COTAÇÃO DE 02/08/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,1650

VENDA: R$5,1650

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,1700

VENDA: R$5,3200

EURO

COMPRA: R$6,0990

VENDA: R$6,1002

OURO NY

U$1.813,45

OURO BM&F (g)

R$299,72 (g)

BOVESPA

+0,59

POUPANÇA

0,2446%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Especial: diálogos DC Negócios-destaque

DIÁLOGOS DC | Movimento Minas 2032 promove engajamento das entidades

COMPARTILHE

Precisamos avançar na articulação, provoca Adriana Muls - Crédito: Arquivo DC

Lançado há dois anos, o Movimento Minas 2032 – pela transformação Global (MM 2032), organizado pelo DIÁRIO DO COMÉRCIO, tem como objetivo criar uma comunidade de desenvolvimento para a construção conjunta de reflexões e ações efetivas para promover a consolidação dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, instituídos pela ONU em 2015, em Minas Gerais.

De acordo com a coordenadora do MM 2032, Adriana Muls, a grande conquista do Movimento nestes dois anos foi conseguir unir as entidades representativas do setor produtivo, academia e ONGs para construção conjunta e ações efetivas que promovam o desenvolvimento e fortalecimento de Minas Gerais, tendo como base de orientação os ODS – entendendo que eles são fundamentais para a consolidação de um novo modelo de produção e de convivência socioambiental que promoverá a longevidade das empresas com grandes oportunidades de negócio, maior justiça social e respeito as restrições naturais.

PUBLICIDADE

“Como desafio, o MM2032 precisa avançar na articulação com movimentos afins, conhecer mais profundamente a realidade de MG e fazer com que o Estado seja referência para o País. Para isso, há uma necessidade premente de interação com o governo do Estado e maior adesão das empresas”, explica Adriana Muls.

O Sistema Ocemg – formado pelo Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado de Minas Gerais (Ocemg) e pelo Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo de Minas Gerais (Sescoop-MG) – é um dos integrantes originais do MM 2032. Para a gerente de Capacitação do Sistema Ocemg, Andréa Sayar, o próprio cooperativismo é um sistema de rede em que as empresas se unem pelo propósito de levar desenvolvimento para as pessoas. A participação no MM 2032 é mais uma forma de se integrar a causa global da sustentabilidade.

“Olhando para o desenvolvimento das cooperativas percebemos que os resultados vão muito além do econômico. Por meio, especialmente, da intercooperação conseguimos que as cooperativas sejam um agente de desenvolvimento local, investindo em qualificação e promoção da qualidade de vida. O mesmo acontece quando nos unimos a entidades irmãs como Sebrae Minas (Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas – Minas Gerais) e Faemg (Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais) e o próprio Movimento Minas 2032”, afirma Andréa Sayar.

Parceira do MM 2032 de primeira hora, a ArcelorMittal tem o trabalho colaborativo como centro da estratégia de promoção do desenvolvimento sustentável. Esta união de forças se dá desde o âmbito local, onde a empresa está fisicamente presente, ao global, por meio das redes de relacionamento estabelecidas pelo maior grupo siderúrgico mundial.

“A ArcelorMittal Brasil foi a primeira integrante do Movimento devido ao seu alinhamento com a nossa visão de negócio. Acreditamos fortemente na corresponsabilidade institucional e na união de todos os setores da sociedade para a reflexão da realidade e definição de ações conjuntas em prol da sustentabilidade local e global. Nesse contexto, a participação da ArcelorMittal no MM 2032 é absolutamente coerente com o plano de desenvolvimento sustentável da empresa no tocante ao estabelecimento de redes em prol do futuro do planeta”, afirma o gerente-geral de Responsabilidade Institucional e Comunicação da ArcelorMittal Brasil, Fernando Carvalhaes.

O grupo definiu 10 diretrizes que norteiam a contribuição do grupo ao esforço global de construção de um futuro sustentável. Elas envolvem todos os públicos de relacionamento do grupo e estabelecem redes interconectáveis que vão das comunidades locais às cadeias mundiais de fornecedores e clientes. A empresa também busca estabelecer laços com organizações multilaterais e empresariais, ONGs, universidades e governos, de modo a horizontalizar e amplificar o esforço do grupo de cumprimento de suas próprias diretrizes de sustentabilidade.

“O sucesso no alcance dos ODS depende fundamentalmente da qualidade do engajamento dos participantes e do conjunto global das ações para o atingimento das metas. Implantamos um modelo de governança que prevê que cada uma das 10 diretrizes tenha um responsável pelo acompanhamento dos desdobramentos práticos, tomadas de iniciativas e estabelecimento de redes colaborativas. Entre as diretrizes destacam-se o desenvolvimento de produtos que incentivem estilos de vida mais sustentáveis; uso eficiente dos recursos e altos índices de reciclagem; usuário confiável do ar, da terra e da água e usuário responsável de energia, ajudando a criar um futuro com baixa emissão de carbono”, pontua Carvalhaes.

LEIA TAMBÉM:

Empresas formam redes em prol dos ODS

Vulnerabilidade exige políticas transversais

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!