COTAÇÃO DE 07/12/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6180

VENDA: R$5,6180

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6500

VENDA: R$5,7830

EURO

COMPRA: R$6,3427

VENDA: R$6,3451

OURO NY

U$1.784,35

OURO BM&F (g)

R$323,23 (g)

BOVESPA

+0,65

POUPANÇA

0,5154%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia

Arrecadação do governo de Minas aumenta 31,78%

COMPARTILHE

Apenas no mês passado, a arrecadação estadual atingiu R$ 7,1 bilhões, elevação de 33,21% | Crédito: Gil Leonardi - Secom MG

A arrecadação de impostos estaduais continua crescendo em Minas Gerais. De janeiro a setembro, o volume recolhido aumentou 31,78% se comparado com igual período de 2020. Os dados da Secretaria de Estado de Fazenda (SEF) mostram que a arrecadação de Minas Gerais atingiu R$ 61,5 bilhões no intervalo, superando a vista no mesmo período de 2020, quando o montante ficou em R$ 46,7 bilhões. Somente em setembro, o recolhimento de impostos atingiu R$ 7,1 bilhões, valor 33,21% maior que em igual mês de 2020.

Os números também mostram que somente a receita tributária foi responsável por um recurso de R$ 57,8 bilhões entre janeiro e setembro deste ano, aumento de 29,7% frente ao mesmo período de 2020, quando o montante atingiu R$ 44,5 bilhões. A receita tributária também ficou maior no mês passado, 31,08%, se confrontada com igual período de 2020 e 2,76% superior na comparação com agosto. O valor mensal foi de R$ 6,7 bilhões. 

PUBLICIDADE

Entre os impostos que compõem a receita tributária, o maior valor arrecadado veio do Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS), que atingiu R$ 48,5 bilhões nos primeiros nove meses deste ano.

A alta da arrecadação do ICMS foi de 32,1% na comparação com o mesmo período do ano passado (R$ 36,7 bilhões). Somente em setembro, o ICMS gerou uma arrecadação de R$ 6,2 bilhões. O valor aumentou 32,3% na comparação com o nono mês de 2020 e 2,88% no confronto frente a agosto.

Foi registrada alta também na arrecadação do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA). O tributo gerou uma arrecadação de R$ 5,8 bilhões nos nove primeiros meses deste ano, incremento de 9,44% na comparação com os mesmos meses de 2020 (R$ 5,3 bilhões). No mês, a arrecadação foi de R$ 119,1 milhões, queda de 3,3% frente a igual mês do ano anterior e de 16,2% no confronto com agosto (142,1 milhões). 

No acumulado de janeiro a setembro, o Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doação (ITCD) e as taxas foram responsáveis por uma arrecadação de R$ 1,09 bilhão e R$ 2,3 bilhões, respectivamente, avanços de 71% e 25,6%, respectivamente. O valor movimentado somente em setembro ficou em R$ 144,1 milhões no caso do ITCD e em R$ 203,6 em taxas. 

A arrecadação em outras receitas, no acumulado de janeiro a setembro, chegou a R$ 3,7 bilhões. O número representa um avanço de 74,4% na comparação com o mesmo período do ano passado, quando a arrecadação chegou a R$ 2,1 bilhões. No mês, as outras receitas movimentaram R$ 424,1 milhões, ficando 79,30% maior que em igual mês de 2020 (R$ 236,5 milhões).

De janeiro a setembro, o Estado arrecadou com multas cerca de R$ 997 milhões. No mesmo período de 2020, o valor era de R$ 839,2 milhões, o que gerou um aumento de 18,8%.

A cobrança de juros aumentou 2,59% no acumulado do ano (R$ 234,6 milhões) em relação ao mesmo intervalo de 2020 (R$ 228,7 milhões).

No que diz respeito à dívida ativa, foi verificada alta de 234% na arrecadação, passando de R$ 267 milhões para R$ 892,7 milhões ao longo dos primeiros nove meses de 2021. Somente em setembro, o valor arrecadado com a dívida ativa foi de R$ 100 milhões, acréscimo de 207,8% frente a igual mês de 2020 (R$ 32,5 milhões).

Setores

A arrecadação anual por setor econômico no Estado avançou em todos os grupos de janeiro a setembro. Na indústria, o valor arrecadado com os impostos estaduais chegou a R$ 14,8 bilhões, variação positiva de 49%.

No setor industrial, a maior arrecadação da metalurgia básica – ferrosos, que obteve uma arrecadação de R$ 2,23 bilhões no ano, alta de 132% frente a igual intervalo de 2020, quando o recolhimento de tributos somava R$ 961 milhões. 

Na indústria extrativa o valor arrecadado foi de R$ 1,85 bilhão, alta de 111%. Os impostos cobrados da indústria alimentícia geraram R$ 1,79 bilhão, superando em 15% o montante de R$ 1,5 bilhão registrado entre janeiro e setembro de 2020.

Houve alta também em material de transporte e outros equipamentos de transporte. No acumulado do ano até setembro, o valor arrecadado foi de R$ 1,42 bilhão, incremento de 56%.

Nos setores administrados, o recolhimento de impostos estaduais chegou a R$ 14,9 bilhões, variação positiva de 23%. O destaque foi a produção de combustíveis, com alta de 37% e arrecadação de R$ 8,1 bilhões. Em distribuição de energia elétrica, a elevação chegou a 8%, somando R$ 4,7 bilhões. 

A atividade do comércio atacadista foi responsável por um valor de R$ 8,9 bilhões no acumulado do ano, o que representa um aumento de 29% sobre os R$ 6,9 bilhões registrados nos nove primeiros meses de 2020. 

O comércio varejista encerrou os nove primeiros meses com uma arrecadação de R$ 4,6 bilhões, alta de 33% no ano.

A arrecadação do setor de serviços ficou em R$ 3,4 bilhões no intervalo de janeiro a setembro, valor 13% superior. A maior receita veio dos serviços de comunicação, R$ 2,1 bilhões entre janeiro e setembro, alta de 3%.

Na agropecuária, a arrecadação entre janeiro e setembro de 2021 ficou em R$ 217,3 milhões, 47% maior.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!