COTAÇÃO DE 26/11/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,5950

VENDA: R$5,5960

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6300

VENDA: R$5,7570

EURO

COMPRA: R$6,3210

VENDA: R$6,3222

OURO NY

U$1.792,60

OURO BM&F (g)

R$322,88 (g)

BOVESPA

-3,39

POUPANÇA

0,4620%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia exclusivo zCapa

Operações de crédito do Sicoob em MG devem atingir R$ 10,1 bilhões em 2020

COMPARTILHE

Crédito: Divulgação

As operações de crédito do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) variaram de R$ 16 bilhões a R$ 18 bilhões no Estado em 2019. O montante representa de 30% a 35% do volume de operações de crédito no Brasil, que em 2019 somou R$ 60 bilhões.

Apenas pelo sistema Sicoob Central Crediminas, as operações no Estado somaram cerca de R$ 8,4 bilhões, alta de 25% frente a 2018. Para 2020, somente pelo Crediminas é esperado um avanço nas operações de crédito de 20%, chegando a aproximadamente R$ 10,1 bilhões.

PUBLICIDADE

O diretor executivo do Sicoob Central Crediminas, Elson Rocha Justino, explica que a variação dos valores destinados ao Estado (R$ 16 bilhões a R$ 18 bilhões) se deve às oscilações que ocorrem ao longo do ano, como no caso do agronegócio que tem demandas em períodos variáveis. O Sicoob em Minas Gerais opera 14% do crédito rural.

“Nossas operações de crédito cresceram 25% no ano passado, enquanto o sistema financeiro do País evoluiu apenas 4%. Para 2020, as expectativas são positivas e a tendência é ampliar as operações de crédito. Acreditamos que somente o Sistema Crediminas deverá ficar entre R$ 10,1 bilhões e R$ 10,5 bilhões no Estado, esperamos superar os R$ 10,5 bilhões com as mudanças no marco regulatório”, disse Justino.

Marco regulatório – O aumento das operações no Estado deve ser impulsionado por mudanças no marco regulatório do setor. Isso devido à agenda de incentivos do Banco Central para o cooperativismo, onde a entidade pretende criar ou fortalecer o marco regulatório permitindo que as cooperativas, ampliem, de maneira mais significativa, a participação no crédito, sobretudo nos médios e pequenos negócios e das pessoas físicas.

“Hoje, o cooperativismo de crédito tem uma participação no segmento de médios e pequenos negócios e das pessoas físicas de 8% e o Banco Central tem uma agenda para elevar essa participação para 20% até 2022. Esse apoio pode nos levar a um crescimento maior do que projetamos inicialmente”, explicou.

Pulverização – Outro fator que tem contribuído para aumento das operações de crédito é o atendimento pulverizado do Sicoob, chegando a localidades onde as entidades financeiras não possuem agências físicas.

No ano passado, houve uma ampliação da rede de atendimento em 49 novas agências, crescimento de 9%. Com isso, o ano foi encerrado com 633 pontos de atendimento do Crediminas. Em 160 municípios mineiros atendidos pelo Siccob, não há atuação de nenhuma outra instituição financeira.

“Enquanto as principais instituições financeiras estão fechando agências, o cooperativismo de crédito está abrindo mais. Por trabalharmos com custos menores, conseguimos atingir regiões onde não é viável ter agências dos bancos. Por isso, conseguimos ampliar e manter o atendimento nestas localidades. Esse é o papel do sistema de crédito cooperativo de fazer a inclusão financeira das regiões e das populações de menor capacidade financeira ou de menor renda”.

As transações de cunho financeiras, que envolvem transferências e pagamentos, também podem ser feitas por canais digitais, modalidade que cresceu 9% em 2019 e atingiu 30% do total de transações.

“Estas transações financeiras por canais digitais ainda são desafiadoras em todo o sistema financeiro. É importante fortalecer essas transações financeiras para promover a redução do papel moeda, que gera riscos para as pessoas e tem custo elevado, pela guarda, manutenção e transporte”.

Concorrência – Questionado sobre a possível concorrência gerada com as fintech, startups que trabalham para inovar e otimizar serviços do sistema financeiro, Justino explica que elas vieram melhorar a vida das pessoas e complementar o sistema financeiro tradicional, que oferece carteira completa de produtos e serviços.

“Elas vieram para complementar e aperfeiçoar o sistema financeiro. Alguma concorrência com as instituições financeiras haverá, mas é muito mais como complemento do que substituição”, explicou.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!