COTAÇÃO DE

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6280

VENDA: R$5,6280

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6030

VENDA: R$5,7800

EURO

COMPRA: R$6,7254

VENDA: R$6,7278

OURO NY

U$1.763,38

OURO BM&F (g)

R$319,29 (g)

BOVESPA

+0,34

POUPANÇA

0,1590%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Conab visita produtores em Minas Gerais

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Ao longo desta semana, profissionais da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) estão em campo visitando agricultores e extrativistas de Minas Gerais. A visita técnica tem como objetivo colher dados para a elaboração dos custos de produção das culturas do pequi, mangaba, leite e café. O levantamento é considerado fundamental por ser utilizado como base para o estabelecimento de políticas públicas e para o cálculo do preço mínimo. As visitas serão realizadas nos municípios de Taiobeiras, onde será avaliado o custo de produção do café, Rio Pardo de Minas (mangaba), Santo Antônio do Retiro (pequi) e Porteirinha (leite). Com exceção da mangaba, que terá o custo atualizado, todos os outros custos serão elaborados pela primeira vez nestes municípios. De acordo com o superintendente regional da Conab em Minas Gerais, Osvaldo Teixeira de Souza Filho, o levantamento de custo de variados produtos é importante para balizar os trabalhos do governo – na elaboração de políticas e programas – e do setor produtivo. “O custo de produção agrícola é uma ferramenta de controle e gerenciamento das atividades produtivas e de geração de importantes informações para subsidiar as tomadas de decisões pelos produtores rurais e, também, de formulação de estratégias pelo setor público e privado”, disse Teixeira. O custo de produção também é uma ferramenta fundamental para a preservação do meio ambiente, como resultado do programa de Política de Garantia de Preços Mínimos para os Produtos da Sociobiodiversidade (PGPM-Bio). O projeto garante um preço mínimo para 17 produtos extrativistas que ajudam na conservação dos biomas brasileiros como o açaí, baru, borracha extrativa, carnaúba, mangaba, pequi, pinhão e umbu. Ainda segundo Teixeira, a Conab elabora, analisa e divulga informações sobre os custos de produção de culturas temporárias, semiperenes, permanentes e de produtos ligados à avicultura, suinocultura, caprinocultura, atividade leiteira e sociobiodiversidade. A pesquisa de levantamento feita pelos profissionais da Conab conta com o envolvimento dos produtores de cada atividade, entidades representativas do setor agrícola, fabricantes de máquinas e insumos e instituições de pesquisas. Nas coletas de dados, os agentes que compõem a cadeia produtiva participam de painéis técnicos onde são definidos os parâmetros, atividades e insumos para cada cultura. Os dados levantados pela Conab servem de base para a elaboração dos preços utilizados no Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar (PGPAF) e na Política de Garantia de Preços Mínimos para Produtos da Sociobiodiversidade, no caso do pequi e da mangaba, por exemplo. Ao todo, são 40 produtos pesquisados no País. Em Minas Gerais, a lista é composta por 11 culturas, com destaque para o feijão, leite, café, pequi, umbu, macaúba e baru. Critérios – Teixeira explica que os municípios e produtos pesquisados são definidos conforme a participação em cada programa do governo. No caso dos produtos do Programa de Sociobiodiversidade, por exemplo, são levados em conta os municípios que possuem o maior número de extrativistas e são entrevistados os próprios coletadores, associações e cooperativas. Já para as pesquisas em que o produto está inserido no Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar (PGPAF), como o leite, por exemplo, os municípios escolhidos são aqueles que possuem maior número de contratos de financiamento do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) e os entrevistados são produtores da agricultura familiar, associações e cooperativas. Produtos que integram a Política de Garantia de Preços Mínimos (PGPM), como o café, trigo, algodão, por exemplo, têm os custos levantados em municípios que possuem boa produção e organização, levando em consideração a realidade econômica e a logística de distribuição dos produtos e insumos no município.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!