COTAÇÃO DE 17/05/2022

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$4,9420

VENDA: R$4,9430

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,0400

VENDA: R$5,1520

EURO

COMPRA: R$5,2307

VENDA: R$5,2334

OURO NY

U$1.814,77

OURO BM&F (g)

R$290,29 (g)

BOVESPA

+0,51

POUPANÇA

0,7025%

OFERECIMENTO

Economia

PBH repassará R$ 30 milhões para a UFMG produzir vacina

COMPARTILHE

Crédito: Amira Hissa - PBH

Até o final deste mês, a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) receberá a primeira parcela no valor de R$ 6 milhões para a continuidade das etapas de desenvolvimento da vacina contra a Covid-19. A parcela faz parte do Termo de Patrocínio assinado, ontem, entre a entidade e a Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) e prevê o repasse total de R$ 30 milhões.

Com o recurso, a instituição vai avançar da fase pré-clínica para as etapas 1 e 2 dos testes clínicos da vacina Spintec. A expectativa é que a vacina esteja disponível no final de 2022, mas, para que isso aconteça, a universidade ainda precisa de cerca de R$ 300 milhões para concluir os estudos.

PUBLICIDADE




O imunizante é considerado essencial e além de ser mais uma ferramenta no combate à pandemia, também tem o custo estimado em cerca de um quinto quando comparado com as vacinas atuais disponíveis no mercado. A estimativa é que a vacina seja mais acessível, abranja maior parte da população e seja usada como reforço anual para a já vacinada.

Durante o evento de assinatura do termo de financiamento, a reitora da UFMG, Sandra Goulart, agradeceu a parceria com a PBH e ressaltou a importância dos recursos para o desenvolvimento da vacina contra a Covid-19.

“Para mim é uma grande satisfação. Agradeço à PBH não somente nesta parceria, mas por todas as iniciativas em relação à UFMG. Ser parceiro da UFMG é ser parceiro da ciência e do conhecimento no enfrentamento à pandemia e no desenvolvimento do nosso País”.

Ainda segundo Sandra, o apoio da PBH veio em um momento imprescindível, que é a produção da vacina, uma das três que estão mais avançadas do Brasil. “Estamos chegando a uma fase muito importante que são os testes clínicos e não tínhamos recursos. O prefeito Kalil nos atendeu em momento de muita agonia. Diante do cenário preocupante e desafiador, onde também tivemos cortes nos recursos federais voltados para a UFMG, a parceria tem um significado muito especial e trará alento para toda a população”.

PUBLICIDADE




A vacina desenvolvida pela UFMG tem expectativas promissoras. De acordo com o professor da UFMG e coordenador do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Vacinas (INCT-V), Ricardo Gazzinelli, o custo do imunizante será cerca de um quinto do valor pago pelas vacinas hoje disponíveis no mercado e que chegam ao Brasil por cerca de US$ 10 por dose. Além disso, o imunizante irá contribuir para o avanço da vacinação dos brasileiros e para o reforço anual. 

“É uma vacina de baixo custo e poderá ser produzida e distribuída a baixo custo para a população. Hoje, o Brasil gasta um volume enorme de recursos para importar tecnologia e as vacinas. A vacina da UFMG representa uma grande economia para o Estado e para o País”.

Diante da importância das pesquisas e da representatividade da UFMG, durante a cerimônia, o prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil, criticou duramente a falta de apoio financeiro do governo federal para as universidades, principalmente no que se refere à UFMG. Em 2021, o corte anunciado para a UFMG é de 26,7%.

“A UFMG foi escolhida como a melhor federal do Brasil, a mais bem gerida e, como prêmio, recebeu essa semana a notícia de um corte de 26,7% do orçamento. O que estão fazendo com os estudos federais no Brasil é um crime que no futuro vai custar muito caro. Deixo meu apelo e tenho certeza que o presidente do Congresso, os deputados e senadores vão se empenhar e, nesse momento, toda bancada mineira deve se unir com o prefeito, o governador para a busca de uma solução. Já pisaram muito nesse Estado, não podemos deixar que esse crime seja cometido contra a UFMG”, disse .

UFMG ainda necessita de R$ 300 mi para desenvolver a vacina | Crédito: CT Vacinas – UFMG

Recursos serão destinados para estudos das fases 1 e 2

De acordo com a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), o aporte financeiro de R$ 30 milhões disponibilizado pela Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) vai assegurar a continuidade das pesquisas da vacina Spintec.

O objetivo central do projeto, que será financiado com recursos próprios da PBH, é viabilizar os estudos de fase clínica 1 e 2 em adultos saudáveis, sem exposição prévia à Covid-19. Essas etapas são requisitos necessários para os ensaios de fase 3 e aprovação pela Anvisa. 

Os recursos da PBH serão usados no pagamento de despesas de custeio relacionadas à manutenção e experimentos com os animais, na compra de reagentes (para avaliação da resposta imune, produção e formulação das vacinas), na produção de lotes de teste para análise da Anvisa, na supervisão dos ensaios, no preparo da documentação de pedido de registro, na execução dos testes pré-clínicos e nas duas etapas dos ensaios clínicos.

Apesar dos estudos serem desenvolvidos em uma instituição federal, a União ainda não liberou os recursos necessários ao imunizante da UFMG.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!