COTAÇÃO DE 19/01/2022

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,5600

VENDA: R$5,5600

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,5770

VENDA: R$5,7130

EURO

COMPRA: R$6,2610

VENDA: R$6,2639

OURO NY

U$1.814,31

OURO BM&F (g)

R$322,84 (g)

BOVESPA

+0,28

POUPANÇA

0,6310%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia

Serviços no Brasil crescem em novembro, mas custos de insumos pesam

COMPARTILHE

POR

" "
Crédito: REUTERS/Pilar Olivares

São Paulo – A atividade de serviços do Brasil cresceu em novembro pelo sexto mês seguido, diante do fortalecimento da demanda, embora tenha desacelerado o ritmo em meio a uma taxa recorde de inflação de insumos, mostrou o Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla me inglês).

O PMI de serviços divulgado nesta sexta-feira pela IHS Markit caiu a 53,6 em novembro, de 54,9 em outubro, para o nível mais baixo no atual período de expansão de seis meses seguidos. Ainda assim, o índice permaneceu bem acima da marca de 50, que separa crescimento de contração.

PUBLICIDADE




O desempenho do setor teve como base a retomada do crescimento das vendas, com o volume de novos pedidos aumentando no ritmo mais rápido desde março de 2019.

Isso foi possível com a redução de casos da Covid-19 no Brasil e o maior acesso à vacina, o que aumentou a confiança do mercado e a demanda em novembro, destacou a IHS Markit.

Por outro lado, a demanda internacional por serviços brasileiros piorou, com o subíndice de pedidos para exportação caindo à taxa mais rápida desde março.

Os fornecedores de serviços conseguiram novos trabalhos mesmo com o forte aumento dos preços cobrados, a um ritmo superado apenas pelos observados nos dois meses anteriores.




Isso porque os custos crescentes continuaram sendo repassados para os clientes –a pesquisa registrou no mês o maior aumento dos insumos desde o início da coleta de dados, em março de 2007.

Foram citados preços mais elevados de itens como bebidas, alimentos, combustível, transporte e serviços públicos, bem como a desvalorização do real e a crise hídrica.

“É preocupante que a inflação do preço de insumos tenha atingido um novo recorde, um fator que pode diminuir a recuperação nos próximos meses, à medida que custos adicionais continuam afetando os encargos finais”, destacou a diretora associada de economia da IHS Markit, Pollyanna De Lima.

Mas o aumento da demanda estimulou os prestadores de serviços brasileiros a contratar funcionários. A taxa de crescimento da contratação foi a mais forte desde meados de 2008.

A confiança também aumentou em novembro, diante da expectativa de que a pandemia continue perdendo força conforme melhora o acesso às vacinas. O nível de otimismo foi o segundo mais robusto desde o início da pandemia de Covid-19.

Em contraste com o crescimento dos serviços, a atividade da indústria brasileira contraiu pela primeira vez em um ano e meio em novembro, o que derrubou a expansão do setor privado como um todo à mínima em seis meses. O PMI Composto caiu a 52,0 em novembro, de 53,4 no mês anterior.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!