COTAÇÃO DE 23 A 25/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6270

VENDA: R$5,6270

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6730

VENDA: R$5,8030

EURO

COMPRA: R$5,6730

VENDA: R$5,6750

OURO NY

U$1.792,47

OURO BM&F (g)

R$327,87 (g)

BOVESPA

-1,34

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia

Instituições financeiras elevam as projeções

COMPARTILHE

Crédito: REUTERS/Ricardo Moraes

São Paulo – O JPMorgan revisou para cima várias de suas projeções para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), inclusive para o acumulado de 2021 e 2022, após a divulgação na sexta-feira (24) de que o IPCA-15 de setembro foi o maior desde 1994.

“Mais uma vez, o IPCA-15 surpreendeu para cima. O IPCA-15 de setembro de hoje reforçou que as pressões permanecem em curso – em uma extensão ainda maior do que pensávamos”, disseram em relatório Cassiana Fernandez (economista-chefe do banco no Brasil) e Vinicius Moreira (economista).

PUBLICIDADE

A estimativa para a inflação de 2022 foi elevada a 3,9%, de 3,7%, na esteira de efeitos inerciais. Mas o banco ponderou que esse número considera um cenário “mais favorável” com relação às crises de oferta de energia e água, com expectativa de que os níveis de chuva no ano que vem fiquem mais próximos da média histórica.

A meta de inflação de 2022 está em 3,50% e é a que o Banco Central ainda diz perseguir, com o alvo de 2021 (+3,75%) já sendo considerado perdido, já que as expectativas para os preços dispararam para a casa de 8% após vários choques e em meio à retomada na atividade econômica.

O JPMorgan espera agora IPCA de 8,4% em 2021, ante 7,9% do prognóstico anterior. O número esperado para o IPCA de setembro foi elevado para 1,26% sobre agosto (1% na previsão anterior), o que levaria o índice em 12 meses para 10,4%.

“Ainda esperamos alguma desaceleração da inflação, mas menos do que antes, principalmente para outubro”, disseram os economistas. A projeção do IPCA de outubro foi revisada de 0,47% para 0,62%.

“Ambas as nossas revisões de alta foram puxadas principalmente por renovadas pressões de bens duráveis (particularmente o complexo de veículos e peças), preços de alimentos frescos e passagens aéreas”, disseram.

Dinâmica –  O Credit Suisse ajustou para cima sua projeção para a alta do IPCA neste ano, a 8,7%, avaliando que o Brasil vive uma dinâmica “muito desfavorável” de inflação. A estimativa anterior do banco de investimento, de apenas uma semana atrás, era de avanço de 8,5% do IPCA em 2021.

Segundo relatório divulgado nesta sexta-feira, assinado por Solange Srour, economista-chefe do banco no Brasil, e Lucas Vilela, economista, o ajuste para cima veio na esteira da divulgação do IPCA-15, que subiu 1,14% neste mês.

Essa foi a alta mais acentuada para um mês de setembro desde 1994, início do Plano Real, e o acumulado em 12 meses chegou a 10,05%, alcançando os dois dígitos pela primeira vez desde 2016.

“No geral, os resultados  mostram que uma dinâmica de inflação muito desfavorável está continuando”, escreveram Srour e Vilela. Eles apontaram pressões disseminadas entre os setores, não apenas nos preços de bens, mas também de serviços, com estes apresentando maior demanda e custos mais elevados. (Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!