Os produtos eletrônicos serão os mais buscados (59%), outros 41% pretendem comprar móveis, 18% eletrodomésticos e 6,6% peças de vestuário - CREDITO:ALISSON J. SILVA

A leve melhora da economia e a redução do desemprego são fatores que irão estimular os gastos dos consumidores durante a Black Friday. De acordo com a pesquisa feita pela Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL/BH), tíquete médio dos consumidores da capital mineira deve chegar a R$ 1.306,94.

O valor está 135,4% maior que o apresentado em 2018, quando a média de gasto foi de R$ 555,20. Além do melhor cenário econômico, os itens mais procurados têm maior valor agregado, como aparelhos eletrônicos e móveis, que, tradicionalmente, são os que têm maior índice de descontos.

De acordo com o presidente da CDL/BH, Marcelo de Souza e Silva, com a melhora da economia e a redução do desemprego, as pessoas estão voltando a ter renda disponível para consumir e comprar produtos que estavam aguardando uma promoção para adquirir.

Os produtos eletrônicos serão os mais buscados durante o período de liquidação. De acordo com o levantamento da CDL-BH, a opção por eletrônicos foi citada por 59% dos entrevistados. Outros 41% pretendem comprar móveis, 18% eletrodomésticos e 6,6% peças de vestuário.

De acordo com o tipo do produto escolhido, o valor desembolsado pelo consumidor pode variar. Os consumidores que irão adquirir móveis deverão investir o maior valor, o tíquete médio para estes itens foi estimado em R$ 1.488,19. Os gastos com as compras de eletrônicos devem girar em torno de R$ 1.361,24 e de eletrodomésticos em R$ 1.221,13.

Promoções – A pesquisa mostrou que os belo-horizontinos estão atentos aos preços baixos e às promoções realizadas na Black Friday, por isso, 45,2% dos consumidores estão aguardando o dia 29 de novembro para irem às compras.

Em média, os consumidores que irão comprar na Black Friday estão esperando conseguir 35,8% de redução nos preços dos produtos. A maioria (42,4%) espera descontos entre 21% e 30% nos produtos.

Entre os belo-horizontinos que compraram na Black Friday em 2018 (54,1%), a maioria (42,4%) está aguardando descontos maiores nos produtos este ano. Já 30,3% estão com expectativa pior e 27,3% acreditam que serão os mesmos.

Apesar da estimativa de um tíquete médio maior, a maioria dos consumidores (54,8%) não pretende consumir na Black Friday de 2019 e o principal motivo é por não acreditar que é vantajoso (74,4%). Há também uma parcela que não sabe como funciona a Black Friday (12,8%). Em relação a 2018, houve uma diminuição de 6,4% dos consumidores que pretendem consumir na data.

A Black Friday também será um período de antecipação das compras para o Natal. De acordo com a CDL-BH, 11,5% dos entrevistados pretendem aproveitar as promoções da data para comprar presentes para o Natal com um valor médio de R$ 692,36. Já 88,5% não pretendem aproveitar a Black Friday para comprar presentes para o Natal.

Ao todo, a pesquisa da CDL-BH ouviu 312 pessoas, distribuídas aleatoriamente. As entrevistas foram realizadas no período de 18 a 28 de outubro de 2019.