COTAÇÃO DE 26/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6270

VENDA: R$5,6270

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6730

VENDA: R$5,8030

EURO

COMPRA: R$6,6420

VENDA: R$6,6450

OURO NY

U$1.792,47

OURO BM&F (g)

R$327,87 (g)

BOVESPA

-1,34

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia

Sem componentes, Fiat Betim terá de suspender contratos

COMPARTILHE

O desabastecimento de componentes eletrônicos diminui a produção da Fiat Betim | Crédito: Charles Silva Duarte

Os trabalhadores do Polo Automotivo de Betim, do grupo Stellantis, aprovaram o Programa de Proteção ao Emprego e Renda com Qualificação Profissional (layoff). Elaborado pelo Sindicato dos Metalúrgicos e Metalúrgicas de Betim e Região em conjunto com a montadora, o programa foi aprovado por 98,06% dos trabalhadores votantes, cerca de 9 mil. O objetivo é preservar os empregos, já que a unidade enfrenta o desabastecimento de componentes eletrônicos, o que vem comprometendo o ritmo e o volume de produção.

O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos, Alex Custodio, explica que a aprovação da proposta é importante para a preservação dos empregos. Os funcionários que forem convocados e aceitarem suspender os contratos de trabalho terão todos os benefícios garantidos e estabilidade correspondente ao período de suspensão. 

PUBLICIDADE

“Tivemos uma votação expressiva e, isso, mostra que a proposta que construímos foi muito melhor do que prevê a lei do layoff. Aceitamos negociar a suspensão dos contratos de trabalho com o intuito de preservar o emprego dos trabalhadores. Esperamos que a montadora tenha esta prerrogativa de preservar os empregos de todos que estão lá dentro”.

Hoje, o Polo Automotivo de Betim emprega cerca de 14 mil trabalhadores e até 6,5 mil poderão ter os contratos suspensos. A ideia é que a suspensão ocorra de forma gradual ao longo do programa, que começa a partir de 1º de outubro e termina em 30 de setembro de 2022.

“É importante frisar que o afastamento não será feito de uma só vez. A empresa tem um período de 12 meses para afastar os 6,5 mil. A intenção da empresa é fazer de forma gradativa, normalmente, suprimindo um turno ou algo nesta linha. A empresa não tem intenção de parar toda a produção. Esperamos que a questão dos insumos se normalize dentro de dois ou três meses no máximo”.

O trabalhador que aderir ao programa terá o contrato de trabalho suspenso por períodos que variam de dois a quatro meses. Estes profissionais não poderão ser convocados para novos layoffs pelo período de 16 meses. As primeiras suspensões serão iniciadas em outubro e a montadora terá que comunicar, por escrito, o trabalhador com antecedência mínima de sete dias. Para as demais, o comunicado deve ser feito com antecedência mínima de 15 dias.

Quem tiver o contrato suspenso deverá participar da qualificação profissional, que será virtual. A montadora pagará R$ 70 mensais para custeio da internet, durante o período da suspensão do contrato. A frequência mínima exigida é de 75% nas aulas. 

Em relação ao salário, o funcionário que aderir ao programa receberá parte da remuneração pelo Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda, do Ministério da Economia, e o restante da montadora.

A proposta garante pagamento integral para os trabalhadores que ganham até R$ 3.500, valor líquido mensal. Quem recebe de R$ 3.500,01 a R$ 6.988,30 terá garantido 95% do salário. Entre R$ 6.988,31 e R$ 10.800 o valor a ser recebido corresponderá a 90% do salário líquido e, acima de R$ 10.800, receberá 85% do valor. 

“O trabalhador que estiver inserido nessa modalidade do programa não terá nenhuma perda na sua Participação nos Lucros e Resultados (PLR), no seu 13º salário e nem mesmo nas férias. Outro ponto importante, é que a data base do setor é 1º de outubro e já temos um acordo assinado com a montadora. Garantindo o reajuste salarial e demais clausulas”.

A maior parte das suspensões deve se concentrar nos trabalhadores da área produtiva. “A empresa, normalmente, monta um fluxo muito grande de veículos e tem vários veículos dentro da fábrica montados e faltando componentes. Então, obviamente, a maior parte será da montagem”.

Preservação de empregos 

Em nota, a Stellantis informou que os trabalhadores do Polo Automotivo de Betim aprovaram, por maioria de votos em assembleia, a concessão de layoff a uma parte da força de trabalho da empresa, em decorrência do impacto da crise sanitária e de suas consequências sobre a economia, que agravaram a escassez global de insumos, notadamente de componentes eletrônicos, comprometendo a capacidade de manter o ritmo e volume de produção dentro de padrões previsíveis. 

“A suspensão do contrato de trabalho para qualificação profissional preserva os empregos dos trabalhadores envolvidos e assegura os direitos estabelecidos no acordo coletivo de trabalho, além de oferecer qualificação profissional, estabilidade no emprego proporcional ao período de afastamento e o pagamento de bolsa-auxílio, para preservar o poder aquisitivo”. 

Segundo a Stellantis, o acordo tem vigência de um ano e poderá ser aplicado por período de dois a quatro meses. O objetivo é o enfrentamento da crise sem precedentes no fornecimento de insumos e componentes. A empresa espera a normalização dos suprimentos e a retomada dos volumes de produção no menor prazo possível.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!