COTAÇÃO DE 25/01/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,5074

VENDA: R$5,5089

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,5074

VENDA: R$5,5089

EURO

COMPRA: R$6,6799

VENDA: R$6,6828

OURO NY

U$1.856,15

OURO BM&F (g)

R$327,82 (g)

BOVESPA

-0,80

POUPANÇA

0,1159%%

OFERECIMENTO

Mercantil do Brasil - ADS

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia zCapa

Aeroporto de Confins terá retomada gradual

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Crédito: BH Airport / Divulgação

Depois de registrar quedas robustas em fluxo de passageiros e número de voos, em função da pandemia do novo coronavírus (Covid-19), aos poucos o Aeroporto Internacional de Belo Horizonte, localizado em Confins (Região Metropolitana de Belo Horizonte), vai retomando sua rotina e aposta em crescimento da movimentação a partir de junho.

Para o próximo mês estão previstos 885 voos domésticos, alta de 57% em relação a maio e a passagem de 50 mil viajantes pelo terminal.

Em abril foram cerca de 35 mil passageiros, enquanto eram esperados números próximos de 1 milhão. Já os voos diminuíram de uma média diária de 350 para menos de 30 por dia.

De acordo com o gestor de Conectividade e Aviação da BH Airport, concessionária que administra o aeroporto, Clayton Begido, esse aumento é apenas o início da retomada.

Segundo ele, as expectativas para os próximos meses são favoráveis e tanto companhias quanto a administradora apostam num aumento gradual.

“A intenção das companhias é encerrar 2020 com pelo menos 70% da oferta existente. Ao considerarmos o cenário e o nível atingido durante a pandemia, é um patamar promissor. As empresas estão cautelosas, esperando o achatamento da curva, mas já indicam que essa retomada maior deverá ocorrer nos próximos meses, com picos em julho e agosto”, explicou.

Conforme já publicado, a expectativa do aeroporto também é encerrar 2020 com 70% da movimentação de passageiros, prevista inicialmente para o exercício, totalizando 12,2 milhões de pessoas. Caso a estimativa se confirme, pouco mais de 8,5 milhões de pessoas terão embarcado e desembarcado no terminal no decorrer deste ano.

“Com os 885 voos domésticos previstos para o mês que vem, o aeroporto volta a ter 10% das operações que tinha no período anterior à chegada do Covid-19. Ou seja, de 5% já subimos pra 10% e logo atingiremos outro patamar”, revelou. Segundo ele, a Azul – companhia que opera o maior número de voos do aeroporto –, já fala em retomar o nível de operação pré-pandemia no terminal. De maneira complementar, sua equipe seguirá trabalhando na atração de novas rotas da Latam e da Gol.

Para o próximo mês também está previsto o retorno de duas ligações ao Aeroporto Internacional de Belo Horizonte, com a volta dos voos para Brasília (DF) e Congonhas (SP). Eles se juntam a outros oito voos que já estavam ocorrendo em maio e serão mantidos em junho para: Guarulhos (SP), Campinas (SP), Santos Dumont (RJ), Vitória (ES), Montes Claros (MG), Uberlândia (MG), Cuiabá (MT) e São Luís (MA).

Sobre os voos internacionais, Begido afirmou que a normalização será um pouco mais demorada. Adiantou que a Copa Air Lines já oficializou a volta das operações para agosto e que a TAP tinha previsão de reiniciar em julho, mas adiou para agosto também.

“Países da Europa e da Ásia que enfrentaram a pandemia antes do Brasil estão chegando agora a níveis de 60% ou 70% da aviação doméstica. Precisaremos ter paciência, pois vai ser uma retomada gradual”, analisou.

Cargas – Por outro lado, a movimentação de cargas acabou sendo beneficiada pela pandemia. Apenas no Aeroporto Internacional de Belo Horizonte houve aumento na casa dos dígitos, conforme o gestor de Conectividade e Aviação da BH Airport.

Embora não tenha revelado números, ele explicou que com a restrição do transporte de passageiros e o aumento de compras pela Internet, o segmento acabou sendo beneficiado, inclusive com a participação de grandes cargas relacionadas ao combate à pandemia, como Equipamentos de Proteção Individual (EPI) e máquinas e equipamentos hospitalares vindos de outros países.

Por fim, Begido ponderou que o transporte de cargas não é o core business de um aeroporto, mas que o segmento é uma das maiores apostas – senão a maior –da concessionária para o terminal localizado em Confins.

“Prova disso é a construção do primeiro aeroporto-indústria do País, um local em que as empresas poderão receber insumos, manufaturar e exportar com maiores benefícios, e que poderá colocar Minas Gerais nas principais prateleiras de investimentos do mundo”, finalizou.

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

VEJA TAMBÉM

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!

FIQUE POR DENTRO DE TUDO !

Não saia antes de se cadastrar e receber nosso conteúdo por e-mail diariamente