COTAÇÃO DE 24/09/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,3430

VENDA: R$5,3440

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,3800

VENDA: R$5,5030

EURO

COMPRA: R$6,2581

VENDA: R$6,2594

OURO NY

U$1.750,87

OURO BM&F (g)

R$301,00 (g)

BOVESPA

-0,69

POUPANÇA

0,3012%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia

Cemig vai investir R$ 173 milhões em religadores automatizados

COMPARTILHE

Estatal mineira anunciou recentemente um plano de investimentos da ordem de R$ 6 bilhões | Crédito: Divulgação/Cemig

A Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) está investindo, somente neste ano, recursos da ordem de R$ 173 milhões para modernizar o sistema elétrico no Estado. O investimento é direcionado à instalação de 7.445 religadores na área de concessão da empresa.

Esses equipamentos trazem grande benefício para a continuidade do fornecimento de energia, pois recompõem o sistema elétrico automaticamente, no menor tempo possível, em caso de interrupções por defeitos transitórios.

PUBLICIDADE

A companhia possui a maior rede de distribuição de energia elétrica da América do Sul, com mais de 540 mil quilômetros de linhas e redes. Os religadores são instalados nas redes elétricas urbanas e rurais. Somente na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH) a companhia vai adicionar 558 novos equipamentos à rede de distribuição.

“Nas cidades, a instalação dos equipamentos busca atender áreas com grande concentração populacional e de manutenção da vida, como hospitais, por exemplo, e assim garantir a continuidade do abastecimento para o maior número de clientes em caso de uma oscilação transitória na rede elétrica”, observa o gerente de Gestão de Ativos da Distribuição da Cemig, Gleiston Andrade. “Em áreas rurais, em que os circuitos são longos e atendem a clientes muitas vezes dispersos, a instalação de religadores agiliza o restabelecimento a essas unidades, evitando que os defeitos afetem circuitos maiores”, completa.

Caso haja problema na rede elétrica de distribuição, como sobrecarga por curto circuito, os religadores automáticos fazem ciclos de aberturas e fechamentos do sistema elétrico. Considerando que a maioria das falhas de alimentação é passageira e é provocada por ventanias, raios ou materiais externos em contato com a rede elétrica, esses equipamentos solucionam de forma rápida grande parte dessas ocorrências temporárias, além de isolar os trechos com defeitos, em casos mais complexos.

“Os religadores são essenciais para o rápido restabelecimento dos nossos clientes, em caso de ocorrências no sistema elétrico. Dessa forma, quando uma árvore cai sobre a rede elétrica, por exemplo, e interrompe o fornecimento de energia, o sistema já identifica o ponto onde houve a interferência, e o equipamento isola a área danificada para normalizar imediatamente o fornecimento de energia para os clientes que tiveram o serviço interrompido e não estão naquele determinado trecho defeituoso”, explica o gerente da Cemig.

Plano Até 2022, os investimentos da Cemig em melhorias em linhas de distribuição, subestações, religadores, redes de média e baixa tensão e medidores, por exemplo, vão ser de aproximadamente R$ 6 bilhões. “O valor contribuirá para viabilizar o desenvolvimento econômico e social do Estado, uma vez que será distribuído por todas as regiões de Minas Gerais”, informa o governo estadual. Para 2021, os investimentos previstos somam mais de R$ 2 bilhões.

“Dessa forma, juntamente com os esforços do governo estadual, os investimentos na rede de distribuição reforçam o comprometimento da Cemig para o desenvolvimento das diversas regiões e classes de clientes, promovendo o desenvolvimento da economia e melhoria da qualidade de vida dos mineiros”, conclui o Executivo. (Agência Minas)

Lei da privatização da Eletrobras é sancionada

Brasília – O presidente Jair Bolsonaro sancionou, ontem, com vetos a lei que abre caminho para a privatização da Eletrobras, além de prever a contratação compulsória de térmicas a gás natural e outras fontes.

Foram realizados 14 vetos, dentre eles de um artigo que determinava que o Poder Executivo aproveitasse empregados da Eletrobras e de suas subsidiárias demitidos sem justa causa durante os 12 meses subsequentes à desestatização.

Bolsonaro também vetou artigo que definia que a diretoria do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) deveria ser aprovada pelo Senado Federal.

“A partir de agora, o governo está autorizado a prosseguir com o processo de capitalização da empresa, que deverá trazer investimentos para o setor elétrico e gerar emprego e renda para o País”, disse o Ministério de Minas e Energia em nota.

A nova lei permitirá que a privatização ocorra por aumento do capital social, com renúncia do direito de subscrição de ações pela União, que assim terá diluída sua fatia de 61% na empresa. A Eletrobras se tornará, assim, uma corporação, com capital pulverizado.

A previsão do ministério é que a emissão de ações ocorra até o primeiro bimestre de 2022. Até lá, deverão ser realizadas as definições de premissas fundamentais à modelagem da privatização pelo Conselho Nacional de Política Energética (CNPE).

Próximos passos – Com a sanção da lei, a próxima etapa é a conclusão dos estudos de avaliação da Eletrobras e a definição do valor e quantidade de ações a serem ofertadas, explicou a pasta. Nessa etapa, é avaliada a situação atual da empresa, seus ativos e passivos, capacidade de geração de valor e perspectiva de crescimento ao longo dos anos.

“Cabe ao Conselho do Programa de Parcerias de Investimentos (CPPI) aprovar os estudos coordenados pelo BNDES, bem como definir a modelagem final da operação de capitalização, com base nas diretrizes da nova lei”, afirmou a pasta.

Nessa etapa, serão detalhadas as diretrizes da capitalização, tais como: o desenho final da reestruturação societária, o preço mínimo de venda das ações, e outros condicionantes do processo.

Os estudos realizados pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDES) serão enviados também para o Tribunal de Contas da União (TCU) para aprovação, disse o ministério.

Após a aprovação do CPPI e do TCU, a etapa seguinte é a realização pela Eletrobras da assembleia de acionistas, na qual a União não votará em determinadas matérias, para aprovação da emissão de novas ações. O processo de emissão será conduzido pela própria empresa com o acompanhamento pelo BNDES. (Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!