COTAÇÃO DE 27/05/2022

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$4,7380

VENDA: R$4,7380

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$4,8300

VENDA: R$4,9460

EURO

COMPRA: R$5,0781

VENDA: R$5,0797

OURO NY

U$1.853,86

OURO BM&F (g)

R$284,80 (g)

BOVESPA

+0,05

POUPANÇA

0,6462%

OFERECIMENTO

Economia exclusivo zCapa

MRV bate recorde e vendas líquidas chegam a R$ 5,4 bi

COMPARTILHE

Crédito: Divulgação

A MRV Engenharia Participações S/A, sediada em Belo Horizonte, encerrou 2019 com novos recordes. Para a construtora, o ano passado foi marcado por números inéditos de lançamentos, produção e distratos.

O desempenho é atribuído à estratégia de atuação da companhia, que, entre outras ações, desde 2018, aposta na diversificação de funding. As vendas líquidas da empresa totalizaram R$ 5,4 bilhões no último exercício.

PUBLICIDADE




As informações constam da prévia operacional divulgada pela MRV, e conforme o diretor-executivo de Finanças e Relações com Investidores, Ricardo Paixão, os resultados foram alcançados muito mais em virtude das estratégias de atuação do que pelo cenário conjuntural.

Entre as estratégias, a diversificação de funding ajudou a incrementar o índice de vendas. Segundo o diretor, a meta é, no médio prazo, equilibrar a origem do crédito imobiliário entre Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e demais fontes, como o Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE) e investimentos individuais, por meio da Luggo.

“Este trabalho de diversificação teve início em 2018, quando identificamos mudanças no mercado imobiliário e de crédito brasileiro, impulsionadas principalmente pela queda da taxa básica de juros (Selic). Desde então, começamos a buscar outras fontes e, caso o cenário seja mantido, a ação deverá ser mantida por alguns anos”, explicou.

Para se ter uma ideia, a companhia apresentou significativo aumento no volume de vendas utilizando o funding do SBPE + Investidores Individuais (Luggo) no último trimestre de 2019, totalizando 16,8% do total vendido no trimestre, saindo de 9,8% no terceiro trimestre do mesmo ano e de 4% no ano anterior.

PUBLICIDADE




Em relação aos demais números, como melhor ano de lançamentos em termos de VGV, foram totalizados R$ 6,9 bilhões, crescimento de 7,4% em relação a 2018. Em termos de unidades, a alta não foi tão expressiva. Apesar de somente nos últimos três meses de 2019 ter havido alta de 44,7% no volume de lançamentos no comparativo com o terceiro trimestre, totalizando 14.007 unidades lançadas, no exercício o número chegou a 41.614. No período anterior, havia sido 41.195.

Já em termos de produção, outro recorde para a companhia no exercício, o número de unidades produzidas chegou a 39.660 em 2019, contra 36.977 em 2018, representando um aumento de 7,3% entre os períodos.

Os distratos, por sua vez, caíram pela metade. Ao todo, foram R$ 489 milhões em 2019 sobre R$ 990 milhões em 2018, um recuo de 50,6%. Neste caso, Paixão destacou o sucesso do projeto Venda Garantida, que contabiliza as vendas pela companhia apenas depois de o financiamento ser liberado pelo banco, eliminando o risco de rescisão.

Em relação às vendas líquidas de R$ 5,4 bilhões, ressalta-se o incremento de 3,4% em relação a 2018, quando R$ 5,2 bilhões foram comercializados pela construtora. “Este ano tende a ser ainda melhor, com a ajuda da economia, já que, no ano anterior, tivemos bons números, apesar da conjuntura”, comentou.

Geração de caixa – Ainda de acordo com o balanço da MRV, sobre a geração de caixa, o forte ritmo de produção atual da companhia, aliado ao momento de expansão, resultou na queima de R$ 34,1 milhões somente no último trimestre de 2019.

Conforme o diretor, o desembolso ocorreu para a compra de terrenos, com o intuito de levar a construtora a operar no patamar de 50 mil unidades ao ano. Isso é necessário para que se possa seguir com as próximas etapas: lançamentos, vendas, repasses e produção. “Neste momento, estamos pagando pelas 50 mil unidades, mas as vendas ainda não estão no mesmo ritmo. Quando todas as etapas atingirem o patamar, o ciclo estará completo, resultando na geração de caixa correspondente ao volume”, disse.

Em 2019, foram gastos R$ 685,5 milhões com terrenos, 41,5% acima do registrado em 2018, quando foram gastos R$ 484,4 milhões. O landbank do ano passado foi de R$ 52,5 bilhões, 5,6% maior que os R$ 49,7 bilhões do exercício anterior. As unidades passaram de 321.839 para 326.774 entre os períodos.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!