COTAÇÃO DE 23/09/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,3090

VENDA: R$5,3100

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,3230

VENDA: R$5,4630

EURO

COMPRA: R$6,2055

VENDA: R$6,2068

OURO NY

U$1.742,23

OURO BM&F (g)

R$297,77 (g)

BOVESPA

+1,59

POUPANÇA

0,3012%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia

MRV&Co bate o recorde no valor de vendas no 1º trimestre

COMPARTILHE

Vendas da construtora somaram R$ 1,6 bilhão no primeiro trimestre | Crédito: Bruno Correa / NITRO

A maior valorização da casa própria e o déficit de habitação foram alguns dos fatores que contribuíram para os avanços dos números da MRV&Co no primeiro trimestre deste ano.

De acordo com a prévia operacional divulgada ontem pela companhia, os lançamentos de imóveis no período corresponderam a R$ 1,7 bilhão em valor geral de vendas (VGV) e 9.996 unidades, maior volume para um primeiro trimestre da história da empresa. O número representa alta de 58% em comparação ao mesmo período do ano passado.

PUBLICIDADE

Os dados da companhia também revelam que as vendas líquidas chegaram a R$ 1,6 bilhão e 9.740 unidades. O resultado foi o segundo melhor para um primeiro trimestre na história da empresa.

Diretor executivo de Finanças e Relações com Investidores da MRV&Co, Ricardo Paixão ressalta que se vê atualmente uma demanda grande por imóveis, em um cenário em que a casa própria, inclusive, é algo mais valorizado, uma vez que as pessoas passam mais tempo em seus lares por conta da pandemia da Covid-19.

Além de o cenário estar propício para as vendas e os lançamentos de imóveis, houve alguns gargalos em aprovação de projetos no ano passado por conta da pandemia, o que também ajudou a aumentar o volume de lançamentos no último trimestre, conforme conta Paixão.

Ainda, a maior compra de terrenos nos últimos três anos também ajudou a alavancar os números de imóveis novos. “A demanda continua forte pelos imóveis. As pessoas continuam precisando de habitação”, diz ele.

Os números da MRV&Co também mostram que houve uma evolução de 65% da chamada venda garantida. Nesse caso, a venda somente é contabilizada depois do repasse efetivo do cliente ao banco, o que ajuda a explicar alguns números registrados como negativos, como a queda no VGV no primeiro trimestre de 3,2% em comparação a igual período do ano passado e de 20,4% em relação ao trimestre anterior.

“Devido à dinâmica de repasses observada no 1T21 (primeiro trimestre) foram registradas 3.897 vendas garantidas, assinadas com os clientes, mas não repassadas dentro do próprio trimestre. Em consequência, o volume total de vendas registradas foi aquém do volume efetivamente vendido no período”, informa a companhia. Trata-se de um efeito natural da implementação das Vendas Garantidas, observado também no quarto trimestre de 2020, quando forma 1.200 unidades, de acordo com a construtora.

O VGV dos lançamentos também apresentou queda no primeiro trimestre deste ano em relação ao último trimestre do ano passado, de 19,6%. Segundo Paixão, nesse caso, trata-se de fatores sazonais.

Expansão – Quando o assunto são os objetivos da companhia para este ano, o diretor da MRV&Co destaca que os planos são de crescimento tanto em relação a lançamentos quanto no que diz respeito ao volume de vendas.

No entanto, ressalta ele, também existem os desafios a serem superados. “Temos desafios macroeconômicos. Não se sabe, por exemplo, como vai ficar a taxa de desemprego, o crescimento da renda”, diz ele.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!