COTAÇÃO DE 21-01-2022

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,4550

VENDA: R$5,4550

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,4870

VENDA: R$5,6130

EURO

COMPRA: R$6,1717

VENDA: R$6,1729

OURO NY

U$1.829,52

OURO BM&F (g)

R$320,53 (g)

BOVESPA

-0,15

POUPANÇA

0,6107%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Opinião

Governança social e ambiental

COMPARTILHE

" "
Crédito: Pixabay

A ESG é uma nova visão em discussão para desempenhar as atribuições de um mundo mais justo que se preocupa com o investimento para o social, governança e ambiental. Este poderá se transformar num meio de organizar uma sociedade democrática e responsável.

ESG é uma sigla em inglês que significa ambiental, social e governança. Ssurgiu em 2004 por iniciativa da Who Cares Wins, da ONU (Organização das Nações Unidas) em parceria com Instituições financeiras. As empresas são sustentáveis, consciente e corretamente gerenciada.

PUBLICIDADE




No Brasil a ESG chegou no ano passado com força para ficar e um dos problemas é “criar  para não sufocar as empresas com as exigências, pois antes o investidor só queria saber do retorno financeiro, sem se preocupar com impacto “ – jornal O Estado de São Paulo 27/06/2021 ), suplemento. O Brasil não pode julgar sua própria realidade para participar do movimento de da esg, pois falta esclarecimento sobre o tema de modo a orientar de maneira a criar novos padrões para as empresas.

Os benefícios de reunir ao ESG são: conseguir agregar ao negócio à sociedade e ao planeta; reduzir os riscos socioambientais e de governança; garantir atuação sustentável no planeta; retenção de talento; melhorar o relacionamento com todas as partes interessadas com as práticas do movimento ESG.

É indispensável modificar o mercado onde as empresas desempenham a governança, social e ambiental-ESG ( na sigla em inglês). É um caminho sem volta para as empresas, pois se é obrigação: zelar o meio ambiente, ter responsabilidade para resolver por melhores governanças conduz a empresa a ação. Estas boas práticas dá origem a melhores resultados.

No Brasil 85% percebem por meio da ESG que é melhor comprar e manter no mínimo o risco ambiental e 97% a nível global tem esperança que as marcas resolvam os problemas sociais.




As empresas ou marcas põem em prática os princípios da sustentabilidade e se colocam em integração com a comunidade. A integração com o social busca resolver a desigualdade. As empresas tratam de resolver os problemas socioambientais, pois uma das questões não resolvida na pandemia é a urgência dos problemas ambientais. Este movimento submete a esforço os consumidores mais bem informados e investidores que além dos índices financeiros examinam os fatores ambientais, sociais e de governança da empresa.

A ESG dá assistência a investimento sólido que concede auxílio mútuo para desempenho da empresa em áreas criticas, como: mudanças climáticas, remuneração, diversidade e inclusão.

Com relação ao social é como a empresa trata com referência seus parceiros; clientes, colaboradores e funcionários, etc.. Além dos temas, inclusão e diversidade enquanto a governança opta pela melhor gestão corporativa.

A prática do ESG acrescenta os investimentos e apresenta bons resultado nos negócios e finanças que pode ser também um critério para o investimento. Os investidores levam em conta para conduzir capital as empresas o alinhamento com os princípios ESG. Cito a seguir alguns princípios: Valores éticos; práticas ambientais, sociais e de governança; investimento responsável;

Na pandemia a ESG mune-se de melhoria na sociedade, motivo pelo qual está se transformando numa obrigação para a empresa. É uma das principais tendências para2021.

As empresas que optam pelas práticas ESG conseguem: Otimizar o investimento, reduzir problemas legais; aumentar a receita; diminuir custos e elevar produtividade.




A ESG está convertendo o investimento pelas melhores práticas ambientais, sociais, governança, não é somente o lucro dos acionistas, mas também bem-estar dos funcionários, redução das desigualdades sociais; desenvolvimento da comunidade e a preservação do meio ambiente.

A ESG fica na dependência de política pública, pois as empresas estão subordinando suas ações na condição de agente. Quem a adota tem maior valor no mercado. Isto é para as empresas de todos os portes, pequenas, médias e grandes, além da cooperativa de crédito.

A cooperativa de crédito adota a ESG . O cooperativismo tem a capacidade para intervir e pôr em práticas a organização socioeconômica com sustentabilidade e executar as respectivas funções e adaptar aos seus (7) sete princípios. “Preocupação com a comunidade” o sétimo, que vincula com o meio ambiente, as ações humanitária e socioambiental. A diferença da ESG com a cooperativa ambiental é que não é só uma empresa mais um conjunto de conhecimento de princípios básicos em que as pessoas e as instituições usufruem de práticas empresariais na qual a gestão é feita pelos cooperadores que são donos e gestores.

È uma sociedade de pessoas e não de capital numa união determinada por princípios básicos para sua gestão em adesão livre, gestão democrática, participação econômica dos sócios e autonomia e independência. A sustentabilidade ambiental tem no empreendimento cooperativo a redução de desperdício, descarte consciente, reciclagem, neutralização das emissões de carbono, etc…

Uma sociedade justa precisa que as empresas colaborem com os problemas sociais e estruturais do país que redundam na redução da desigualdade. As empresas, governo e sociedade devem se integrar na ESG para buscar um mundo mais justo.

*Mestre em Cooperativismo pelo Cedope/Unisinos (São Leopoldo, RS) | monteagudo.rosalvi@gmail.com
Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!