COTAÇÃO DE 26/11/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,5950

VENDA: R$5,5960

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6300

VENDA: R$5,7570

EURO

COMPRA: R$6,3210

VENDA: R$6,3222

OURO NY

U$1.792,60

OURO BM&F (g)

R$322,88 (g)

BOVESPA

-3,39

POUPANÇA

0,4620%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia

IPCA sobe 0,44% em BH com alta da gasolina

COMPARTILHE

O reajuste da bandeira tarifária da energia elétrica, anunciado pelo governo federal, vai pressionar a inflação de setembro | Crédito: REUTERS/Paulo Whitaker

Os constantes aumentos nos preços da gasolina, anunciados pela Petrobras, fizeram com que a inflação em Belo Horizonte apresentasse mais uma alta em agosto.  De acordo com os dados da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas, Administrativas e Contábeis de Minas Gerais (Ipead), vinculado à UFMG, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subiu 0,44% frente a julho.

Somente o preço da gasolina aumentou 2,06% no período. Com o resultado, o custo de vida na capital mineira acumulou alta de 5,22% nos primeiros oito meses de 2021 e de 8,62% nos últimos 12 meses.

PUBLICIDADE

Para setembro, a estimativa é de nova alta no custo de vida da população de Belo Horizonte. Entre os itens que devem puxar o índice está a energia elétrica, cujo reajuste na bandeira tarifária já foi anunciado pelo governo federal. 

De acordo com o gerente de Pesquisa do Ipead, Eduardo Antunes, a tendência é que a inflação continue em alta ao longo dos próximos meses.

“A retomada das atividades econômicas, com o avanço da vacinação contra a Covid-19 e a expectativa positiva do comércio, são fatores que estimulam a demanda e contribui para o aumento dos preços. Além disso, existe a crise hídrica, que tem impactado nos preços da energia elétrica. A alta dos combustíveis também contribui para que a inflação siga em alta”.

Conforme levantamento do Ipead, em agosto, dentre os 11 itens agregados que compõem o IPCA, os maiores destaques, em termos de variação, foram as altas de 4,83% em Alimentos in natura, de 2,61% para Alimentos industrializados e de 2,14% para Vestuário e complementos. No período, também foi apurada variação positiva de 1,47% em Alimentos elaboração primária e de 1,06% em Alimentação em restaurante.

Já no grupo de produtos não alimentares, as principais altas foram observadas em Vestuário e complementos, 2,14%, e Transporte, Comunicação, Energia Elétrica, Combustíveis, Água e IPTU, 0,56%.

No mês, os principais produtos que contribuíram para o aumento da inflação foram a gasolina comum, com alta de 2,06% nos preços e peso de 0,10 ponto percentual na composição do IPCA. Em seguida, o destaque foi a refeição fora do lar, com aumento de 1,50%, seguida pelo gás de cozinha, 5,32%, pão francês, 4,47%, e peito de frango com valorização de 11,42%.

Nos últimos 12 meses, a inflação acumulada na Capital está em 8,62%. Índice muito acima da meta definida pelo Conselho Monetário Nacional para o Brasil, que é de 3,75%, podendo variar entre 2,25% e 5,25%.

Dentre os grupos pesquisados, a maior alta foi verificada em Alimentação na residência, 15,89%, Alimentação fora da residência, 7,54%, Habitação, 8,81%, e Produtos administrativos, com alta de 11,99%.

Cesta Básica

O clima adverso e a demanda elevada fizeram com que os preços da cesta básica em Belo Horizonte registrassem mais uma elevação. De acordo com o levantamento do Ipead, o custo da cesta básica apresentou aumento de 1,10% em agosto. O reajuste elevou para R$ 574,53 o valor da cesta, o que equivale a 52,23% do salário mínimo.  

A pesquisa do Ipead mostrou que os principais responsáveis pela alta foram o café moído, 10,60%, batata inglesa, com elevação de 15,57% e banana caturra, 16,37%.

O gerente de pesquisa do Ipead, Eduardo Antunes, explica que os produtos que apresentaram maior alta tiveram a produção afetada pelo clima, o que comprometeu a oferta. 

“No ano, este é o segundo maior valor da cesta básica, perdendo apenas para janeiro. A tendência é que o preço fique mais próximo a R$ 600. O clima afetou a produção de vários alimentos, o que reflete no custo da cesta”, explicou.

Com o resultado mensal, a cesta básica apresentou uma alta expressiva de 19,980% nos últimos 12 meses. Neste intervalo, as maiores altas foram registradas nos preços do óleo de soja, 72,04%, açúcar cristal, 47,01%, café moído, 40,63%, chã de dentro, 30,73%, e arroz, 28,65%. 

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!