COTAÇÃO DE 26/11/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,5950

VENDA: R$5,5960

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6300

VENDA: R$5,7570

EURO

COMPRA: R$6,3210

VENDA: R$6,3222

OURO NY

U$1.792,60

OURO BM&F (g)

R$322,88 (g)

BOVESPA

-3,39

POUPANÇA

0,4620%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia exclusivo zCapa
Os investimentos de R$ 2,012 bilhões programados pela Cemig foram revistos para R$ 1,75 bilhão | Crédito: Divulgação

Inicialmente projetados em R$ 2,012 bilhões, os investimentos da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) foram reduzidos em 13% e agora estão estimados em R$ 1,75 bilhão para este exercício.

O anúncio foi feito durante teleconferência de resultados da companhia do primeiro trimestre, cujos números já trouxeram impactos da crise em consequência à pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

PUBLICIDADE

De acordo com o presidente da estatal, Reynaldo Passanezi Filho, o corte no capex faz parte de uma série de medidas para preservar o caixa da estatal diante do cenário imposto pela doença.

“Gostaria de reforçar nosso compromisso com plano de investimentos da companhia, sobretudo na área da distribuição. Dada a situação que vivemos, algumas ações tiveram que ser revistas ou adiadas”, disse.

Na apresentação, o diretor de Finanças e Relações com Investidores da Cemig, Leonardo Jorge Magalhães, detalhou que dos R$ 2,012 bilhões previstos para este exercício, R$ 1,167 seriam direcionados para a Cemig Distribuição, R$ 250 milhões para a Cemig Transmissão e R$ 95 milhões para a Cemig Geração. Agora, os valores serão de R$ 1,499 bilhão, R$ 169 milhões e R$ 78 milhões, respectivamente. Ao todo, R$ 266 milhões foram postergados para os próximos dois anos.

“É importante dizer que apesar do adiamento, a companhia mantém o programa para o ciclo tarifário e os recursos serão aplicados em 2021 e 2022. Estamos mantendo R$ 1,746 bilhão para o atual exercício. Um total de R$ 285 milhões já foi executado até o fim do primeiro trimestre, o equivalente a 16% do previsto”, ressaltou.

Os efeitos impostos pelo novo coronavírus têm influenciado também nas ações de desinvestimento, por meio das quais a Cemig abre mão dos empreendimentos que não possui o controle acionário ou que não integrem seu core business, em vistas de diminuir o endividamento da companhia.

De acordo com o balanço apresentado, o perfil da dívida consolidada da empresa encerrou o primeiro trimestre de 2020 com uma dívida líquida de R$ 13,3 bilhões e prazo médio de vencimento de 3,9 anos.

“Entendemos que não é o momento adequado para falar de alienação de ativos nesse ambiente, apesar de a companhia manter seu programa. O objetivo é manter os investimentos e pensar que temos condições de passar por este momento, com a ajuda do governo. Além disso, há uma série de medidas que vão garantir a redução da alavancagem da companhia mesmo que não haja venda de ativos”, justificou.

A companhia já obteve R$ 100 milhões em reduções de custos e ainda espera ser beneficiada com medidas do governo para apoiar distribuidoras de energia. E entre os ativos que a elétrica ainda pretende vender estão uma participação na Light e na hidrelétrica de Belo Monte, entre outros.

Resultados – O lucro líquido ajustado da Cemig foi R$ 587 milhões no primeiro trimestre deste ano contra R$ 432 milhões na mesma época do exercício anterior. Antes dos ajustes os valores eram de prejuízo de R$ 57 milhões e lucro de R$ 797 milhões, respectivamente.

Por fim, a empresa registrou uma geração de caixa, medida pelo Lajida (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) de R$ 1,345 bilhão nos primeiros três meses de 2020, 31% maior que o primeiro trimestre de 2019 (R$ 1,027). Antes dos ajustes realizados pela estatal, o resultado do Lajida havia sido de R$ 808 milhões.

Além da reavaliação do valor das ações na Light, avaliadas pela Cemig agora como “ativo mantido para venda”, a elétrica mineira sofreu forte baque da alta do dólar, após ter realizado nos últimos anos captações em moeda estrangeira, com eurobonds.

A dívida em moeda estrangeira gerou efeito negativo de R$ 437,76 milhões no resultado financeiro da unidade de geração e transmissão, Cemig GT, mesmo considerado instrumento de hedge. No primeiro trimestre de 2019, o efeito combinado da dívida e do hedge havia sido positivo em R$ 119,5 milhões.

Com isso, a Cemig GT encerrou os primeiros três meses do ano com prejuízo de R$ 4 milhões, contra lucro de R$ 584 milhões no mesmo período de 2019.

Já a Cemig-D, responsável pela distribuição de energia em Minas Gerais, encerrou o período com lucro de R$ 197 milhões, contra R$ 393 milhões no ano anterior.

A energia distribuída pela Cemig-D teve queda de 2% na comparação anual. A empresa não comentou no balanço se a pandemia de coronavírus impactou os números, mas atribuiu a efeitos do vírus uma alta de 4% na inadimplência desde o fim de 2019, para 5,29%.

Já a dívida líquida da elétrica fechou março em R$ 13,3 bilhões, queda de 1,22% ante o final de 2019. A companhia tem R$ 2,44 bilhões de reais em caixa e equivalentes. (Com informações da Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!