimento de serviços e reconstrução de infraestruturas, conforme detalha o ministro da Integração e do Desenvolvimento Regional, Waldez Góes.

“Os recursos da Defesa Civil podem ser empregados naquele primeiro momento que acontece o desastre para fazer assistência humanitária, dar kits de higiene e alimentação para as pessoas que foram atingidas e que enfrentam as consequências daquele desastre, bem como pra restabelecimento dos serviços essenciais”, pontua.

Segundo ele, execuções como o abastecimento de água e desobstrução de vias públicas são alguns dos recursos acessíveis para ativação das prefeituras. “Nós também podemos utilizar os recursos da Defesa Civil pra fazer reconstrução de infraestruturas públicas destruídas pelo desastre ou ainda de habitações destruídas pelo desastre”, afirma Góes.

Facebook LinkedIn Twitter YouTube Instagram Telegram

Siga-nos nas redes sociais

Comentários

    Receba novidades no seu e-mail

    Ao preencher e enviar o formulário, você concorda com a nossa Política de Privacidade e Termos de Uso.

    Facebook LinkedIn Twitter YouTube Instagram Telegram

    Siga-nos nas redes sociais

    Fique por dentro!
    Cadastre-se e receba os nossos principais conteúdos por e-mail