COTAÇÃO DE 18/06/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,0680

VENDA: R$5,0690

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,0370

VENDA: R$5,2330

EURO

COMPRA: R$5,9716

VENDA: R$5,9733

OURO NY

U$1.764,31

OURO BM&F (g)

R$286,98 (g)

BOVESPA

+0,27

POUPANÇA

0,2446%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia zCapa
A extensão do horário de funcionamento do comércio tem o objetivo de evitar aglomerações típicas do fim do ano | Crédito: Luciana Montes

O prefeito Alexandre Kalil (PSD) anunciou a ampliação do horário de funcionamento do comércio de Belo Horizonte neste fim de ano. A partir deste sábado, lojas de rua poderão funcionar das 9h às 20h e os shopping centers das 10h às 22h. Apesar da alta nos casos de coronavírus na cidade, o prefeito disse que a medida foi adotada para evitar aglomerações às vésperas do Natal e Ano Novo.

Até então, o comércio de rua podia funcionar de 10h as 19h e os centros de compras estavam com horário de 12h as 21h. Conforme Kalil, a decisão em ampliar foi unânime entre os membros do Comitê Epidemiológico que o auxilia nas tomadas de decisões sobre o enfrentamento à pandemia de Covid-19.

PUBLICIDADE

“Estamos ampliando simplesmente para evitar aglomerações. Isso não é porque a situação está boa; é uma medida técnica para evitar aglomerações. Que fique claro que isso não é para ir passear na rua”, alertou.

O prefeito informou que, para atender à demanda da flexibilização, a circulação dos ônibus na cidade também será reforçada, em vistas de se evitar a concentração de passageiros no transporte coletivo. Kalil ressaltou ainda que a Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) está fazendo o possível para não fechar a cidade.

“Vamos manter tudo como está, até ter que chamar o pessoal de novo para avisar que vai fechar tudo e vamos apertar a fiscalização. Estamos fazendo uma força-tarefa, mas contamos com a empatia das pessoas. O poder público já investiu quase R$ 420 milhões em ajuda ao povo de Belo Horizonte. Agora é com a população”, avisou.

Questionado sobre os cuidados com os negócios atingidos pelas medidas de distanciamento social, uma vez que logo que foi reeleito, afirmou que 2021 seria a vez de cuidar dos afetados com as restrições de funcionamento na cidade, o prefeito afirmou que “a economia já está sendo cuidada”.

“Estamos com a cidade praticamente aberta e temos que ter o juízo de não acabar de matar a economia. Nada está fechado e o que está proibido é aglomeração, shows e eventos. É só ver o que está acontecendo no mundo. Quem abriu irresponsavelmente fechou tudo de novo. E estamos falando dos europeus, que tanto respeitamos. Se estamos abrindo e estamos conseguindo ampliar, não somos nós que temos que aprender com eles, eles que precisam vir aprender conosco”, respondeu.

Bares e restaurantes – Já sobre a proibição de vendas de bebidas alcoólicas para consumo em bares e restaurantes desde o último dia 7, ele responsabilizou os próprios proprietários dos estabelecimentos. Mas ponderou que tanto a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) quanto outras entidades podem propor alguma solução.

Quanto às perdas do setor em virtude da proibição, Kalil afirmou que a ajuda virá por meio de isenções e descontos em impostos e outras iniciativas legais. “Não fui eu que fechei os bares. Foram eles que fizeram a baderna. Ajuda não vai faltar, como não tem faltado”, garantiu.

Sindilojas – O presidente do Sindicato de Lojistas de Belo Horizonte (Sindilojas-BH), Nadim Donato, comemorou o anúncio da extensão do horário de funcionamento do comércio e disse que os horários são suficientes para atender à demanda de fim de ano.

“Na realidade tivemos uma volta ao horário normal depois de nove meses. Mas o mais importante é que a Prefeitura entendeu que nessa época as lojas enchem e o consumidor sempre deixa pra última hora. Em outros natais, funcionávamos até as 23h. Também não queremos 24 horas, para não incorrer em mais contaminações. Por isso, a extensão de uma hora vai ser o ideal”, comentou.

Em relação ao movimento nas lojas, Nadim Donato disse que está melhor que nas semanas anteriores e que a previsão é de que as vendas cheguem a 90% do que foi realizado em dezembro do ano passado, mesmo com o horário reduzido.

Executivo avalia a volta às aulas

Outro anúncio feito pelo prefeito Alexandre Kalil (PSD) é que, fechadas há nove meses, as escolas de Belo Horizonte poderão reabrir no ano que vem. Segundo ele, a retomada das aulas vai começar a ser estudada pelo Comitê Epidemiológico. “Estão saindo estudos internacionais que a escola não contamina. Então, vamos começar a avaliar a abertura das escolas”, disse.

O secretário de Saúde, Jackson Machado, alertou que ainda não há previsão do retorno das aulas presenciais. “Não podemos prever data, mas temos uma luz com a vacina. Acho que, nos primeiros meses de 2021, poderemos ter uma resposta”, disse o líder do comitê.

Ele enfatizou ainda que o cenário para janeiro é um pouco sombrio, pois os números estão subindo. De acordo com o último boletim epidemiológico, os três indicadores de monitoramento da pandemia estão nos níveis amarelos – que indicam alerta. A taxa de transmissão da Covid-19 está em 1,9 e as ocupações dos leitos de UTI e enfermaria em 61,7% e 52,9%, respectivamente.

O médico infectologista Estevão Urbano, que integra o grupo da Prefeitura, lembrou que o prefeito tem tentado priorizar o funcionamento de setores com menor risco de contaminação. E ressaltou que todos os médicos da equipe são sensíveis aos setores mais prejudicados e consideram que os mesmos precisam de ajuda. Além dos bares e restaurantes, ele também citou as empresas de turismo e eventos.

Neste sentido, o secretário de Desenvolvimento Econômico, Cláudio Beato, falou que projetos de retomada econômica estão sendo desenvolvidos em diferentes frentes como economia criativa, com destaque para a gastronomia, pequenos negócios e obras públicas e construção civil.

O secretário municipal de Planejamento, Orçamento e Gestão, André Reis, por sua vez, destacou que a Secretaria da Fazenda está fazendo estudos no campo tributário e conversando com os setores para conhecer as necessidades de cada um. “Possivelmente iniciaremos 2021 com algumas medidas. O ‘Plano dos 100 dias’ já deverá contemplar algumas delas”, adiantou.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!