STF divulga vídeo de reunião com Bolsonaro que é alvo de investigação; assista

Defesa de Bolsonaro diz que o ex-presidente não sabia de minuta de estado de sítio achada com Cid

9 de fevereiro de 2024 às 12h39
Atualizada em 9 de fevereiro de 2024 às 14h16

img
Crédito: Reuters/Ueslei Marcelino

São Paulo – Os vídeos apreendidos pela Polícia Federal no computador do tenente-coronel Mauro Cid, ex-ajudante de ordens de Jair Bolsonaro, mostram uma reunião em que o ex-presidente convoca seus ministros a fazerem “alguma coisa” antes das eleições presidenciais de 2022 para impedir a vitória de Lula.

No encontro, em julho de 2022, Bolsonaro afirma que o Brasil viraria um caos caso o PT assumisse o poder, e insinua que as eleições brasileiras seriam fraudadas.

“Não adianta eu ter 80% dos votos. Eles vão ganhar as eleições”, disse. Os vídeos foram obtidos pelo repórter Túlio Amâncio, da Band Brasília. Mais tarde, o ministro do STF Alexandre de Moraes tornou pública a íntegra do vídeo.

Veja o vídeo completo da reunião com Bolsonaro:

Crédito: STF

Veja, abaixo, a descrição de trechos da reunião

No primeiro, Bolsonaro diz:

“Nós sabemos que se a gente, se a gente reagir depois das eleições vai ter um caos no Brasil, vai virar uma grande guerrilha, uma fogueira no Brasil. Agora, alguém duvida que a esquerda, como está indo, vai ganhar as eleições? Não adianta eu ter 80% dos votos. Eles vão ganhar as eleições”.

No segundo, ele ataca os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Tribunal Superior Eleitoral (TSE):

“Os caras estão preparando tudo, pô, pro Lula ganhar no primeiro turno. Na fraude. Vou mostrar como e por quê. Alguém acredita em Fachin, Barroso e Alexandre de Moraes? Se acreditar, levanta o braço. Acredita que eles são pessoas isentas? Que estão preocupados em fazer justiça, seguir a Constituição? De tudo o que vocês estão vendo?”, diz.

Em seguida, emenda: “Eu vou explicar a cagada. Cagada do bem, deixar bem claro. Como é quer eu ganho uma eleição, um fodido como eu? Deputado do baixo clero, escrotizado dentro da Câmara, sacaneado, gozado, uma porra de um deputado.”

No terceiro, ele afirma:

“Todos aqui têm uma inteligência bem acima da média. Todos aqui, como todo povo ali fora, têm algo a perder. Nós não podemos, pessoal, deixar chegar as eleições e acontecer o que está pintando. Eu parei de falar em voto imp… em eleições há umas três semanas. Vocês estão vendo agora que… Eu acho que chegaram à conclusão. A gente vai ter que fazer alguma coisa antes”.

No quarto, ele afirma:

“Acho que não tem bobo aqui. Pô, mais claro do que tá aí? Mais claro? Impossível. Eu acredito que essa proposta de cada um da Comissão de Transparência Eleitoral tem que… quem responde pela CGU vai, quem responde pelas Forças Armadas aqui… é botar algo escrito, tá? Pedir à OAB. Vai dar… a OAB vai dar credibilidade pra gente, tá? Polícia Federal… dizer… que até o presen… uma nova conjunta com vocês, com vocês todos… topam? Que até o presente momento, dadas as condições de… de… se definir a lisura das eleições são simplesmente impossíveis de ser atingidas.

No quinto, ele afirma:

“O TSE cometeu um erro quando convidou as Forças Armadas a participar da Comissão de Transparência Eleitoral. Cometeram um erro. Eles erraram. Para nós foi excelente. Eles se esqueceram que eu sou o chefe supremo das Forças Armadas.”

Na mesma reunião, Bolsonaro segue fazendo ataques aos ministros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Edson Fachin, Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso.

E insinua que os magistrados poderiam até estar recebendo dinheiro para atuar.

“Pessoal, perder uma eleição não tem problema nenhum. Nós não podemos é perder a democracia numa eleição fraudada! Olha o Fachin. Os caras não têm limite. Eu não vou falar que o Fachin tá levando 30 milhões de dólares. Não vou falar isso aí. Ou que o Barroso tá levando 30 milhões de dólares. Não vou falar isso aí. Que o Alexandre de Moraes tá levando 50 milhões de dólares. Não vou falar isso aí. Não vou levar pra esse lado. Não tenho prova, pô! Mas algo esquisito está acontecendo”, diz Bolsonaro.

Os ministros do governo não respondem.

Os vídeos da reunião são considerados cruciais pela PF, que aponta uma “dinâmica” golpista na alta cúpula do governo.

Na decisão em que autorizou as operações de busca e apreensão e as prisões contra aliados de Bolsonaro, o ministro Alexandre de Moraes afirma que a reunião comandada pelo ex-presidente “nitidamente revela o arranjo de dinâmica golpista no âmbito da alta cúpula do governo, manifestando-se todos os investigados que dela tomaram parte”.

Além de Bolsonaro, também o general Braga Netto, então ministro da Casa Civil, o general Augusto Heleno, que então comandava o Gabinete de Segurança Institucional, e o então ministro da Justiça, Anderson Torres, fazem falas que colocam em dúvida a lisura do processo eleitoral brasileiro.

O que diz a defesa de Bolsonaro

A defesa do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) afirma que ele não sabia da existência de uma minuta de estado de sítio.

Advogado diz que Bolsonaro pediu para ler o documento por não ter conhecimento dele. Segundo Paulo Amador da Cunha Bueno, que representa o ex-presidente, a minuta foi enviada pela própria defesa ao celular de Bolsonaro em 18 de outubro de 2023, quando ele já não estava mais na Presidência.

A defesa alega que minuta foi impressa porque Bolsonaro acha ruim ler pelo celular. Bueno afirma que foi essa a impressão encontrada na sede do PL, em Brasília, durante operação da PF deflagrada nesta quinta-feira (8).

Ainda segundo a defesa, o arquivo digital da minuta já estava nos autos da investigação faz tempo e foi encontrado originalmente no celular de Mauro Cid.

Bueno defende que assunto “não tem relevância que inicialmente se poderia supor”. “Resta evidente, portanto, que o documento apreendido na data desta sexta-feira (9) é exatamente aquele que foi encaminhado por mim, na condição de seu advogado, contendo o quanto havia sido apreendido em maio no telefone do tenente-coronel Mauro Cid”, disse Bueno em vídeo publicado nas redes sociais de Bolsonaro.

Advogado diz que vai registrar em ata diálogo que teve com Bolsonaro para enviar minuta. “Venha então à defesa trazer esse esclarecimento para que não haja qualquer tipo de confusão com relação ao quanto foi encontrado”, acrescentou a defesa do ex-presidente. (Mônica Bergamo)

Tags:
Facebook LinkedIn Twitter YouTube Instagram Telegram

Siga-nos nas redes sociais

Comentários

    Receba novidades no seu e-mail

    Ao preencher e enviar o formulário, você concorda com a nossa Política de Privacidade e Termos de Uso.

    Facebook LinkedIn Twitter YouTube Instagram Telegram

    Siga-nos nas redes sociais

    Fique por dentro!
    Cadastre-se e receba os nossos principais conteúdos por e-mail