Conheça as bebidas que prometem embalar o Carnaval de Belo Horizonte em 2024

Catuçaí, Jambruna e Xeque Mate são alguns dos drinks que nasceram na festa momesca da Capital, fazendo sucesso entre os foliões

29 de janeiro de 2024 às 16h18

img
Os drinks que já fazem sucesso no Mercado Novo agora também podem ser encontrados nas ruas de BH | Crédito Luzita

O Carnaval de Belo Horizonte já se tornou referência nacional. Com recorde de público ano após ano, a folia toma conta das ruas, atrai turistas do mundo inteiro e, também lança tendência e produtos pelo País. A começar pelas bebidas típicas próprias que, após animar os foliões nos dias de festa, extrapolam as fronteiras do período carnavalesco e até mesmo de Minas Gerais.

Primeiro foi o Catuçaí. Criado em 2013, a bebida misturava catuaba e açaí e foi criada durante manifestações políticas na capital mineira. No carnaval do ano seguinte ficou conhecida como “Drink do Amor”, ganhando popularidade também entre os ambulantes.

Anos depois surgiu a Jambruna, feita de cachaça mineira e jambu da Amazônia, uma planta conhecida por anestesiar as papilas gustativas, típica da Região Norte.

E a mais famosa delas, a Xeque Mate – bebida de mate, rum, guaraná e limão -, que desde o ano passado já está sendo comercializada também em São Paulo e no Rio de Janeiro.

A receita do negócio das bebidas do Carnaval de Belo Horizonte

Os empreendedores belo-horizontinos são mesmo criativos e ousados. E agora chegou a vez da Carimbó – casa de cremes e sucos com frutos amazônicos – levar para as ruas, os drinks que já são sucesso no Mercado Novo, na região Central da cidade, onde a marca possui duas unidades.

Carimbó e Merengue são os drinks envasados pela marca que está presente no Mercado Novo desde 2020 | Crédito Luzita

“Pegamos dois drinks que já são sucesso na loja e envasamos para levar para as ruas durante o carnaval. Um é o Carimbó, que mistura catuaba, guaraná e gengibre; o outro é o Merengue, feito de açaí com cachaça bananinha. Ambos têm como base o açaí que comercializamos na casa, bem diferente do encontrado aqui no Sudeste. Um creme que nós mesmos produzimos, com menos açúcar, menos xarope, mais saudável e saboroso”, conta o sócio-proprietário da Carimbó, Pablo Maia Barbosa.

Para o start, ele a esposa e sócia, Linda Clara Oliveira Pontes, desenvolveram, em parceria com uma equipe de engenheiras de alimentos, a fórmula para o envase. Para a fase de experimentação foram produzidas 3,5 mil latas, que já podem ser vistas pelas ruas de Belo Horizonte, nos ensaios dos bloquinhos, nas caixas de isopor dos ambulantes, e também em casas com festas de pré-carnaval.

“Também fizemos nosso próprio carrinho para fazer o boca a boca e ver de perto a reação das pessoas. Já estamos vendendo há dois finais de semana e o retorno tem sido maravilho”, comemora

Para Barbosa, a receita do sucesso está nos diferenciais da bebida: “ela é muito saborosa, docinha; e é feita com açaí de verdade. Então, além de tudo, também dá energia na hora que o folião, no meio do bloco, no calor, se sente um pouco cansado. É uma bebida que te joga para cima e para folia. E por ser natural, não causa ressaca nem deixa desanimado no dia seguinte”, argumenta.

A meta, segundo ele, é após a fase de experimentação, seguir comercializando as latinhas durante o ano todo e, em 2025, produzir um volume ainda maior.

A Carimbó

No cardápio da Carimbó, drinks, cremes e bebidas com frutos amazônicos | Crédito: Luzita

O casal iniciou o negócio em 2016. Começaram com um ponto de vendas de creme de açaí no formato tradicional encontrado no Sudeste – com complementos doces. Alguns anos depois, ao se aprofundarem na cadeia produtiva do fruto amazônico e conhecerem fornecedores do Pará, começaram a comprar o açaí diretamente do Norte e a produzir o próprio creme.

“Foi então que entendemos que estávamos indo para uma direção diferente. Coincidentemente, em 2019, o movimento ‘Velho Mercado Novo’ de reocupação do Mercado Novo, cuja proposta era incentivar produtores locais e pequenos empreendedores com produtos específicos e abrimos nossa primeira unidade”, recorda.

Desde então, passaram a comercializar não apenas o açaí, mas também outras frutas nativas da Amazônia, como o cajá, a graviola, o cacau e o cupuaçu. No cardápio, drinks, sucos e cremes com essas frutas, trazendo um pouco da riqueza natural do Norte para Minas Gerais. A aceitação do público foi tamanha que em 2023, a marca abriu a segunda loja no Mercado. E a meta para 2024 é abrir a terceira unidade, desta vez em outro endereço da capital mineira.

Facebook LinkedIn Twitter YouTube Instagram Telegram

Siga-nos nas redes sociais

Comentários

    Receba novidades no seu e-mail

    Ao preencher e enviar o formulário, você concorda com a nossa Política de Privacidade e Termos de Uso.

    Facebook LinkedIn Twitter YouTube Instagram Telegram

    Siga-nos nas redes sociais

    Fique por dentro!
    Cadastre-se e receba os nossos principais conteúdos por e-mail