COTAÇÃO DE 07/12/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6180

VENDA: R$5,6180

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6500

VENDA: R$5,7830

EURO

COMPRA: R$6,3427

VENDA: R$6,3451

OURO NY

U$1.784,35

OURO BM&F (g)

R$323,23 (g)

BOVESPA

+0,65

POUPANÇA

0,5154%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia
CRÉDITO: ARQUIVO DC

São Paulo – A maior parte de empregadores brasileiros deve manter seu quadro de pessoal nos próximos meses, à espera de melhora no cenário econômico do país, segundo levantamento divulgado ontem pela empresa de recursos humanos ManpowerGroup.

A pesquisa realizada com 850 empregadores aponta que 74% dos participantes pretendem passar o terceiro trimestre sem fazer novas contratações nem demissões, alta ante 71% verificado no segundo trimestre e de 66% para os três primeiros meses de 2019. O nível de um ano antes entre os empregadores que disseram que não fariam mudanças era de 81%.

PUBLICIDADE

Enquanto isso, 17% dos empregadores preveem aumento de contratações no terceiro trimestre, nível 1 ponto percentual abaixo do verificado para o segundo trimestre, mas 7 pontos acima em relação ao período de julho a setembro do ano passado.

Apesar disso, o presidente-executivo do ManpowerGroup no Brasil, Nilson Pereira, afirmou em comunicado que a pesquisa apontou como ponto positivo “retorno do otimismo dos profissionais de construção, setor que estava em queda nos últimos anos, e os empresários cariocas que, pelo segundo trimestre consecutivo, sinalizam que pretendem retomar as contratações”.

Segundo o levantamento, o setor de construção apresentou crescimento de 12 pontos percentuais na intenção de contratação de funcionários para o terceiro trimestre em relação ao período imediatamente anterior. O crescimento representa a maior evolução entre 8 setores pesquisados, que incluem administração pública, agricultura, finanças, indústria e comércio.

Na comparação com as expectativas apuradas para o terceiro trimestre de 2018, o maior crescimento foi verificado no setor Agricultura, Pesca & Mineração, 12 pontos percentuais de alta, enquanto Construção e setor Industrial apresentaram ganhos de 11 e 10 pontos percentuais, respectivamente, segundo a pesquisa.

No final de maio, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontou que o número de pessoas subutilizadas e de desalentados atingiu nível recorde nos três meses até abril, a 28,37 milhões. Apesar disso, a taxa de desemprego brasileira teve ligeira redução para 12,5%, ante 12,7% nos três meses anteriores. Um ano antes o índice de desemprego apurado pelo IBGE foi de 12,9%. (Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!