COTAÇÃO DE 14/05/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2710

VENDA: R$5,2710

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,2700

VENDA: R$5,4330

EURO

COMPRA: R$6,3961

VENDA: R$6,3990

OURO NY

U$1.843,90

OURO BM&F (g)

R$311,62 (g)

BOVESPA

+0,97

POUPANÇA

0,2019%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia

Mercado vê País próximo de furar teto de gastos em 2% do PIB este ano

COMPARTILHE

Juros do cheque especial ficam em 165,6% ao ano em janeiro
Crédito: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Brasília – O Brasil está a caminho de furar seu teto de gastos em 2% do Produto Interno Bruto (PIB) este ano, alertaram economistas do Citi, na terça-feira (20), prevendo que o governo vai flexibilizar significativamente sua política fiscal para enfrentar a pandemia de Covid-19.

O teto limita o crescimento dos gastos públicos à taxa de inflação do ano anterior e é amplamente visto como a regra fiscal mais importante do governo, ancorando a confiança em seu compromisso de longo prazo com a redução da dívida e do déficit.

PUBLICIDADE

Autoridades do governo têm insistido que o limite não será desrespeitado, mas os temores fiscais dos investidores aumentaram fortemente os prêmios de risco dos ativos brasileiros, resultando em uma curva de juros íngreme e uma taxa de câmbio fraca.

Em nota intitulada “Prepare-se, mais flexibilização fiscal está chegando”, economistas do Citi disseram que agora esperam que o governo brasileiro ultrapasse o teto de gastos em R$ 158 bilhões, o equivalente a 2% do PIB. A previsão anterior era de uma violação de 1% do PIB.

Esse valor será composto principalmente por R$ 71 bilhões em medidas não recorrentes extrateto, como pagamentos emergenciais em dinheiro à população e vacinas, e R$ 62 bilhões em ajuda para estados, programas de proteção de empregos e de crédito.

“A situação da Covid-19 escalou consideravelmente, elevando a pressão pela extensão de medidas fiscais relacionadas à doença. O governo deve fazer isso muito em breve e, portanto, estamos revisando nosso cenário fiscal, de longa data pior do que o consenso”, disseram.

É provável que esse gasto extra seja financiado pelo governo, aprovando créditos extraordinários ou estabelecendo um estado de calamidade mais amplo, disseram economistas do Citi. (Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!