DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2090

VENDA: R$5,2100

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,1800

VENDA: R$5,3600

EURO

COMPRA: R$6,0756

VENDA: R$6,0768

OURO NY

U$1.813,62

OURO BM&F (g)

R$300,00 (g)

BOVESPA

-3,08

POUPANÇA

0,2446%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Opinião

Perspectivas para o comércio exterior

COMPARTILHE

Crédito: Paulo Whitaker/Reuters

A previsão da Maersk, uma das maiores empresas de logística do Brasil, de que, ainda em 2021, haverá um aumento de 5% no volume das operações em cargas conteinerizadas chegou num momento em que o pessimismo começava a tomar conta do setor, diante da expectativa de que a participação do Brasil possa vir a cair abaixo de 1% na corrente de comércio mundial. Como se sabe, no último relatório da Organização Mundial do Comércio (OMC), em 2019, o Brasil respondeu por apenas 1,2% das exportações, ocupando a 27ª posição global, e 1% das importações, o que o deixou na 28ª posição. 

De acordo com a armadora, desde julho de 2020, as exportações e as importações têm apresentado forte desempenho, apesar das dificuldades provocadas pelos efeitos da pandemia de coronavírus (Covid-19). Segundo o estudo, no primeiro trimestre de 2021, o volume de importações e exportações cresceu 9% em comparação com o mesmo período de 2020. Com certeza, esse resultado foi obtido em função do crescimento registrado em alguns segmentos, como o agropecuário, o de sucatas ferrosas e o de minério de ferro.

PUBLICIDADE

Conforme o relatório da Maersk, as importações chegaram a 11% no primeiro trimestre de 2021, com destaque para maquinários e aparelhos eletrônicos, têxtil e couro e bens de consumo. Já as exportações, em comparação com o mesmo trimestre de 2020, aumentaram 6%, em consequência de uma safra alta e do crescimento do mercado brasileiro, especialmente nos segmentos de algodão, açúcar, café, carne suína e carne bovina.

Esses números, porém, ainda devem ser vistos com prudência, pois, no ano passado, a pandemia de coronavírus causou um impacto no Brasil acima da média mundial, tendo a corrente de comércio recuado 8,2%, segundo levantamento da OMC, enquanto o encolhimento no planeta foi de 7,6%. De acordo com dados da Confederação Nacional da Indústria (CNI), a retração na corrente de comércio brasileira, em 2020, resultou da queda de 7% na exportação e de 10% na importação.

Para 2021, a OMC prevê uma queda entre 13% e 32% no volume do comércio global, garantindo que será mais acentuada do que aquela registrada durante a crise financeira de 2008 e 2009. No ano passado, entre os membros do G20, grupo formado pelos ministros de Finanças e chefes dos bancos centrais das 19 maiores economias do mundo mais a União Europeia, a corrente de comércio diminuiu 8% em relação a 2019.

Aliás, só a China registrou crescimento na corrente de comércio em 2020, com evolução de 4% nas exportações e de 1% nas importações. Com isso, chegou a uma corrente de comércio de US$ 4,6 trilhões, aumentando a sua participação no comércio global de 12% para 13%, o que lhe garantiu a liderança no ranking, à frente de Estados Unidos, Alemanha e Japão.

Para melhorar a posição do País no ranking mundial, está claro que ao governo brasileiro não resta outra saída que não seja avançar nas reformas estruturais, principalmente na questão tributária, e eliminar os gargalos que elevam o custo Brasil, conjunto de dificuldades estruturais, burocráticas, trabalhistas e econômicas que atrapalham o crescimento, influenciam negativamente o ambiente de negócios, encarecem os preços dos produtos nacionais e os custos de logística, comprometem investimentos e contribuem para uma excessiva carga tributária.

Para tanto, são necessárias medidas que promovam desburocratização, redução de tarifas, melhoria do financiamento e o fechamento de acordos comerciais para a redução de barreiras aos produtos brasileiros no exterior. Segundo cálculos da CNI, o custo Brasil retira cerca de R$ 1,5 trilhão por ano das empresas instaladas no País, representando 20,5% do produto interno bruto (PIB).

Obviamente, se aqueles países que ocupam os primeiros lugares no ranking da OMC se recuperarem, o comércio exterior brasileiro deverá crescer. Mas não há dúvida de que essa recuperação deverá ser mais lenta e que muitos países poderão adotar medidas mais protecionistas, o que deverá dificultar a assinatura de novos acordos, inclusive aquele previsto entre o Mercosul e a União Europeia. Portanto, o risco de a participação do Brasil na corrente de comércio mundial cair para baixo de 1% ainda é alto.

*Jornalista e assessor de imprensa do Grupo Fiorde | fiorde@fiorde.com.br | www.fiorde.com.br
Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!