Para Juliana Godoy, especialista em gestão de pessoas, acompanhar as mudanças no ambiente externo é de vital importância | Crédito: Divulgação

Especialista em desenvolvimento organizacional com foco em liderança, diretora do Instituto Juliana Godoy e professora do MBA da PUC Minas nas áreas de Marketing e Gestão e Pessoas, Juliana Godoy participou recentemente da live do Centro de Integração Empesa-Escola de Minas Gerais (CIEE/MG).

Mediada pelo relações-públicas Fernando Beiral, a especialista abordou o tema “Desenvolvimento organizacional e liderança”, enfatizando que o cenário atual demanda líderes inspiradores nas empresas.

Conforme a especialista, as pessoas têm que ter em mente que o mundo está em constante evolução e se a organização, como um ser social formado por pessoas, não mudar, não vai evoluir e, fatalmente, irá encerrar suas atividades. Para Juliana Godoy, acompanhar as mudanças no ambiente externo é de vital importância.

Ela lembra que há 20 anos começou a percorrer o País para tentar desvendar os mistérios de como resolver problemas nas organizações. Uma de suas conclusões foi a de que quando se tem uma liderança inspiradora, forte e engajada, que respira o DNA da empresa, as mudanças corporativas ocorrem de modo mais veloz e eficaz.

A especialista também argumenta que o contexto atual exige que os líderes estejam atentos às mudanças da concorrência, bem como às adaptações que estão promovendo em si mesmos, nas empresas, nos negócios e em seus liderados.

“Quando a gente fala de mudança, é acompanhar atentamente o que ocorre no ambiente externo. Toda a organização vende alguma coisa ou presta algum tipo de serviço. Ora, se o nosso concorrente mudou, também temos que mudar. Então, os líderes devem fazer a gestão da mudança de forma natura, gradativa e sem se assustar com isso”.

Benefícios – Conforme Juliana Godoy, ser líder não é só ter um pacote de benefícios e ganhar mais. “Ele tem que ter noção de que está lidando com pessoas e saber conduzir os projetos da empresa da melhor maneira possível. É fazer o melhor porque os colaboradores mudam a partir do líder, que não pode ser um mero gestor de cargos”.

Neste momento de grave crise devido aos impactos da pandemia do Covid-19, Juliana Godoy enfatiza que a gestão do home office é de suma importância, porque essa modalidade de trabalho ainda é novidade para algumas empresas e, por isso, é preciso treinar os líderes para executá-la.

As pessoas, segundo ela, estão sob forte estresse porque foi retirado delas algo muito importante, que é a liberdade, assim, o isolamento social aflora o medo. Nesse momento, diz, o líder não pode se estressar e deve ter uma inteligência emocional mais aguçada para que aplique isso no seu time.

“Toda crise tem início, meio e fim. Vamos sair dessa mais fortes. Não existe lado bom na doença, mas com inteligência emocional você vai construir uma trajetória de oportunidades. Peço aos líderes para nunca deixar suas equipes sem desafios e que induza o autodesenvolvimento”, observou Juliana Godoy.