COTAÇÃO DE 03-12-2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6790

VENDA: R$5,6800

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,7000

VENDA: R$5,8300

EURO

COMPRA: R$6,3643

VENDA: R$6,3655

OURO NY

U$1.784,10

OURO BM&F (g)

R$321,33 (g)

BOVESPA

+0,58

POUPANÇA

0,4739%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia zCapa

IPCA de maio tem deflação de 0,39% em Belo Horizonte

COMPARTILHE

Crédito: Alisson J. Silva/Arquivo DC

O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de Belo Horizonte apresentou um recuo de 0,39% em maio, frente a abril.

Os dados foram divulgados pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas, Administrativas e Contábeis de Minas Gerais da Universidade Federal de Minas Gerais (Ipead/UFMG) nessa quarta-feira (3).

PUBLICIDADE

De acordo com a coordenadora de pesquisa da Ipead, Thaíze Martins, a inflação de maio ficou negativa e indica que, no geral, os preços praticados ficaram menores que em abril.

No entanto, Thaíze explica que alguns importantes grupos tiveram variação positiva, como os de alimentos in natura e industrializados.

Os dados mostram que, apesar do grupo de alimentação ter apresentado queda de 0,46%, os produtos in natura apresentaram alta de 3,12% em maio, frente a abril. Em alimentos industrializados, a variação positiva foi de 0,44%.

A alta é considerada significativa, já que os subgrupos são muito consumidos. Dentre os itens que promoveram a alta, estão a batata-inglesa, cujo valor aumentou 32,6% e cebola com elevação de 39,58%.

A queda no IPCA teve como maior contribuição, a retração dos preços dos combustíveis. Os combustíveis integram o grupo de produtos administrados, cuja queda foi de 1,52% em maio, frente a abril. Segundo o Ipead, a queda nos preço da gasolina comum, por exemplo, foi de 7,16%. Já no etanol o preço retraiu 10,68%.

Thaíze explica que o isolamento para conter a pandemia do novo coronavírus tem influenciado na inflação. A queda nos preços dos combustíveis é justificada pela menor demanda, enquanto a alta dos alimentos in natura e industrializados é puxada pelo maior consumo dos itens nas residências.

“Os combustíveis influenciaram a queda do IPCA, porém, tivemos a permanência das altas em alimento in natura, que são encontrados nos sacolões, e industrializados, o que para o consumidor fica ainda percepção de alta nos alimentos. Alguns itens, em conjunto com o aumento da demanda, tiveram problemas nas áreas produtoras, como a batata inglesa, que está em entressafra e contribuiu para uma alta mais significativa. Aumentou a demanda pelos produtos, as famílias têm se alimentado em casa e o mercado está ofertando um volume menor de produtos e com qualidade não muito boa, isto alavancou os preços”.

Outros produtos que contribuíram para a queda do IPCA foram lanches, com retração de 4,61%, seguido por gás GLP, com queda de 4,3% e leite pasteurizado, que encerrou maio com preços 2,98% menores frente a abril

Das contribuições maiores, estão a refeição, com variação positivas no preço de 0,56%, móvel para quarto, com alta de 3,16% e vidro, 6,25%.

Cesta básica – O custo da cesta básica apresentou variação positiva de 1,79%, entre abril e maio de 2020. O valor da cesta em maio foi de R$ 490,15, montante que equivale a 46,9% do salário mínimo.

A variação no ano ficou 5,58% superior frente ao período de janeiro a maio de 2019. Alta também foi verificada nos 12 meses, 10,12%.

“Maio renovou o pico de preços da cesta básica. Esta foi a quarta alta consecutiva, sendo que abril era pico da série histórica. Este mês, o grande motivo da alta foi a batata, com um reajuste de 32% nos preços”, explicou, Thaíze Martins.

Thaíze ressalta ainda que outros itens de necessidade básica também tiveram aumentos, como o feijão-carioquinha (32,38 %), leite pasteurizado (8,12%), café moído (3,70%), óleo (0,48%), farinha de trigo (1,71%), arroz (1,05%), carne chã de dentro (1,91%) e pão de sal (1,41%).

“É uma notícia ruim para o consumidor, que, a cada vez, que retorna às compras tem a sensação de perder o poder de compra. Nossa recomendação é que as famílias busquem substituir os itens com maior variação de preços para outros com condições mais acessíveis”.

Dia dos Namorados será prejudicado pela pandemia pandemia

A manutenção de grande parte do comércio fechado, principalmente as lojas de vestuários, e o aumento do desemprego, situações provocadas pela pandemia do novo coronavírus, vão prejudicar as compras para o Dia dos Namorados.

A pesquisa de Pretensão de compra para o Dia dos Namorados, feita pela Fundação Ipead, mostra que apenas 27,14% dos entrevistados pretendem presentear alguma pessoa no Dia dos Namorados, sendo esse percentual o mais baixo dos últimos cinco anos.

O valor médio dos presentes a serem adquiridos aumentou 9,49% em 2020 ao ser comparado com o ano passado, subindo de R$ 90,53 para R$ 99,12. Ao ser deflacionado pelo subgrupo Vestuários e Complementos, componente do IPCA-Ipead, o aumento real do ticket médio dos presentes foi de 7,77%.

Cerca de 63% dos consumidores que pretendem presentear anunciaram que gastarão, neste ano, valor igual ou inferior ao que gastou no ano passado. Notou-se um aumento de 48,89% no percentual de consumidores que pretendem gastar um valor inferior com os presentes em 2020 ao comparar com o ano passado, indicando que este ano, o Dia dos Namorados será menos aquecido para o comércio de 2020.

“A pesquisa do Dia dos Namorados é realizada desde 2016 e esse foi o pior resultados. Devido à situação econômica como um todo, a renda reduzida e às incertezas, as pessoas estão optando por reduzir os custos com itens presenteáveis”, a coordenadora de pesquisa da Fundação Ipead, Thaíze Martins.

ICC – O Índice de Confiança do Consumidor (ICC) de Belo Horizonte, calculado pela Fundação Ipead, alcançou 33,44 pontos em maio, apresentando um aumento de 8,70% na comparação com o mês de abril. Apesar da elevação, o índice ainda permanece bem abaixo dos 50 pontos, nível que separa o pessimismo do otimismo.

“O índice teve uma recuperação em relação a abril, mas, vale destacar que abril foi o mais baixo da série histórica. Mesmo com o aumento em maio, a pontuação é muito baixa e reflete o pessimismo dos consumidores”, disse Thaíze Martins.

O Índice de Expectativa Econômica (IEE) apresentou uma elevação de 16,93% em comparação com o mês anterior, influenciado pela melhora na percepção dos consumidores em todas as componentes, superior a 15%. Os itens são: a situação econômica do País (15,41%), inflação (17,09%) e emprego (18,36%).

O Índice de Expectativa Financeira (IEF), também apresentou aumento de 4,18% em comparação com o mês de abril, sendo o item pretensão de compras o único que apresentou variação negativa, com recuo de 9,75%. A situação financeira da família aumentou 9,16% e a situação financeira da família em relação ao passado 1,52%.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!