Cotação de 03/08/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,1920

VENDA: R$5,1930

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,1930

VENDA: R$5,3470

EURO

COMPRA: R$6,2205

VENDA: R$6,2217

OURO NY

U$1.810,36

OURO BM&F (g)

R$305,16 (g)

BOVESPA

+0,87

POUPANÇA

0,2446%%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia

LDO tem meta de déficit primário de R$ 170,4 bi em 2022

COMPARTILHE

O secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues, optou por projeção “conservadora” | Crédito: MARCELLO CASAL JR. / AGÊNCIA BRASIL

Brasília – Em meio às incertezas que cercam as contas públicas neste ano, a equipe econômica definiu ontem uma meta de déficit primário de R$ 170,474 bilhões para o governo central em 2022, segundo projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) enviado ontem ao Congresso.

O rombo anual – que será o nono consecutivo do governo central – é inferior ao déficit fixado como meta para este ano, de R$ 247,1 bilhões, cujo cumprimento já é posto em dúvida diante das pressões por gastos em meio à pandemia da Covid-19.

PUBLICIDADE

No projeto da LDO, que estabelece os parâmetros para a preparação do Orçamento do ano seguinte, o governo indicou ainda déficits primários de R$ 144,972 bilhões em 2023 e de R$ 102,204 bilhões para 2024. Os saldos não incluem despesas com juros e se referem às contas do Tesouro, Previdência e Banco Central.

Em coletiva à imprensa, o secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues, disse que, em projeção “conservadora”, a expectativa é que o governo central volte a registrar superávits primários em 2026 ou 2027, mas que isso pode ser antecipado.

Na prática, a LDO prevê que o governo complete ao menos 11 anos consecutivos de rombos primários, um desequilíbrio que se vê desde 2014 e que têm contribuído para o crescimento da dívida pública.

“Seguindo trajetórias conservadoras, transparentes, teremos espectro positivo em 2026, 2027 e, à medida que tomarmos ações decisivas, importantes, como venda de ativos, ajuste patrimonial, fluxos primários que contribuam positivamente, teremos resultado primário melhorado”, afirmou Waldery.

A LDO de 2021, aprovada pelo Congresso no fim do ano passado, previu déficits de R$ 178,93 bilhões para o governo central em 2022 e de R$ 150,13 bilhões para 2023, números agora revisados.

A nova meta para o ano que vem levou em conta uma projeção de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 3,2% para 2021 e de 2,5% para o ano que vem e também para 2023 e 2024 –parâmetros divulgados pela Secretaria de Política Econômica no mês passado. Para a relação dívida bruta/PIB, a projeção do governo é que chegue a 86,7% em 2022 (ante projeção anterior de 94,71%), 87,3% em 2023 (95,48% antes) e 88,1% em 2024.

Impasse – A divulgação do projeto da LDO se dá sem que o presidente Jair Bolsonaro tenha sancionado ainda o Orçamento de 2021, que foi considerado inexequível na forma como aprovado pelo Congresso, com subestimativa de despesas obrigatórias.

O impasse, ainda sem solução clara, agravou as preocupações com o quadro fiscal, que já era cercado de incertezas diante das demandas por gastos com o enfrentamento da crise de saúde e econômica gerada pela pandemia da Covid-19, que tem provocado recordes de casos de contaminação e mortes no país.

Ainda que os resultados fiscais de um ano tenham impacto na projeção orçamentária do ano seguinte, Waldery se negou a responder na entrevista perguntas sobre o Orçamento de 2021. A assessoria avisou os jornalistas no início da conversa, realizada em formato virtual, que sequer leria para o secretário os inúmeros questionamentos que abordavam o tema, mas que as respostas seriam encaminhadas posteriormente.

Salário mínimo – O governo fixou um valor de R$ 1.147 para o salário mínimo em 2022. O número corresponde a um aumento de 4,3% do valor em vigor este ano, de R$ 1.100. Essa foi a variação estimada pelo governo para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) em 2021. O índice é usado para a correção do mínimo, que é referência para o pagamento de aposentadorias do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

Este ano, o valor do salário mínimo ficou R$ 2 abaixo do que o determinado pela variação do INPC em 2020. Waldery afirmou que essa diferença será incorporada ao mínimo “ao longo do tempo”. Ele frisou que o valor previsto no PLDO para o salário mínimo é uma projeção e que ainda poderá ser alterado até 31 de dezembro pelo governo.

Para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), o governo calcula uma alta de 4,4% neste ano, 3,5% em 2022 e 3,2% em 2023 e 2024.

Visando evitar problemas de gestão que o governo tem enfrentado este ano com o atraso na sanção do Orçamento, a LDO propõe uma flexibilização das despesas que poderão ser realizadas no ano que vem na chamada “antevigência” da lei orçamentária.

Assim, a proposta é que entrem nessa relação despesas com investimento, com conservação e recuperação de rodovias e com despesas de capital, até o valor de 1/24 do total previsto no projeto de lei do Orçamento.

“A execução provisória (neste ano) mostrou que algumas despesas de investimento têm muita forte necessidade de execução no começo do ano, como é o caso das despesas de malha rodoviária”, disse o secretário de Orçamento, George Soares. “Então essa foi a ideia, que as obras em andamento e as em manutenção possam ser executadas em um valor pequeno”, de forma a evitar prejuízos ao erário, acrescentou.

Atualmente, as despesas que podem ser feitas antes da sanção do Orçamento são mais restritas, e incluem as obrigatórias, com eleições, desastres e outras despesas correntes consideradas inadiáveis, até o limite mensal de 1/12 do previsto no projeto orçamentário. (Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!