COTAÇÃO DE 26/05/2022

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$4,7610

VENDA: R$4,7610

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$4,8500

VENDA: R$4,9530

EURO

COMPRA: R$5,1433

VENDA: R$5,1459

OURO NY

U$1.850,86

OURO BM&F (g)

R$284,80 (g)

BOVESPA

+1,18

POUPANÇA

0,6719%

OFERECIMENTO

Economia zCapa

Boticário implanta um CD em Varginha

COMPARTILHE

O Grupo Boticário acaba de inaugurar um centro de distribuição (CD) em Varginha, no Sul de Minas Gerais, mediante aporte da ordem de R$ 28 milhões. Instalado em um galpão com 20 mil metros quadrados, no porto-seco da cidade, o empreendimento vai gerar cerca de 200 empregos diretos e indiretos e tem a capacidade de expedição estimada em 1 milhão de peças por dia.

As informações foram confirmadas pela empresa, que reúne as marcas O Boticário, Eudora, quem disse, berenice?,The Beauty Box, Multi B e Vult. Por nota, o grupo destacou que o CD será 100% dedicado às operações da marca Eudora, para diversos estados do Brasil. A marca é a segunda em faturamento para o grupo e tem sua distribuição focada em venda direta, canal de extrema relevância e potencial.

PUBLICIDADE




“Com a inauguração do CD em Varginha, o Grupo Boticário começa um novo capítulo de uma história escrita a muitas mãos, por muita gente. Um espaço moderno, com infraestrutura e tecnologia de ponta e com localização estrategicamente pensada. Varginha é um município bastante estruturado, com excelente mão de obra e que está se tornando um competitivo centro logístico com o porto-seco”, disse por nota, o presidente do grupo, Artur Grynbaum.

O diretor da Agência de Promoção de Investimento e Comércio Exterior de Minas Gerais (Indi), João Paulo Braga, por sua vez, destacou a atuação do governo do Estado na atração do investimento. Segundo ele, a localização estratégica de Varginha e a infraestrutura do porto-seco foram fundamentais para a consolidação do empreendimento.

“Além de a cidade estar estrategicamente posicionada entre grandes centros como São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte, oferece atributos diferenciados que atraem o investidor. A estrutura do porto seco, e a possibilidade de desembaraçar os produtos importados e/ou exportados fora da área portuária, bem como o tratamento tributário diferenciado que o Estado oferece para este tipo de operação, são alguns deles”, destacou.

No ano passado, o grupo faturou R$ 13,2 bilhões, um crescimento de 7% em relação a 2017. Para este ano, a empresa prevê uma expansão na mesma ordem, apesar das dificuldades de crescimento da economia.

PUBLICIDADE




Conforme divulgado pela empresa no início do ano, a previsão era de investimentos da ordem de R$ 300 milhões em 2019, mesmo montante de 2018. Do total, R$ 100 milhões seriam destinados à expansão de capacidade das duas fábricas em Camaçari (BA) e São José dos Pinhais (PR) e também à abertura do CD em Minas, o quarto da rede no País. Outros R$ 50 milhões seriam investidos na evolução de lojas próprias e R$ 100 milhões em desenvolvimento das novas marcas.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!