COTAÇÃO DE 17/09/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2820

VENDA: R$5,2820

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,3100

VENDA: R$5,4500

EURO

COMPRA: R$6,2293

VENDA: R$6,2322

OURO NY

U$1.754,86

OURO BM&F (g)

R$298,96 (g)

BOVESPA

-2,07

POUPANÇA

0,3012%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Legislação
Crédito: Marcos Santos / Usp imagens
Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

O Projeto de Lei nº 1.761/2020, de autoria do deputado estadual Bartô (Novo), aprovado na Comissão de Constituição e Justiça e em análise na Comissão de Fiscalização Financeira e Orçamentária da Assembleia Legislativa, altera a legislação tributária para possibilitar a regularização da situação de contribuintes perante a Receita Estadual.

“O projeto amplia as hipóteses de cancelamento e redução de multas. A legislação atual é muito restritiva nesse aspecto”, explica a advogada Carolina Ferreira de Carvalho, associada de Grebler Advogados.

PUBLICIDADE

Se for aprovada, a nova lei permitirá a diminuição das multas com base em uma avaliação da capacidade econômica pelo Conselho de Contribuintes do Estado de Minas Gerais. Esse benefício somente é aplicável para pessoas jurídicas não enquadradas como microempresa ou empresa de pequeno porte. O projeto também prevê a extensão do benefício concedido a um contribuinte para os demais contribuintes que se encontrarem em situação análoga, proporcionando, assim, equidade de tratamento.

Outra alteração proposta diz respeito à adequação da base de cálculo das multas isoladas. De acordo com a advogada, a multa não seria mais aplicada sobre o valor total da operação, mas sobre o valor da diferença apurada ou do tributo não recolhido. “Por exemplo, se a operação for de R$ 1 milhão e o imposto não recolhido for de R$ 200 mil, a multa passa a ser calculada sobre o valor do tributo não recolhido e não sobre o valor total da operação, como acontece atualmente”.

As reduções ou cancelamentos serão decididos pelo Conselho de Contribuintes, órgão colegiado formado por representantes da Fazenda Estadual e dos contribuintes, sendo que a decisão de concessão do benefício não poderá ser tomada pelo voto de qualidade (desempate dado pelo presidente do órgão julgador).

“Se aprovadas, as mudanças vão beneficiar os contribuintes, mas o caminho será longo até sua aprovação final, já que o projeto terá que ser aprovado em dois turnos pelo plenário da Assembleia Legislativa antes de ser submetido à sanção do governador”.

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!