COTAÇÃO DE 02-12-2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6600

VENDA: R$5,6600

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6730

VENDA: R$5,8130

EURO

COMPRA: R$6,3753

VENDA: R$6,3783

OURO NY

U$1.768,55

OURO BM&F (g)

R$319,92 (g)

BOVESPA

0,4902

POUPANÇA

+3,66%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia

Inter registra queda de 93,1% no lucro líquido no ano passado

COMPARTILHE

Lucro líquido do banco alcançou R$ 5,578 milhões em 2020, ante R$ 81,5 milhões no ano anterior | Crédito: Divulgação

O Inter fechou o quarto trimestre do ano passado com um lucro líquido de R$ 22,078 milhões. O número representa uma queda de 11,3% quando comparado ao mesmo período de 2019 (R$ 24,892 milhões).

Ao todo, em 2020, o banco obteve um lucro de R$ 5,578 milhões contra os R$ 81,569 milhões registrados no ano anterior, uma queda de 93,1% de acordo com balanço financeiro divulgado pela instituição.

PUBLICIDADE

Em seu relatório, a instituição informa que a diferença no lucro líquido do exercício pode ser explicada pela queda na taxa Selic, que impactou as receitas financeiras. Além disso, o desempenho foi afetado pelo crescimento das despesas administrativas, reflexo do forte crescimento no número de correntistas e lançamentos de novos produtos ao longo dos últimos meses.

O banco atingiu 8,5 milhões de correntistas no ano passado, o que corresponde a um aumento de 108% na comparação com o ano de 2019, que registrou um total de 4,1 milhões de correntistas.

Os números ainda mostram que as receitas totais do banco chegaram a R$ 1,4 bilhão em 2020, um incremento de 33,2% na comparação com o ano anterior. A receita média por cliente (ARPU) foi de R$ 197,98 no quarto trimestre do ano passado, alta de 12,3% na comparação com o segundo trimestre (R$ 176,35) e terceiro avanço consecutivo.

O custo de aquisição de clientes (CAC) atingiu R$ 26,79 no quarto trimestre do ano passado frente a R$ 25,36 registrados no mesmo período do ano anterior. Segundo o Inter, o incremento do número tem a ver com o crescimento dos custos relacionados ao marketing, sobretudo nos meses de novembro e de dezembro, por conta da sazonalidade da época.

“Esse maior investimento em marketing tem se mostrado positivo para a conversão de clientes”, afirma o Inter.

O custo de servir por cliente (CTS), por sua vez, apresentou queda na comparação entre o quarto trimestre de 2019 e igual período de 2020, passando de R$ 173,76 para R$ 137,74, retração de 20,7%.

Os números do Inter também mostram que o banco atingiu R$ 9,4 bilhões na carteira de crédito ampliada, o que significa um aumento de 86,6% no ano passado. A originação de crédito chegou a R$ 9 bilhões em 2020, o que corresponde a um incremento anual de 107%.

No que diz respeito aos dados da Intershop (GMV), foram movimentados R$ 632,4 milhões no quarto trimestre do ano passado, o que representa um incremento de 1.535% na comparação com o primeiro trimestre de 2020 e de 68% em relação ao trimestre anterior. Os resultados do quarto trimestre tiveram como uns dos fatores impulsionadores a Orange Friday e o Natal.

Ainda sobre o GMV, foram realizadas mais de 3,8 milhões de transações no quarto trimestre do ano passado. O número mostra um avanço de 35% na comparação com o trimestre anterior e de 220% em relação ao primeiro trimestre.

Inovação

Durante a teleconferência de resultados realizada na sexta-feira (26), o CEO do Inter, João Vitor Menin, destacou os vários resultados positivos obtidos, apesar de alguns “ventos contrários” em 2020 para o setor, como a Selic historicamente baixa.

O CEO ressaltou ainda algumas características importantes do banco, como a eficiência e a inovação. “A inovação é uma questão que tem que cultivar”, disse ele, lembrando dos lançamentos de produtos realizados. Além disso, Menin acrescentou que em março será lançada a operação para os não correntistas.

Variação cambial impulsiona o BC

Brasília – A forte alta do dólar no ano passado fez o Banco Central (BC) fechar 2020 com lucro recorde de R$ 469,61 bilhões. O Conselho Monetário Nacional (CMN) aprovou sexta-feira (26) o balanço com as contas da instituição financeira no ano passado.

Do lucro total, R$ 61,97 bilhões correspondem ao lucro operacional (ganhos com o exercício da atividade) e R$ 407,64 bilhões ao lucro com reservas internacionais e derivativos cambiais (como os swaps, que equivalem à venda de dólares no mercado futuro).

A moeda norte-americana, que subiu 29,3% ano passado, multiplica o valor em reais das reservas internacionais, que fecharam 2020 em US$ 355,6 bilhões, praticamente estável em relação a 2019 (US$ 359,4 bilhões). Isso ampliou os ganhos da autoridade monetária, mesmo com a venda de cerca de US$ 25 bilhões das reservas externas pelo BC para segurar a alta do dólar.

Outra parte do lucro cambial vem do resultado das operações de swap cambial, que funcionam como venda de dólares no mercado futuro.

Desde 2008, o banco registra os resultados operacionais e cambiais de forma separada. No primeiro semestre do ano passado, quando o dólar passou a disparar, o BC teve lucro operacional de R$ 24,75 bilhões e ganhos de R$ 478,47 bilhões com as operações cambiais. Desse total, R$ 325 bilhões foram transferidos ao Tesouro para recompor o “colchão da dívida pública”, reserva financeira usada em momentos de turbulência, como a pandemia de Covid-19.

No segundo semestre, quando o dólar se estabilizou e passou a cair, o BC teve lucro operacional de R$ 37,22 bilhões e prejuízo de R$ 70,83 bilhões com as operações cambiais. No total, a autoridade monetária teve perda de R$ 33,61 bilhões no segundo semestre, subtraída a transferência de R$ 325 bilhões ao Tesouro e o prejuízo de US$ 33,61 bilhões no segundo semestre.

Por causa da nova legislação que regulamenta a relação entre o Banco Central e o Tesouro, a destinação dos lucros da autoridade monetária mudou. Os lucros vão para uma reserva interna do BC que aumentará o patrimônio líquido do banco e será usada para abater prejuízos futuros com as operações cambiais.

Essa reserva financeira saltou de R$ 45,05 bilhões em 2019 para R$ 164,91 bilhões em 2020. A diferença deve-se à incorporação do lucro cambial de R$ 478,47 bilhões no primeiro semestre. (ABr)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!