COTAÇÃO DE 26/11/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,5950

VENDA: R$5,5960

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6300

VENDA: R$5,7570

EURO

COMPRA: R$6,3210

VENDA: R$6,3222

OURO NY

U$1.792,60

OURO BM&F (g)

R$322,88 (g)

BOVESPA

-3,39

POUPANÇA

0,4620%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia

IPCA-15 sobe 1,17% e tem maior alta para novembro em quase 2 décadas

COMPARTILHE

POR

Bomba de gasolina em posto de combustíveis
Crédito: REUTERS/Andrew Kelly

São Paulo – A prévia da inflação brasileira atingiu em novembro a máxima para o mês em quase duas décadas diante do peso da gasolina, em resultado acima do esperado que intensifica o cenário de preocupação com a alta dos preços e de adversidade para a política monetária.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15) teve alta de 1,17% em novembro, depois de subir 1,20% em outubro, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quinta-feira (25.

PUBLICIDADE

O resultado marca a taxa mais elevada para um mês de novembro desde 2002, quando o índice avançou 2,08%.

Nos 12 meses até novembro, o IPCA-15 acumulou alta de 10,73% e permanece bem acima do teto da meta oficial –3,75%, com margem de 1,5 ponto percentual para mais ou menos, medida pelo IPCA.

Nessa base de comparação, esse é o resultado mais alto para o índice desde que chegou a 10,84% em fevereiro de 2016.

As expectativas em pesquisa da Reuters junto a economistas eram de altas respectivamente de 1,10% e 10,65% do IPCA-15 na base mensal e em 12 meses. .

O quadro é desafiador, em meio à alta de commodities, problemas na cadeia de oferta global e desavalorização da taxa de câmbio.

A forte pressão inflacionária no Brasil já levou o Banco Central a intensificar o ritmo de aperto monetário no mês passado ao elevar a taxa básica de juros em 1,5 ponto percentual, a 7,75%.

O Comitê de Política Monetária do BC volta a se reunir para discutir a condução da política monetária no início de dezembro, já tendo indicado novo aumento da mesma magnitude.

Cabe destacar que a política monetária não tem capacidade de modificar a trajetória dos preços administrados, que são fixados por agências regulatórias”, destacou a CM Capital em nota.

“Portanto, alterar a taxa de juros para modificar a inflação gera impacto sobre um grupo específico dos bens, os chamados núcleos da inflação, que, com o resultado de novembro acumulam inflação de 6,62% em 12 meses, acima da meta para a inflação definida pelo BC.”

Gasolina

Os dados do IBGE mostraram que em novembro mais uma vez o maior vilão para o peso do consumidor foi a gasolina, cujo preço disparou 6,62%. No ano, o combustível acumula variação de 44,83% e, em 12 meses, de 48,00%.

Isso levou Transportes a registrar de longe a maior alta entre os grupos, de 2,89%, sob o peso ainda da alta de 16,23% do transporte por aplicativo.

Por outro lado, as passagens aéreas apresentaram queda de 6,34% nos preços, após altas consecutivas em setembro (28,76%) e em outubro (34,35%).

Todos os outros oito grupos pesquisados pelo IBGE também mostraram avanço dos preços em novembro. Os custos de Habitação subiram 1,06%, com o 18º mês seguido de avanço do gás de botijão, de 4,34%.

Já a alta da energia elétrica desacelerou a 0,93%, de 3,91% em outubro. Desde setembro está em vigor a bandeira tarifária Escassez Hídrica.

O avanço dos preços de alimentação e bebidas também desacelerou, a 0,40% em novembro de 1,38% em outubro, devido a altas menos intensas nos preços do tomate (14,02%), do frango em pedaços (3,07%) e do queijo (2,88%).

Ainda houve queda de preços nas carnes (-1,15%), no leite longa vida (-3,97%) e nas frutas (-1,92%).

“A composição mostra uma leitura bem mais branda de alimentos compensada por um dado mais desfavorável de transportes. Além disso, a dinâmica dos bens industriais preocupa, tendo em vista as incertezas ligadas ao funcionamento das cadeias globais de produção”, disse de Felipe Sichel, estrategista-chefe do banco digital Modalmais.

Na visão do mercado, a inflação terminará este ano a 10,12%, conforme aponta a pesquisa Focus do BC mais recente, e ficará em 4,96% em 2022.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!