COTAÇÃO DE 23 A 25/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6270

VENDA: R$5,6270

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6730

VENDA: R$5,8030

EURO

COMPRA: R$5,6730

VENDA: R$5,6750

OURO NY

U$1.792,47

OURO BM&F (g)

R$327,87 (g)

BOVESPA

-1,34

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia

IPCA da RMBH sobe 1,34%, maior alta para setembro desde 1995

COMPARTILHE

Os reajustes seguidos no preço dos combustíveis geram uma escalada inflacionária | Crédito: REUTERS/Amanda Perobelli

A inflação na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH) apresentou alta em setembro. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subiu 1,34%, o maior resultado para o mês de setembro desde 1995, quando o índice chegou a 1,36%.

Com o resultado, o aumento registrado nos primeiros nove meses de 2021 é de 6,47%. A inflação nos últimos 12 meses já chega a 10,30%, alcançando os dois dígitos e superando de forma significativa a meta estipulada para o Brasil, que é de 3,75%. 

PUBLICIDADE

Em setembro, o aumento da inflação na RMBH foi puxado, principalmente, pelos reajustes nos preços da gasolina, 3,32%, e energia elétrica, 5,48%. Os dados são do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).  

No País, a variação mensal foi de 1,16%, o maior IPCA para um mês de setembro desde 1994. Já a variação em 12 meses ficou em 10,25% no Brasil. Em nota, a área de Research do Inter, comentou que o IPCA de setembro, no País, apresentou variação abaixo da expectativa do mercado, que era de 1,25% e também menor que a estimada pelo Inter, que era de 1,2%.

“Com o resultado, houve a quebra de uma sequência de surpresas negativas na inflação. O índice ainda é bastante elevado para o mês, no entanto, mais da metade da variação é devido a alta de transportes, pelo impacto dos combustíveis, e tarifas elétricas, com a bandeira de escassez hídrica. O IPCA acumula alta de 10,25% em 12 meses, mas com alguns grupos já indicando desaceleração em setembro e uma difusão menor. Mantemos nossa expectativa de que a inflação fez pico esse mês e, daqui em diante, deve seguir em tendência de queda, que será mais gradual, chegando próxima de 4% em 2022”.

Conforme os dados divulgados, a alta de 1,34% na inflação da RMBH, em setembro, foi a quarta maior registrada entre as dezesseis áreas pesquisadas pelo IBGE no mês. Ficando menor apenas do que Rio Branco (1,56%), Curitiba (1,54%) e Porto Alegre (1,53%). 

Na RMBH, todos os nove grupos apresentaram variações positivas, sendo os principais incrementos observados nos grupos de Transportes (2,33%), Habitação (2,03%) e Alimentação e bebidas (1,55%).

Gasolina cara 

Segundo a economista do IBGE Luciene Longo, em setembro, a inflação da RMBH foi puxada, principalmente, pelo grupo de Transporte, onde os consecutivos reajustes da gasolina vêm impactando desde 2020. Somente em setembro, a alta na gasolina foi de 3,32%, o item tem grande peso na composição da inflação na RMBH. Em 12 meses, a cotação do combustível já aumentou 39,73%. 

“Embora alguns itens tenham apresentado maior percentual de alta em setembro, como as passagens, seguro veicular e etanol, o maior impacto veio da gasolina, que tem maior peso”, explicou.

Conforme os dados do IBGE, no grupo de Transportes, cuja alta ficou em 2,33%, além da gasolina, também foram observadas elevações nos preços das passagens aéreas (24,95%), do seguro voluntário de veículo (5,66%) e do etanol (5,16%). 

Destaque também para a elevação no grupo de Habitação, que apresentou a segunda maior variação positiva (2,03%). Neste caso, o subitem energia elétrica residencial teve um aumento de 5,48%, apresentando o maior impacto positivo no índice (0,26 p.p.). 

“Estamos enfrentando um período difícil, com crise hídrica, então tem que ficar alerta e aguardar o que vai acontecer. A energia, assim como a gasolina, tem um impacto importante na inflação e nos setores econômicos”, disse.

Alimentos

Apesar da RMBH ter encerrado setembro com alta, a elevação no grupo de Transportes foi amenizada, em parte, pela redução da taxa de água e esgoto, reflexo da mudança metodológica na cobrança realizada pela prestadora de serviço, que ocasionou uma redução de 1,77%.

Ao longo de setembro, o preço do grupo de Alimentação e bebidas subiu 1,55%, puxado, principalmente, pelo aumento nos preços de frutas (12,30%) e tubérculos, raízes e legumes (11,65%). No período, os subitens com as maiores variações foram mamão (31,26%), laranja-lima (21,59%), banana-prata (21,38%), laranja-pera (16,37%) e batata-inglesa (15,80%). Já as maiores quedas neste grupo foram banana-d’água (-7,95%) e picanha (-4,04%).

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!