COTAÇÃO DE 23 A 25/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6270

VENDA: R$5,6270

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6730

VENDA: R$5,8030

EURO

COMPRA: R$5,6730

VENDA: R$5,6750

OURO NY

U$1.792,47

OURO BM&F (g)

R$327,87 (g)

BOVESPA

-1,34

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia

Vendas de usados no Estado têm queda em setembro

COMPARTILHE

Crédito: DIVULGAÇÃO/Carbig

A comercialização de veículos seminovos e usados em Minas Gerais, após meses registrando altas, caiu em setembro. No mês, a redução ficou em 11,4% se comparada com agosto e recuou 7,8% frente a setembro de 2020. Apesar do resultado negativo, no acumulado do ano até o nono mês, a comercialização já avançou 26,6% frente a igual período do ano anterior. 

A retração nas vendas é resultado da baixa oferta de veículos usados e seminovos no mercado. Os problemas com a falta de componentes eletrônicos enfrentados pelas montadoras diminuíram a oferta de carros zero e, consequentemente, impactou nos seminovos e usados. 

PUBLICIDADE

Segundo dados da Federação Nacional das Associações dos Revendedores de Veículos Automotores (Fenauto), nos primeiros nove meses de 2021, a venda de veículos usados e seminovos em Minas Gerais totalizou 1.436.610 unidades, superando em 26,6% o volume comercializado em igual intervalo de 2020, que era de 1.134.812 unidades.

Já em setembro, os resultados foram negativos. Ao todo, foram comercializadas 161.151 unidades, volume 11,4% inferior a agosto, quando as vendas somaram 181.954 veículos. Em relação ao nono mês de 2020, quando somaram 174.808 unidades vendidas, a queda ficou em 7,8%. 

De acordo com o diretor de Planejamento e Marketing da Associação dos Revendedores de Veículos no Estado de Minas Gerais (Assovemg), Flávio Maia, alguns fatores têm contribuído para a redução da oferta de seminovos e usados no mercado, o que impactou de forma negativa o desempenho do setor em setembro.

“As lojas não estão conseguindo manter estoque de carros seminovos e usados para atender à demanda, que está grande. Sem estoques, não temos vendas, por isso, a comercialização caiu 11%. Isso é resultado da menor oferta de veículos novos no mercado, já que as montadoras enfrentam um grave problema no abastecimento de componentes eletrônicos”, explicou.

Não há expectativa de regularização da oferta ainda este ano, o mais provável é somente ao longo do primeiro semestre de 2022. Com isso, a tendência é de novas quedas nas vendas mensais. Porém, como os resultados do primeiro semestre foram muito positivos, a estimativa é de encerrar o ano com alta nas vendas frente a 2020.

“Estamos vivendo um momento muito difícil e que pode se agravar. Existe uma tendência de complicações maiores da pandemia na Malásia e Vietnã, países que têm forte participação na produção de componentes eletrônicos e isso pode prejudicar ainda mais a produção de veículos zero. Mesmo com as dificuldades, o setor de seminovos e usados vai encerrar o ano com alta nas vendas, resultado de um primeiro semestre muito positivo”, disse.

Ainda segundo Maia, na empresa em que ele é sócio-proprietário, a Auto Maia Veículos, as vendas também estão sofrendo impactos da falta de estoques. 

“Não registramos queda na nossa comercialização, mas, após um período de alta, há três meses estamos com resultados estáveis e estoques cada vez menores”.

A baixa oferta de seminovos e usados já impacta os preços. Segundo Maia, hoje, os preços dos carros aumentaram cerca de 27% se comparado aos valores praticados antes da pandemia. Em modelos populares, a valorização pode chegar a 40%.  

“Com o aumento, para o ano que vem, a tendência é de um IPVA também mais caro. Isso vai impactar na vida dos consumidores. Minas Gerais tem uma das alíquotas mais altas, 4% nos veículos de passeio, enquanto em outros estados o índice é de 1,5%”.

Recuo atinge todas as idades

A menor oferta de veículos impactou de forma negativa a venda de veículos de todas as idades. Em setembro, a venda de seminovos, carros com até três anos de uso, apresentou queda de 8,6% frente a agosto, com a venda de 19.441 unidades, ante as 21.269 efetuadas no oitavo mês do ano. Apesar do resultado negativo, no acumulado do ano, as vendas estão 17,1% maiores. 

A comercialização de automóveis de quatro a oito anos diminuiu 13,3% frente a agosto, com a venda de 37.053 unidades. Na comparação com setembro de 2020 foi registrada retração de 22,3%. Já nos primeiros nove meses de 2021, quando ocorreu a venda de 374.364 unidades, o incremento é de 11% se comparado com igual intervalo do ano anterior.

Os carros com idade entre nove e 12 anos apresentaram recuo nas vendas de 12,1% em setembro, frente a agosto, somando 39.565 veículos comercializados. No acumulado do ano, as vendas estão em 357.922 unidades, alta de 31,8% frente ao mesmo intervalo de 2020.
Na categoria de carros acima de 13 anos foram vendidos 65.092 automóveis, representando uma queda de 10,7% quando comparada com agosto. Frente a setembro de 2020, houve aumento de 5,2%. No acumulado dos primeiros nove meses, as vendas somam 515.950 unidades, 41,2% maiores.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!