COTAÇÃO DE 12/05/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2220

VENDA: R$5,2230

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,2030

VENDA: R$5,3800

EURO

COMPRA: R$6,3751

VENDA: R$6,3780

OURO NY

U$1.837,16

OURO BM&F (g)

R$309,12 (g)

BOVESPA

+0,87

POUPANÇA

0,2019%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia Economia-destaque
Crédito: Paulo Whitaker/Reuters

São Paulo – A carga de energia no Brasil deverá recuar 0,3% em julho em comparação com igual período do ano passado, para média de 62,88 gigawatts (GW), indicou o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) na sexta-feira (3).

Apesar da queda, o ONS vê uma “suave elevação” neste mês em relação aos meses anteriores, quando a carga de energia foi fortemente impactada pelas medidas de isolamento social para contenção do coronavírus – em abril, primeiro mês completo em que os impactos foram medidos, houve queda de 11,6% no ano a ano.

PUBLICIDADE

Apesar de a pandemia de Covid-19 estar no pico no Brasil, com cerca de 1,5 milhão de casos confirmados, muitos estados e municípios já iniciaram processos de reabertura econômica e flexibilização dos isolamentos, o que deve dar impulso à carga.

“Porém ainda num patamar bastante inferior ao que vinha sendo observado antes do início das medidas de isolamento social, necessárias para combater a disseminação da Covid-19”, ponderou o ONS em boletim.

As previsõesa divulgadas na sexta pelo operador para a carga de energia de julho seguem praticamente em linha com as da semana passada, quando o ONS projetava um recuo de 0,4%.

O operador estima crescimento de 1,6% para a carga mensal do subsistema Nordeste e alta de 1,4% para a carga do Norte, novamente em comparação anual. O Sudeste deve registrar queda de 0,3%, enquanto o Sul tende a verificar recuo de 2,9%, pressionando a estimativa nacional.

Chuvas – Em relação às chuvas nos reservatórios das principais usinas hidrelétricas brasileiras, o ONS manteve expectativas de precipitações mais volumosas para o Nordeste, com 103% da média histórica para o período.

Houve forte elevação nas projeções para o Sul, onde as chuvas passaram a ser vistas em 80% da média histórica. A região tem verificado altos índices pluviométricos nos últimos tempos, inclusive com a passagem de um ciclone bomba nesta semana, depois de meses de uma forte seca.

Os reservatórios do Nordeste devem receber 68% da média histórica das precipitações, enquanto a previsão para o Sudeste é de que as precipitações atinjam 84% da média. (Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!