COTAÇÃO DE 24/09/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,3430

VENDA: R$5,3440

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,3800

VENDA: R$5,5030

EURO

COMPRA: R$6,2581

VENDA: R$6,2594

OURO NY

U$1.750,87

OURO BM&F (g)

R$301,00 (g)

BOVESPA

-0,69

POUPANÇA

0,3012%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia

Construção deverá fechar ano com alta de 4% em MG

COMPARTILHE

Os custos com material de construção em Minas Gerais aumentaram 20,91% no 1º semestre e 41% em 12 meses | Foto: Dênio Simões/Agência Brasília

O setor da construção civil em Minas Gerais revisou para cima a expectativa de crescimento em 2021. A tendência é encerrar o ano com alta de 4% frente a 2020, ante os 2,5% estimados anteriormente. O resultado positivo é considerado muito importante para o setor, que acumulou retração de 30% entre 2014 e 2020. O desempenho poderia ser ainda mais relevante, cerca de 6%, caso os custos de produção não estivessem tão altos.

Somente no primeiro semestre, os custos com material de construção subiram 20,91%, elevando para 41% a alta registrada nos últimos 12 meses no Estado. O aumento é considerado o maior dos últimos 30 anos.

PUBLICIDADE

De acordo com a economista e assessora econômica do Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado de Minas Gerais (Sinduscon-MG), Ieda Vasconcelos, o mercado imobiliário de Minas está reagindo por alguns fatores, como os juros baixos para o financiamento, pessoas buscando mais conforto nos lares e também por ser uma opção interessante e segura para investidores.

“Hoje temos uma disponibilidade de crédito a taxas mais acessíveis, o que atrai os consumidores. Além disso, com a pandemia e o home office, as pessoas passaram a investir no lar, buscando mais conforto e, isso, estimula o mercado imobiliário. Analisando o mercado de Belo Horizonte, nós estamos com crescimento nas vendas e lançamentos e, isso, é muito importante para o setor, que é um grande gerador de empregos”, explicou.

O mercado de imóveis também é considerado atrativo para investidores, principalmente nesse período em que as taxas de juros ainda estão baixas.

“De certa forma, a taxa de juros em menor patamar torna o investimento em imóvel atrativo. Além disso, temos pessoas que ao deixavam o dinheiro nas aplicações e estavam pensando em trocar de imóvel. Devido ao momento, essas pessoas acabam buscando boas oportunidades”.

Mesmo com as estimativas positivas, o setor da construção em Minas Gerais tem, hoje, como maior gargalo o aumento do custo com material de construção. De acordo com Ieda, nos primeiros seis meses do ano, a alta acumulada é de 20,91% e nos últimos 12 meses de 41%. O maior impacto vem do preço do aço, que nos últimos 12 meses ficou 132% mais caro.

“Há 13 meses consecutivos estamos registrando aumentos muito acentuados nos custos da construção e, isso, vem travando parte do crescimento do setor. Aumentos nesta proporção são os maiores desde o início da década de 1990, antes do plano real, e quando vivíamos a hiperinflação. Estimamos encerrar o ano com alta de 4% no setor da construção frente a 2020, mas, se os custos não estivessem tão elevados, esta alta poderia ser de 6%”.

Custos mais altos chegam aos consumidores

Com tantos reajustes, os custos têm sido repassados para os consumidores. Para imóveis que foram negociados nas plantas, geralmente, nos contratos os reajustes são baseados nos índices que calculam os custos. Já para os lançamentos, os valores dos imóveis estão mais caros, o que dificulta a compra da casa própria para parte da população.

“O aumento dos custos vai prejudicar o comprador. Hoje é impossível construir com um aumento de custo de 40% e manter os preços do início de 2020. O custo maior acaba inibindo uma parcela da população que poderia adquirir a casa própria. É um desafio muito grande”.

Expectativas são positivas

Para o segundo semestre, as expectativas são positivas, mas ainda existem receios. A tendência de novos aumentos de custos, alta taxa de desemprego e a possibilidade de uma nova onda de Covid-19 no mundo, pela variante Delta, são fatores que afligem os empresários.

Por outro lado, o avanço da vacinação contra o Covid-19, a estimativa de crescimento do PIB e a maior geração de empregos tem deixado o setor mais confiante.  

INCC-M acumula alta de 10,7%

Brasília – O Índice Nacional de Custo da Construção-M (INCC-M), medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), teve inflação de 1,24% em julho deste ano, percentual inferior ao apurado no mês anterior (2,3%). Com o resultado, o índice acumula 10,75% no ano e 17,35% em 12 meses.

De junho para julho, houve quedas nas taxas de inflação dos materiais, serviços e mão de obra. Os materiais e equipamentos passaram de 1,75% para 1,52%. Os serviços recuaram de 1,19% para 0,65%

Já o índice da mão de obra passou de 2,98% em junho para 1,12% em julho.

Confiança – Já o Índice de Confiança da Construção, medido também pela FGV, teve alta de 3,3 pontos de junho para julho deste ano e chegou a 95,7 pontos, em uma escala de zero a 200. Esse é o maior patamar do indicador, que mede a percepção dos empresários da construção, desde março de 2014 (96,3 pontos).

O crescimento foi puxado pela melhora da confiança dos empresários em relação aos próximos meses, medida pelo Índice de Expectativas, que subiu 6,8 pontos e chegou a 102,2.

Já o Índice de Situação Atual, que mede a percepção sobre o momento presente, recuou 0,1 ponto de junho para julho e atingiu 89,4 pontos.

O Nível de Utilização da Capacidade Instalada da Construção caiu 3,7 pontos percentuais, passando para 73,7%. (ABr)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!