DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2090

VENDA: R$5,2100

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,1800

VENDA: R$5,3600

EURO

COMPRA: R$6,0756

VENDA: R$6,0768

OURO NY

U$1.813,62

OURO BM&F (g)

R$300,00 (g)

BOVESPA

-3,08

POUPANÇA

0,2446%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia

O Brasil e a OCDE no marco da atração de investimentos estrangeiros diretos

COMPARTILHE

Crédito: Charles Platiau/Reuters

O Diário do Comércio vem publicando série de artigos quinzenais, voltados para a entrada do Brasil na OCDE e o impacto na atração de investimentos estrangeiros diretos. Os autores convidados são Marcos Mandacaru, assessor especial da Vice-Governadoria de Minas Gerais e especialista em atração de investimentos, e Juliano Alves Pinto, subsecretário de Ciência, Tecnologia e Inovação e diplomata de carreira.

PARTE VI

Padrões OCDE para o investimento estrangeiro direto

A OCDE dispõe de estrutura inteiramente voltada para o estabelecimento de boas práticas voltadas ao investimento estrangeiro direto. Atualmente, o Comitê da OCDE responsável por tratar de tais questões é o Comitê de Investimentos (Investment Committee), sob esta denominação desde 2004, a partir da fusão de outros dois Comitês: o Comitê de Investimento Estrangeiro e Empresas Multinacionais (Committee on International Investment and Multinational Enterprises – CIME), e o Comitê sobre Movimentos de Capitais e Transações Invisíveis (Committee on Capital Movements and Invisible Transactions – CMIT). A Diretoria de Assuntos Financeiros e Empresariais (Directorate for Financial and Enterprise Affairs) da OCDE coordena o Comitê de Investimentos, além de supervisionar outros quatro Comitês e um Grupo de Trabalho: o Comitê de Seguros e Pensões Privadas, o Comitê sobre Mercados Financeiros, o Comitê de Concorrência, e o Grupo de Trabalho sobre Suborno em Transações Comerciais Internacionais. Fonte: OCDE.

PUBLICIDADE

Dentro da estrutura organizacional do Comitê de Investimentos da OCDE, temos a seguinte composição: Grupo de Trabalho em Estatísticas sobre Investimentos Internacionais; Grupo de Trabalho sobre Condutas Empresariais Responsáveis; Fórum Global sobre Condutas Empresariais Responsáveis; Força Tarefa sobre os Códigos de Liberalização da OCDE; Encontro de Pontos de Contato Nacionais para Condutas Empresariais responsáveis.

Importante notar que juntamente com a agenda de estabelecimento e disseminação de boas práticas, existe a preocupação de se levar adiante uma permanente agenda de liberalização, voltada para uma maior fluidez do IED, no marco de uma preocupação constante com a transparência e com a desburocratização.

**Assessor especial da Vice-Governadoria de Minas Gerais e especialista em atração de investimentos | **Subsecretário de Ciência, Tecnologia e Inovação e diplomata de carreira
Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!