COTAÇÃO DE 04/05/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,4300

VENDA: R$5,4310

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,4170

VENDA: R$5,5930

EURO

COMPRA: R$6,5464

VENDA: R$6,5493

OURO NY

U$1.779,24

OURO BM&F (g)

R$311,42 (g)

BOVESPA

-1,26

POUPANÇA

0,1590%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia Economia-destaque livre

BNDES e companhias aéreas acertam condições de financiamento

COMPARTILHE

Crédito: REUTERS/Washington Alves

Rio – O presidente do BNDES, Gustavo Montezano, afirmou na sexta-feira (15) que as três principais companhias aéreas que atuam no País, Gol, Azul e Latam, aceitaram as condições financeiras da operação de socorro de bancos para o setor e acrescentou que a ajuda à indústria automotiva será negociada com cada montadora, tendo como exigência a manutenção de operações no Brasil.

Segundo Montezano, as condições financeiras para o socorro às aéreas foram apresentadas às três empresas e, na quinta-feira (14), todas aceitaram o modelo.

PUBLICIDADE

“Ontem todas as três aceitaram a proposta do sindicato de bancos e agora é a fase de execução da operação”, disse Montezano durante entrevista on-line com jornalistas para falar do resultado do banco, que teve lucro de R$ 5,5 bilhões no primeiro trimestre.

A Reuters apurou que o modelo de socorro prevê ajuda de até R$ 6 bilhões para as companhias aéreas, sendo R$ 2 bilhões para cada uma das empresas. O “cheque” do BNDES seria de até R$ 2,4 bilhões, enquanto bancos privados entrariam com R$ 500 milhões. O restante da operação seria com instrumentos híbridos como debêntures conversíveis em ações e emissão de bônus.

As mesmas fontes disseram que a linha deve ficar pronta em junho, e a Latam, por ser uma empresa internacional e com ação negociada em Nova York, poderia ter mais dificuldades para acessar o crédito.

Montadoras – O BNDES negocia com fabricantes de veículos, desde o início da crise criada pelo Covid-19, um modelo para dar suporte ao setor. As montadoras sugerem o uso de créditos fiscais e tributários que têm com Estados e governo federal como garantia do financiamento. Mas dentro do BNDES, a medida é vista com ressalvas dada a incerteza dos créditos.

O presidente do BNDES afirmou que a possibilidade de uso desses créditos como garantia depende do Ministério da Economia e que a potencial ajuda será também no modelo de sindicato de bancos. A indústria diz que o volume de créditos acumulados é de R$ 25 bilhões.

“A negociação será por um sindicato de bancos e com cada uma das empresas (individualmente)… (o empréstimo) tem que ter o aval da matriz e o compromisso de que vai ficar no Brasil”, disse o Montezano. (Reuters)

Terminal em Confins é destaque nacional

O Aeroporto Internacional de Belo Horizonte, em Confins, ficou em primeiro lugar na categoria de aeroportos acima de 10 milhões de passageiros/ano na Pesquisa Nacional de Satisfação de Passageiros, referente ao primeiro trimestre de 2020.

O levantamento é realizado pelo Ministério da Infraestrutura e foi divulgado nesta semana. Conforme os resultados, a nota geral do aeroporto alcançou 4,45 (em uma escala de 0 a 5), enquanto a média obtida pelos demais aeroportos da categoria chegou a 4,31.

Este ano, a pesquisa passou por uma revisão de sua metodologia, com a mudança na classificação de alguns aeroportos. Com isso, o Aeroporto Internacional de Belo Horizonte, que alcançou movimentação de mais de 11 milhões de passageiros em 2019, passou da categoria de 5 a 15 milhões de passageiros/ano para a categoria de aeroportos que processam mais de 10 milhões de passageiros/ano.

A coleta de dados relacionados à satisfação do passageiro consiste na realização de entrevista presencial nas salas de embarque e desembarque dos aeroportos pesquisados

O entrevistado deve avaliar um total de 17 indicadores atribuindo de 1 a 5 para cada um deles, sendo 1 a pior nota possível e 5 a melhor nota. Ao fim do questionário, o passageiro ainda avalia sua satisfação geral com o aeroporto.

No caso do Aeroporto Internacional de Belo Horizonte, em 13 indicadores, a nota foi maior que a média geral e a média da categoria. Em facilidade de desembarque no meio-fio, por exemplo, o aeroporto obteve o primeiro lugar com 4,66. O aeroporto também ficou em primeiro lugar no transporte até o aeroporto (4,02), processo de check-in (4,58), inspeção de segurança (4,54), controle migratório (4,76), controle aduaneiro (4,71), estabelecimentos de alimentação (4,27), estabelecimentos comerciais (4,31), localização e deslocamento (4,41), conforto da sala de embarque (4,31), disponibilidade de tomadas (3,93), sanitários (4,36) e limpeza geral do aeroporto (4,65).

Para o gestor de Segurança e Processos Integrados da BH Airport, Douglas Gameiro, o resultado registrado na pesquisa mostra que o aeroporto está sempre em busca de oferecer a melhor experiência a passageiros e visitantes.

“O primeiro lugar na categoria de aeroportos acima de 10 milhões de passageiros por ano é reflexo das diversas iniciativas que são realizadas a favor da comodidade e conforto das pessoas que passam por aqui. Neste momento delicado vivido pelo País, com a pandemia do novo coronavírus, redobramos a atenção com a segurança e o bem-estar dos passageiros e seguimos protocolos internacionais para esse tipo de situação”, conclui. (Da Redação)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!