COTAÇÃO DE 21-01-2022

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,4550

VENDA: R$5,4550

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,4870

VENDA: R$5,6130

EURO

COMPRA: R$6,1717

VENDA: R$6,1729

OURO NY

U$1.829,52

OURO BM&F (g)

R$320,53 (g)

BOVESPA

-0,15

POUPANÇA

0,6107%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia

Cenário seria favorável para reajustes da matéria-prima do papel

COMPARTILHE

" "
Crédito: Alisson J. Silva/Arquivo DC

São Paulo – Duas das maiores produtoras de celulose e papel do País afirmaram ontem que veem cenário favorável para alta de preços da matéria-prima do papel nos próximos meses, em diante do cenário de estoques apertados na cadeia global e gargalos logísticos e de produção do setor, aliados à demanda persistentemente aquecida por papel.

Executivos de Suzano e Klabin citaram falta de contêineres para transporte de celulose a compradores, clientes com estoques em alguns casos abaixo do normal e perspectiva de paradas para manutenção de rivais no Hemisfério Norte, que devem levar mais tempo que o projetado diante dos impactos de novas infecções por Covid-19.

PUBLICIDADE




“A demanda é sólida e apoia o aumento de preços em todos os mercados, produtos e geografias. O mercado está curto no lado da oferta”, disse o diretor comercial da área de celulose da Suzano, Carlos Aníbal, em teleconferência com analistas após forte resultado trimestral na véspera.

Por sua vez, Alexandre Nicolini, diretor de celulose na Klabin, disse a analistas em teleconferência de resultados que “o ambiente de negócios está bastante favorável nos próximos meses…isso leva a crer em mercado forte no primeiro e segundo trimestres. O ano deve ser bastante favorável para industria de celulose”.

Sem dar detalhes, Aníbal afirmou que a Suzano terminou dezembro com o menor nível de estoques de celulose da história da companhia, após passar os últimos dois anos reduzindo um volume excedente de 2 milhões de toneladas de seu inventário.

Aproveitando o cenário favorável, o executivo da Suzano comentou que a companhia deverá produzir mais celulose neste ano em relação às quase 11 milhões de toneladas produzidas em 2020, que por sua vez foram 10% acima do volume de 2019.




Por sua vez, Nicolini comentou que novas capacidades de produção de celulose a serem ativadas mais para o fim do ano na indústria global não devem afetar de maneira desfavorável a equação de oferta e demanda em 2021.

No front de papel para embalagens, principal área de negócios da Klabin, as perspectivas também são positivas, com o aumento da demanda gerada pelo crescimento do comércio eletrônico no mundo, na esteira das medidas de isolamento social contra Covid-19.

“O consumo de caixas no Brasil está lá em cima. Os estoques estão baixos…é cenário de reposição de preço acima da inflação que deve continuar por mais alguns meses», disse o diretor da área de papéis da Klabin, Flávio Deganutti. (Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!