DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2090

VENDA: R$5,2100

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,1800

VENDA: R$5,3600

EURO

COMPRA: R$6,0756

VENDA: R$6,0768

OURO NY

U$1.813,62

OURO BM&F (g)

R$300,00 (g)

BOVESPA

-3,08

POUPANÇA

0,2446%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia

Arrecadação estadual tem crescimento de 25,4% nos 5 primeiros meses do ano

COMPARTILHE

O recolhimento de ICMS sobre a produção de combustíveis aumentou 21% | Crédito: Alisson J. Silva/Arquivo DC

Mesmo com a pandemia de Covid-19, o que ainda impacta de forma negativa no funcionamento de diversas atividades econômicas, a arrecadação estadual continua crescendo. De acordo com os dados da Secretaria de Estado de Fazenda (SEF), somente nos primeiros cinco meses de 2021, a arrecadação total, com impostos e outras receitas,  acumulou uma alta de 25,4% frente a igual período de 2020, com um montante de R$ 33,8 bilhões. 

No intervalo, somente no Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS) foi verificada alta de 26,9% e um valor de R$ 24,9 bilhões arrecadados. 

PUBLICIDADE

Entre janeiro e maio de 2021, somente com a receita tributária, o recolhimento em Minas Gerais atingiu R$ 32,1 bilhões, alta de 24,6% em relação ao montante registrado nos primeiros cinco meses de 2020, que ficou em torno de R$ 25,8 bilhões. A arrecadação de tributos correspondeu a 94,97% do total do período.

Nas outras receitas, que englobam multas, juros e dívida ativa, a arrecadação somou R$ 1,6 bilhão nos cinco primeiros meses deste ano, aumento de 41,14%.

Em relação a maio, a arrecadação estadual total somou R$ 5,91 bilhões, o que representa um aumento de 45,86%, frente a igual mês do ano anterior, quando o montante estava em R$ 4,05 bilhões. A receita tributária chegou a R$ 5,51 bilhões e as outras receitas somaram R$ 396,03 milhões. 

Já na comparação de maio com abril deste ano, foi registrada queda de 4,7% na arrecadação total. Os dados mostram que em abril, o valor total arrecadado foi de R$ 6,2 bilhões e em maio R$ 5,91 bilhões.

Atividades – De acordo com os dados da Secretaria de Estado de Fazenda de Minas Gerais (SEF), no acumulado do ano até maio, olhando a receita do ICMS e outras receitas por atividade econômica, a atividade que gerou maior arrecadação foi setores administrados, com uma arrecadação de R$ 7,66 bilhões e alta de 13%, frente ao mesmo período do ano passado. Dentre os setores deste grupo, o destaque foi para a produção de combustíveis, cuja arrecadação chegou a R$ 3,9 bilhões, alta de 21%. A distribuição de energia elétrica movimentou R$ 2,6 bilhões e ficou 5% maior que no ano passado. 

Destaque também para a indústria. A arrecadação chegou a R$ 7,4 bilhões entre janeiro e maio, variação positiva de 46% frente a igual período do ano anterior. 

No grupo indústria, o maior recolhimento de impostos foi feito na metalurgia básica – ferrosos. Ao todo, a arrecadação chegou a R$ 1 bilhão, aumento expressivo de 90%. Na metalurgia básica – não ferrosos, a elevação foi de 165% com um valor de R$ 59 milhões. 

Na indústria extrativa, cuja arrecadação encerrou os primeiros cinco meses de 2021 em R$ 909 milhões, foi verificada alta de 106%.

Em máquinas para escritório e equipamento de informática, a arrecadação avançou 204%, chegando a 47,1 milhões. 

No comércio atacadista o recolhimento de impostos totalizou R$ 4,8 bilhões, variação positiva de 33%. A arrecadação no comércio varejista cresceu 31% e somou R$ 2,4 bilhões. 

Na agropecuária o recolhimento foi de R$106,6 milhões, variação positiva de 33%. 

Impostos em Minas

Em Minas Gerais, o maior volume de recursos arrecadados vem do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). Ao longo dos primeiros cinco meses de 2021 somente o ICMS movimentou R$ 24,94 bilhões, valor 26,93% superior ao arrecadado em igual período do ano anterior.

Somente em maio, quando o valor arrecadado com o ICMS chegou a R$ 4,9 bilhões, o aumento, frente a maio de 2020, foi de 44,2%, já que a arrecadação havia alcançado R$ 3,4 bilhões. 

O IPVA também apresentou resultado positivo no Estado. A receita gerada com o tributo foi de R$ 216,1 milhões em maio, aumento de 17,33%, frente aos R$184 milhões registrados anteriormente. Com o resultado mensal, a arrecadação acumulada no ano até maio chegou a R$ 5,2 bilhões, valor 11,05% maior quando comparado com igual intervalo de 2020.

Entre janeiro e maio, as taxas recolhidas por Minas Gerais chegaram a R$ 1,4 bilhão, enquanto há um ano somaram R$ 1, 1 bilhão, aumento de 30,63%. Somente em maio, o montante gerado com as taxas foi de R$ 201,7 milhões, 56% a mais que em maio de 2020.

Tesouro: receita avançou em 25 estados

Brasília – A arrecadação ao longo dos primeiros quatro meses de 2021 (janeiro a abril) subiu em 25 estados e no Distrito Federal, na comparação com o mesmo período do ano passado. Apenas o Espírito Santo não registrou crescimento de receita. Os dados constam no Relatório Resumido de Execução Orçamentária (RREO) com foco nos estados e DF, divulgado ontem pelo Tesouro Nacional.

Segundo o relatório, as maiores altas de arrecadação do primeiro quadrimestre ocorreram em Roraima (31%), Rio Grande do Norte (27%), Piauí (25%), Goiás (24%), Sergipe (24%), Alagoas (23%) e Mato Grosso (23%).

Em relação às despesas, também houve crescimento, mas em 21 das unidades da federação. Os maiores crescimentos foram registrados no Maranhão (32%) e Amapá (23%). Nestes dois estados, inclusive, as despesas superaram o crescimento das receitas, que foram 19% e 7%, respectivamente.

O relatório aponta que houve redução ou estabilidade das despesas em seis estados, na comparação entre o primeiro quadrimestre deste ano e o mesmo período do ano passado. A maior queda na despesa ocorreu no Espírito Santo (-10%), seguido de São Paulo (- 6%), Rio Grande do Sul (- 3%) e Alagoas (-1%).  No Tocantins e no Paraná, as despesas ficaram estáveis (crescimento zero) entre os dois períodos comparados.

A publicação também apresentou o resultado orçamentário dos estados, que corresponde à diferença entre as receitas realizadas e as despesas liquidadas em relação à Receita Corrente Líquida (RCL). No primeiro quadrimestre de 2021, a mediana do resultado orçamentário dos estados ficou em 20%. No mesmo período de 2020, a mediana havia sido de 14% da RCL.

Composição das despesas – O RREO do primeiro quadrimestre de 2021 mostra a composição das principais despesas dos estados e o DF em relação à receita total. Ao todo, 19 estados gastam mais da metade de suas receitas com pagamento de pessoal e encargos sociais.

O maior percentual é do Rio Grande do Norte, que compromete 70% das receitas com pagamento de pessoal, seguido por Rio Grande do Sul (69%), Mato Grosso do Sul (63%) e Tocantins (60%). Os estados que gastam menos com pessoal, em relação à receita total arrecadada são: Roraima (40%), São Paulo (44%), Maranhão (45%), Ceará (46%) e Espírito Santo (46%).

O relatório aponta ainda o grau de dependência das transferências de recursos federais na composição das receitas dos estados. A unidade da federação que apresenta mais dependência das transferências é o Acre, que possui 20% de receitas próprias e 80% de transferências correntes na sua receita total. Na outra ponta, São Paulo é o estado em que a composição das receitas tem 7% de transferências e 93% de receitas próprias.

Publicado a cada dois meses pelo Tesouro Nacional, o Relatório Resumido de Execução Orçamentária apresenta as informações fiscais consolidadas de cada ente da República Federativa do Brasil. Segundo o órgão, os dados foram extraídos do Sistema de Informações Contábeis e Fiscais do Setor Público Brasileiro, mantido pelo Tesouro, no 1º de junho. (ABr)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!