DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,1220

VENDA: R$5,1230

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,1430

VENDA: R$5,2800

EURO

COMPRA: R$6,1922

VENDA: R$6,1950

OURO NY

U$1.876,87

OURO BM&F (g)

R$309,26 (g)

BOVESPA

+0,13

POUPANÇA

0,2019%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Opinião

EDITORIAL | Faltou o polimento

COMPARTILHE

Crédito: REUTERS/Adriano Machado

Já foi dito, por alguém que hoje está distante dos holofotes, que a reforma política seria, para o País, a primeira e mais importante. “A mãe de todas as reformas”, chegou a dizer, acrescentando que obrigatoriamente deveria anteceder as reformas do Estado, administrativa, do sistema previdenciário e tributário.

Mas um daqueles casos, infelizmente tão comuns entre nós, em que a distância entre o que é dito e é feito acaba se revelando demasiadamente grande. Um fato que ajuda a explicar o que ocorre presentemente, nos campos político e da gestão pública, da mesma forma que faz entender os desvios condenados nas campanhas políticas e largamente praticados no exercício da política.

PUBLICIDADE

Algo tão importante, fundamental mesmo, mas deixado de lado porque, na prática, altamente inconveniente para os grupos que literalmente tomaram de assalto o Estado brasileiro, avalizando e estimulando toda sorte de desvios e fazendo do “é dando que se recebe” uma espécie de dogma, que tudo justifica, na ilusão de uma precária governabilidade que é feita exclusivamente de interesses, sem nada, ou quase nada, que aproxime a atuação dos agentes públicos das verdadeiras demandas e interesses abraçados pela coletividade.

Assunto antigo, na realidade arremate e acabamento da redemocratização, alicerce para a redação da nova Constituição que deveria ser o fecho das grandes transformações que dariam ao Brasil uma nova face e uma melhor perspectiva de futuro. Não aconteceu, simplesmente, e os resultados aí estão, com mais de trinta partidos políticos estabelecidos, impondo gastos inúteis e despropositados, tornando impossível a construção de coligações que legitimem a governabilidade a partir de projetos e plataformas, voltadas para os grandes objetivos nacionais. De outra parte, propiciam transações nada republicanas, mantendo o País ancorado no atraso, numa democracia formal, mais frágil e imatura, disfuncional não será exagerado afirmar.

São os nossos males e os nossos pecados maiores, aqueles portanto que requerem mais atenção, porque único e verdadeiro ponto de partida para a busca das melhores ambições da maioria dos brasileiros. Algo que não acontece exatamente porque é o mais importante, na mesma proporção que é o menos conveniente para os que enxergam na política apenas o caminho do poder, da ambição maior, quase sempre feita de conquistas e vantagens singulares.

Eis a medida da importância da reforma política, que em passado já distante foi apresentada como polimento final da redemocratização.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!