COTAÇÃO DE 21-06-2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,0220

VENDA: R$5,0230

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,0200

VENDA: R$5,1830

EURO

COMPRA: R$5,9972

VENDA: R$5,9999

OURO NY

U$1.783,34

OURO BM&F (g)

R$288,80 (g)

BOVESPA

+0,67

POUPANÇA

0,2446%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia zCapa

Investimento de R$ 1,5 bilhão da Gerdau no Estado está ameaçado

COMPARTILHE

Crédito: Eduardo Rocha/RR

O aporte de R$ 1,5 bilhão previsto pela Gerdau em Minas Gerais até o fim do ano que vem poderá não ocorrer. É que a aplicação dos recursos depende da manutenção das operações do complexo Várzea do Lopes, localizado nos municípios de Itabirito e Moeda (RMBH), e o deputado estadual Antônio Carlos Arantes (PSDB) retirou de tramitação o projeto de lei que previa a alteração dos limites do Monumento Natural da Serra da Moeda (Mona), para ampliar área de exploração da companhia.

De acordo com o parlamentar, que apresentou um requerimento à Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), desistindo da proposta, o desencontro de informações, a falta de mobilização dos municípios e do setor produtivo levou à retirada do projeto.

PUBLICIDADE

“O processo foi mal construído. Me convenceram da importância do projeto e da viabilidade do mesmo, no sentido de ampliar a área de mineração da empresa, preservando o restante do Mona. Mas o segmento interessado não reagiu e as entidades do setor não se envolveram, por isso, achei melhor retirar”, justificou.

O processo de ampliação da área de exploração foi iniciado pela empresa, junto aos órgãos ambientais, em 2018, mas até mesmo em virtude das dificuldades impostas pela pandemia de Covid-19, chegou ao legislativo apenas no último mês, a partir do PL 1.822/20 de autoria do deputado Antônio Carlos Arantes.

Na semana passada, o PL recebeu muitas críticas no Plenário da ALMG sob os aspectos sociais e ambientais. Os parlamentares que se posicionaram contra a proposta citaram, por exemplo, que a região afetada inclui 56 nascentes e que o impacto da atividade mineral seria grande.

Na justificativa do PL, o deputado argumentava que a área retirada do parque será de 12,8 hectares, o que representaria 0,54% da área total. Também destacava que a área de preservação, na verdade, seria ampliada, uma vez que outros 75,4 hectares seriam adicionados.

“Sabemos dos aspectos positivos que projeto traria, incluindo a geração de empregos e tributos. Mas o processo precisa ser inverso. A empresa e as entidades do setor precisam iniciar o diálogo e o trabalho com as comunidades envolvidas. Uma vez aprovado lá, partir para a esfera estadual, que nos compete”, admitiu.

Companhia – Procurada, a Gerdau disse, por meio de nota que tomou conhecimento da decisão do deputado de retirar de tramitação do projeto de lei e que entende e respeita a medida, como parte do processo democrático de discussão de um tema tão relevante.

“A Gerdau continua acreditando na relevância do projeto, que significa a possibilidade de investimentos de R$ 1,5 bilhão no Estado, a manutenção de 5 mil empregos diretos e indiretos na região e o aumento da área da unidade de conservação, bem como outras contrapartidas ambientais. Estamos abertos ao diálogo e nos colocamos à disposição da sociedade de Minas Gerais para construir, juntos, a melhor solução”, comentou.

Projeto começou a ser discutido em 2019

Desde o ano passado, quando a Gerdau iniciou os trâmites de ampliação do prazo de vida útil da mina, o assunto vem sendo discutido por ambientalistas e comunidades locais, que criticam e tentam impedir o avanço das operações para a zona de amortecimento de áreas de proteção ambiental.

Em entrevista ao DIÁRIO DO COMÉRCIO, no fim de agosto, o diretor de Mineração e Matérias-Primas da Gerdau, Wendel Gomes, revelou que a empresa está fazendo um trabalho de conscientização junto às comunidades, ambientalistas e órgãos competentes sobre as contribuições que projeto irá trazer. Para o executivo, existe muito ruído nas informações.

“Da área a ser expandida pelo plano de operação, 3,95 hectares estão em Itabirito e 8,86 em Moeda, o que corresponde a 0,54% da área total do Mona, em uma área da Gerdau, às margens da cava, sem interferência nas áreas das cavidades ou sítios arqueológicos. Além disso, estamos nos comprometendo a fazer a doação de uma área pelo menos seis vezes maior a que vamos utilizar”, argumentou.

As operações da Gerdau na mina Várzea do Lopes tiveram início em 2006 e garantem a autossuficiência de abastecimento de minério de ferro nas plantas da companhia em Minas Gerais, que correspondem a 60% da produção de aço da empresa no Brasil.

Por isso, responde pela geração de 5 mil empregos na região e a manutenção das demais plantas industriais da siderúrgica no Estado. “A não possibilidade de ampliação da cava prejudica a empresa e a comunidade de inúmeras formas. A começar pela realocação dos investimentos e culminando com a extinção de postos de trabalho”, completou o Head de Comunicação Global da Gerdau, Pedro Torres.

Pedido de intervenção na Vale é negado

Rio – A Justiça Federal de Minas Gerais negou uma intervenção legal imediata na mineradora Vale requerida pelo Ministério Público Federal (MPF) enquanto aguarda a defesa da companhia, de acordo com uma decisão judicial publicada ontem.

O caso prosseguirá na 14ª Vara Federal Cível da Seção Judiciária de Minas.

Na última semana, o MPF em Minas Gerais ajuizou uma ação civil pública pedindo intervenção na mineradora, com o afastamento dos executivos responsáveis pela política de segurança da companhia.

O MPF também havia pedido em caráter de urgência a suspensão de pagamento de dividendos a acionistas – movimento que está sendo retomado, calculado pela agência Fitch em US$ 2 bilhões.

“No caso das medidas de urgências requeridas, evidencia-se que possuem nítido caráter satisfativo, esgotando, por completo, o objeto da ação, antes mesmo da manifestação das rés, o que é vedado,” disse a juíza Anna Gonçalvez, citando o artigo 1º da Lei 8.437/92.

A apreciação do pedido de tutela de urgência será feito após a defesa, informou a juíza.

A decisão de ontem é o último desdobramento de uma série de ações contra a mineradora que correm na Justiça, pendendo decisão final.

O procurador federal Edilson Vitorelli considerou a decisão positiva por confirmar a jurisdição da 14a Vara da Justiça Federal em Minas para apreciação do caso. O MPF aguarda o prazo de defesa, disse.

“A sentença pode levar anos, queremos uma intervenção antes disso,” disse Vitorelli. (Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!