COTAÇÃO DE 03-12-2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6790

VENDA: R$5,6800

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,7000

VENDA: R$5,8300

EURO

COMPRA: R$6,3643

VENDA: R$6,3655

OURO NY

U$1.784,10

OURO BM&F (g)

R$321,33 (g)

BOVESPA

+0,58

POUPANÇA

0,4739%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Coronavírus Economia

Nível máximo de alerta impede reabertura do comércio na Capital

COMPARTILHE

Crédito: Manoel Evandro

O número médio de transmissão por infectado (Rt) na Capital, que na semana passada atingiu 1,00 voltou a crescer. Na média dos últimos sete dias atingiu 1,02, demonstrando que o número de casos tende a permanecer elevado.

Esse resultado consta no 11º Boletim de Monitoramento, divulgado nesta sexta-feira (24) pela Prefeitura de Belo Horizonte (PBH).

PUBLICIDADE

Sem uma redução maior do nível de contágio, a ocupação de leitos para Covid continuou no nível de alerta vermelho. O percentual de ocupação de leitos de UTI Covid aumentou de 85% (boletim do último dia 17) para os atuais 87%, atingindo por alguns dias níveis acima de 90%.

As internações nas enfermarias nesse mesmo período passaram de 74% para 75%. Ambos os percentuais foram atingidos, mesmo com a disponibilização neste mês de 77 leitos UTI Covid e 258 leitos de enfermarias Covid. A parte positiva do atual quadro é que já não apresenta piora como há algumas semanas. O nível de transmissão está estável nos últimos 15 dias, contudo, gerando novos casos em patamar elevado.

Diante de tais indicadores, o termômetro da Covid-19 permaneceu, pela sétima semana consecutiva, no nível de alerta geral vermelho (máximo), o que balizou a decisão da Prefeitura por manter a cidade na fase de controle no processo de reabertura do comércio.

Dados da Secretaria Municipal da Saúde demonstraram que na quinta-feira passada, dia 17, Belo Horizonte contabilizava 13.559 casos confirmados de Coronavírus e 320 óbitos. Nessa quinta-feira, dia 23, o número de casos saltou para 16.100 e o de mortes para 417. Aumento de 18% e 30%, respectivamente, em apenas sete dias.

Mesmo não permitindo a flexibilização neste momento, a Prefeitura continuará mantendo o diálogo e a transparência na mesa de negociações com as entidades representativas dos diversos setores econômicos. Uma nova reunião com Abrasel e CDL-BH será agendada para a próxima semana, quando a Prefeitura apresentará uma avaliação da proposta do nível de leitos para liberação da abertura e das fases indicadas por essas entidades.

“É importante reforçar que não bastam os leitos como critério de abertura, uma vez que, desde 15 de maio, tem se monitorado também a velocidade de transmissão do vírus (Rt) – outro determinante para o processo de reabertura”, disse o secretário municipal de Planejamento, Orçamento e Gestão, André Reis.

Segundo Reis, as entidades trouxeram um outro plano como alternativa ao que já havia sido construído juntamente com as próprias entidades e outras há mais dois meses. Encontros com representantes de outras atividades econômicas que ainda não retomaram também estão na pauta da Prefeitura, que busca alternativas e soluções de acordo com a realidade de cada segmento e respectivas regras sanitárias que viabilizem o seu funcionamento.

De acordo com o secretário de Planejamento, desde o início da pandemia, a administração municipal se pautou na construção coletiva de propostas, mas com o cronograma de reabertura sempre baseado no acompanhamento dos indicadores epidemiológicos.

“Sabemos e entendemos a angústia de todos os setores impactados pela pandemia, e vamos auxiliá-los no momento certo para a retomada, mas, agora, a Prefeitura tem como prioridade a vida. Nas negociações para reabertura, a CDL sempre utiliza como exemplo de sucesso os casos de São Paulo, que tem taxa de óbito cinco vezes maior que a Belo Horizonte, ou do Rio de Janeiro, que contabiliza sete vezes mais mortos que nossa cidade. Não podemos abrir a qualquer custo, colocando em risco a vida de centenas de belo-horizontinos e de trabalhadores do setor comercial. Se a entidade não se importa com a vida dos trabalhadores do setor, a Prefeitura se importa”, disse o secretário.

No comparativo de mortalidades, Belo Horizonte possui 15,8 mortos por 100 mil habitantes, a menor taxa entre as grandes capitais, conforme pode ser acompanhado no gráfico abaixo:

De acordo com o secretário municipal de Saúde, Jackson Machado, não se pode considerar que a expansão de leitos por si só proporcione flexibilizações nas atividades econômicas porque o descontrole na expansão da doença é sempre muito superior à capacidade de expansão da atenção à saúde, considerando leitos, profissionais e insumos.

“A vontade da Prefeitura é que toda a cidade estivesse aberta e em funcionamento pleno. Porém, a atual situação da pandemia, de curva ascendente de casos e óbitos pela Covid-19, impede a reabertura de serviços não essenciais. Os índices de ocupação de leitos de UTI e enfermaria seguem altos, mas com novas aberturas e a contribuição da população com o isolamento, conseguimos ter uma pequena redução nos últimos dias. Os atendimentos nas unidades de Urgência e Emergência da Rede SUS-BH e no SAMU aumentaram neste mês. No momento atual, a Prefeitura implanta mais medidas de prevenção e assistência, porém a cidade deve permanecer na fase de controle para que sigamos tendo melhoras nos resultados”, afirma Jackson Machado.

Além disso, ele explica que abrir o comércio pode sinalizar à população que a epidemia está sob controle, quando o número de casos está muito alto ainda.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!