COTAÇÃO DE 22/09/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,3030

VENDA: R$5,3040

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,3100

VENDA: R$5,4600

EURO

COMPRA: R$6,1939

VENDA: R$6,1967

OURO NY

U$1.768,10

OURO BM&F (g)

R$301,58 (g)

BOVESPA

+1,84

POUPANÇA

0,3012%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia

Ipea reduz projeção para crescimento do PIB e indica mais inflação em 2021

COMPARTILHE

Crédito: REUTERS/Diego Vara

Rio de Janeiro – O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) reduziu nesta terça-feira (30) a projeção de crescimento da economia brasileira neste ano ao mesmo tempo em que elevou a estimativa de inflação por conta do agravamento da pandemia de Covid-19 e por dificuldades fiscais e no mercado de trabalho.

A nova projeção prevê um crescimento de 3% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2021 ante estimativa de 4% feita no fim do ano passado. Para 2022, o Ipea projeta uma taxa de expansão de 2,8%.

PUBLICIDADE

Já a projeção para a inflação oficial do instituto passou a 4,6% este ano, contra alta do IPCA de 3,70% calculada em fevereiro. A meta de inflação para o IPCA em 2021 é de 3,75%, com uma margem de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo.

Segundo o Instituto, “duas questões críticas se sobressaem no quadro atual da economia brasileira: um mercado de trabalho em que a ocupação ainda se encontra distante dos níveis pré-pandemia e um desequilíbrio fiscal que se aprofundou no ano passado, cuja reversão em direção à trajetória pré-pandemia enfrenta desafios de curto e longo prazos”.

“A combinação de uma situação fiscal frágil com a necessidade de começar o processo de normalização da política monetária diante da elevação recente da inflação significa que o escopo para a política econômica se contrapor aos efeitos do recente agravamento da pandemia é menor do que em 2020”, completou o Ipea.

Por um lado, a possível melhora mais forte da economia global pode impulsionar as vendas externas brasileiras e ajudar no ritmo de crescimento do PIB. Mas por outro lado a alta das commodities pode pressionar a inflação este ano, assim como a escassez de insumos para alguns setores.

O Ipea prevê dificuldades para a atividade econômica no primeiro semestre e uma possível reação na segunda metade do ano. Nem mesmo a retomada do pagamento de auxílio emergencial, será suficiente para dar fôlego à atividade no curto prazo, em meio a incertezas quanto à capacidade de ajustes nas contas públicas.

“As previsões para 2021 partem de um cenário de curto prazo em que a economia tende a perder ritmo em virtude do recrudescimento da crise sanitária da Covid-19 e do consequente endurecimento das medidas de isolamento social por parte dos governos estaduais e municipais”, avaliou o Ipea.

Na pesquisa Focus mais recente realizada pelo Banco Central junto a uma centena de economistas, a expectativa é de um crescimento do PIB em 2021 de 3,18%, com a inflação a 4,81%. (Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!