Superfaturamento na aquisição de insumos e equipamentos para combate à Covid-19 teria gerado perdas de R$ 700 mil | Crédito: Nacho Doce /Reuters

Rio de Janeiro – Policiais federais fizeram ontem uma operação contra um suposto esquema de fraudes na compra de insumos e equipamentos para o combate à Covid-19 na cidade de Juiz de Fora, em Minas Gerais. A operação Guaxinim cumpre mandados de busca e apreensão para encontrar evidências da prática de crimes.

Segundo a Polícia Federal (PF), em diferentes ocasiões, uma mesma fornecedora foi contratada – em caráter emergencial e com dispensa de licitação – para fornecer máscaras cirúrgicas descartáveis e álcool com preços 74% acima do valor de mercado.

De acordo com a PF, o superfaturamento apontado pela Controladoria Geral da União (CGU) variou de 56% a 74% acima de valores de mercado, o que teria causado prejuízo de R$ 700 mil.

As investigações mostraram que uma empresa contratada tem pequeno porte e uma razão social diversa do objeto contratado. Também foi constatado atraso na entrega do material, que não estava de acordo com as especificações técnicas requeridas.

Infraero – A PF também cumpriu ontem mandados contra suspeitos de fraudes em licitações da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero). As investigações da PF constataram que, entre 2016 e 2018, empregados da Infraero e empresários dos ramos de turismo e de alimentação participaram do esquema ilícito.

As licitações envolviam a escolha de empresas que ocupariam as áreas de lounge e os quiosques de alimentações dos aeroportos de Congonhas, em São Paulo, e Santos Dumont, no Rio de Janeiro. Os funcionários são suspeitos de subavaliar as áreas e desqualificar empresas que não participavam do esquema fraudulento.

As licitações acabavam por escolher propostas menos vantajosas para a Infraero, segundo a PF, e causaram um prejuízo estimado de R$ 10 milhões.

O esquema foi descoberto em um procedimento apuratório interno da própria Infraero. Os suspeitos responderão pelos crimes de associação criminosa, corrupção, violação de sigilo funcional e crimes licitatórios.

A operação Índia cumpre 19 mandados de busca e apreensão no Distrito Federal e em cinco estados (Rio de Janeiro, São Paulo, Bahia, Paraná e Rio Grande do Norte). (ABr)