COTAÇÃO DE 25/05/2022

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$4,8200

VENDA: R$4,8210

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$4,8900

VENDA: R$5,0160

EURO

COMPRA: R$5,1520

VENDA: R$5,1546

OURO NY

U$1.853,68

OURO BM&F (g)

R$287,13 (g)

BOVESPA

-0,98

POUPANÇA

0,6724%

OFERECIMENTO

Economia

Caso Covaxin não justifica abertura de impeachment de Bolsonaro, diz Lira

COMPARTILHE

Presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, em Brasília
Presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, em Brasília. Crédito: REUTERS/Ueslei Marcelino

Brasília – O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), afirmou nesta terça-feira (06) que o caso envolvendo a compra da vacina indiana Covaxin não justifica a abertura de um processo de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro, e destacou que a medida “desestabilizaria a economia” e “pararia o Brasil”.

“Neste momento não há nenhum fato novo que justifique, que tenha alguma ligação direta com o presidente da República, a não ser o fato de um parlamentar ter dito que entregou a ele alguns documentos, invoices, que não justificam, por enquanto e até agora, com muitas versões de parte a parte, a abertura de um processo de impeachment que desestabilizaria a economia, pararia o Brasil por mais de seis meses, um ano, que não é o caso neste momento”, disse ele, em entrevista à Jovem Pan.

PUBLICIDADE




Bolsonaro foi alertado pelo deputado federal Luís Miranda (DEM-DF) e pelo irmão dele, o servidor do Ministério da Saúde Luís Ricardo Miranda, responsável pelo setor de importação da pasta, sobre irregularidades no processo de aquisição da vacina indiana em fevereiro, segundo ambos relataram à CPI da Covid do Senado.

O presidente disse ter determinado ao então ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, apurar o caso e que não teria encontrado qualquer irregularidade na negociação. Esse caso está no centro das investigações da CPI da Covid e tornou Bolsonaro alvo de um inquérito por prevaricação no Supremo Tribunal Federal.

Na semana passada, oposicionistas apresentaram um novo pedido de impeachment do presidente incluindo as suspeitas envolvendo a operação de compra da Covaxin.

Na entrevista, Arthur Lira disse que não se pode “institucionalizar” o impeachment no Brasil, que o assunto tem de ser tratado com muita seriedade e que o país “não pode ser instabilizado politicamente a cada presidente que é eleito”.

PUBLICIDADE




O presidente da Câmara destacou que a CPI traz, por enquanto, depoimentos de um parlamentar e que essa realidade está sendo investigada pela CPI e pelo Supremo com “um andamento normal sem nenhum tipo de açodamento”.

Eleito com apoio de Bolsonaro para o comando da Câmara, Lira disse que “com muita tranquilidade” vai tocando a pauta das reformas.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!