Não seja o papagaio corporativo

6 de fevereiro de 2024 às 5h07

Você já deve ter conhecido um papagaio, não é verdade? Logo, sabe que ele tem a característica de repetir sons, frases e até mesmo pensamentos, quando nos referimos a pessoas, com muita assertividade. Ele nos ouve atentamente e, em poucos minutos, está reproduzindo expressões ditas por nós e cantando trechos de músicas. Mas o papagaio faz apenas isso: repete, não imprimindo sua marca, sua autoria, uma vez que não cria, mas sim pratica aquilo que já foi criado.

Esse comportamento do papagaio que só repete, tem sido cada vez mais observado, em função da crescente onda de fake news e com todo mundo com um celular em mãos. Dessa forma, é muito simples virar um influenciador. Em questão de segundos, uma notícia se espalha pelo mundo, sendo verdadeira ou não. Memes são criados, histórias inventadas ou ampliadas e, quando percebemos, estamos replicando uma ideia que nos foi dita. E, em meio ao crescente momento de polarização em nossa sociedade já é possível encontrar esse cenário nas empresas, infelizmente.

No entanto, como temos falado sobre o impacto dos robôs, na rotina dos colaboradores em médio e longo prazos, é bom lembrar que o que nos coloca à frente deles, pelo menos por enquanto, é a nossa capacidade de pensar, processar ideias e tomar uma decisão, olhando além do óbvio, com empatia, senso crítico e maturidade emocional. Inclusive, avaliando as possíveis implicações nas relações humanas.
Vamos combinar que não tem nada mais constrangedor do que nos depararmos com profissionais “rasos”, sem conteúdo aprofundado e que levantam determinadas bandeiras, apenas por levantar; não é mesmo? Expressar uma opinião é de suma importância, mas desde que ela tenha fundamentos e argumentos. Do contrário, você corre o risco de ser o papagaio que só repete algo que alguém disse. E, pior, sem sequer saber o porquê, o que pode impactar negativamente em sua credibilidade.

Tudo aquilo que opinamos diz muito sobre nós mesmos. Lembre-se que a repetição excessiva de informações cansa e empobrece a sua fala. Então, você precisa tomar decisões na hora de organizar o conteúdo e priorizar o que, de fato, importa ao seu público, o que significa ser assertivo, afinal tudo o que você disser terá um propósito. Vivemos tempos de aceleração de áudios e mensagens em poucos caracteres, logo o dinamismo, versatilidade e profundidade são essenciais para quem quer ter uma carreira exitosa e relevante.

Por isso, leia. A informação está sempre muito disponível. Aprofunde em conteúdos que se relacionam com o seu trabalho e entre em temas gerais. Tudo isso te dará repertório para conversar sobre variados assuntos. E, sobretudo, tenha maturidade para entender que ninguém é igual ao outro e aproveite as diferenças para aprender e para construir novos caminhos. É dessa forma que profissionais de sucesso fazem. Tenha escuta ativa, afinal, expressar-se bem tem a ver com ouvir bem. É ouvindo o outro atentamente que você poderá estabelecer as melhores estratégias para dialogar, convencer e contra-argumentar, bem como se adaptar ao que é preciso.

O profissional precisa transitar em variados temas, ao longo do dia dentro das empresas, logo é preciso conhecer um pouco de tudo e de tudo um pouco. Você não precisa ser especialista em todos os temas, mas precisa saber os tópicos do momento. Tem alguma dúvida? Pesquise em fontes confiáveis e construa a sua própria opinião. É tão elegante quando percebemos profissionais ponderados, que trazem à discussão suas ideias como contraponto e não como ofensa, por acreditar que somente a sua verdade é absoluta.

Como diria Albert Einstein, “tudo deve ser feito tão simples quanto possível; mas não mais simples”. Em um mundo corrido, as empresas estratégicas e lideranças “antenadas” já perceberam que fazer o que deve ser feito, sem muitas “firulas”, pompas e circunstâncias, tem cada vez mais relevância. Até porque o custo é analisado minuciosamente, os prazos exigidos pelo cliente estão reduzidos, assim como há a expectativa de máxima qualidade. Dessa forma, no contexto das organizações onde existe diversidade de pessoas, com idades, interesses e propósitos distintos, o simples ganha mais espaço, e, nesse sentido, as lideranças precisam adotar uma comunicação clara, objetiva e coesa. Isso quer dizer manter todos informados e engajados em prol de um ambiente no qual a cocriação e a colaboração ganhem destaque.

Afinal, a multidisciplinaridade é vital nos tempos atuais e opinar com assertividade é questão de sobrevivência no mundo atual.

É por meio do aprendizado constante que nos tornamos melhores, não apenas tecnicamente, mas também com nossas competências e habilidades, as tão faladas soft skills. Sendo assim, busque ser melhor hoje do que foi ontem e se falamos tanto sobre propósito e legado, precisamos estar atentos quais marcas temos deixadas nas pessoas: alguém que tem embasamento e que opina com assertividade, ou o papagaio que apenas repete o que já foi dito?
 

* CEO, board advisor e headhunter da Prime Talent, empresa de busca e seleção de executivos, presente em 30 países pela Agilium Group. É conselheiro de Administração e professor convidado pela Fundação Dom Cabral; conselheiro da ABRH MG, ­ACMinas e ChildFund Brasil.

Redes Sociais

Instagram: @davidbraga
Conteúdos publicados no espaço Opinião não refletem necessariamente o pensamento e linha editorial do Jornal DIÁRIO DO COMÉRCIO, sendo de total responsabilidade dos/das autores/as as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.
Facebook LinkedIn Twitter YouTube Instagram Telegram

Siga-nos nas redes sociais

Comentários

    Receba novidades no seu e-mail

    Ao preencher e enviar o formulário, você concorda com a nossa Política de Privacidade e Termos de Uso.

    Facebook LinkedIn Twitter YouTube Instagram Telegram

    Siga-nos nas redes sociais

    Fique por dentro!
    Cadastre-se e receba os nossos principais conteúdos por e-mail