COTAÇÃO DE 03-12-2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6790

VENDA: R$5,6800

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,7000

VENDA: R$5,8300

EURO

COMPRA: R$6,3643

VENDA: R$6,3655

OURO NY

U$1.784,10

OURO BM&F (g)

R$321,33 (g)

BOVESPA

+0,58

POUPANÇA

0,4739%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia Economia-destaque livre

Petrobras tem prejuízo líquido de R$ 48,5 bi em meio à queda nos preços internacionais do petróleo

COMPARTILHE

Crédito: REUTERS/Sergio Moraes

Rio – A Petrobras registrou um prejuízo líquido de R$ 48,5 bilhões no primeiro trimestre, ante um lucro líquido de R$ 4 bilhões no mesmo período de 2019, diante de baixa contábil a partir de uma revisão das premissas de longo prazo para o petróleo Brent frente ao novo cenário mundial, informou a petroleira ontem.

Entre janeiro e março, a empresa fez uma baixa contábil de R$ 65,3 bilhões ao reavaliar ativos principalmente de exploração e produção, considerando preços mais baixos do petróleo, devido a uma crise global causada pela pandemia do novo coronavírus, que reduziu a demanda pela commodity.

PUBLICIDADE

“Estamos assumindo agora que o preço do Brent de longo prazo será em média US$ 50 /barril, contra US$ 65 /barril anteriormente”, afirmou a Petrobras, em seu balanço financeiro trimestral.

Os resultados também foram impactados pela queda do valor do Brent no trimestre e pelas perdas com variação cambial decorrentes da forte desvalorização do real frente ao dólar, explicou a companhia.

“Estes fatores foram atenuados por maiores volumes de exportação, maiores margens nos derivados, menores despesas, incluindo gastos gerais e administrativos, exploratórios e tributários, bem como ganhos com hedge”, afirmou a Petrobras.

Em mensagem aos acionistas, o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, disse que “a recessão global não chegou a impactar significativamente o desempenho da companhia no primeiro trimestre, devendo fazê-lo nos trimestres seguintes”.

Ele citou que o fluxo de caixa livre foi de US$ 5,9 bilhões nos primeiros três meses do ano, muito superior ao do mesmo trimestre de 2019, de US$ 3,1 bilhões.

No entanto, a empresa informou que houve uma redução das exportações para a China –seu principal cliente-, devido à queda da demanda, causada pelos impactos do Covid-19 no país. O país asiático recebeu no período 48% das exportações da empresa, contra 68% no quarto trimestre.

Desconsiderando os efeitos especiais, principalmente impairment e ágio na recompra de bonds, a empresa registraria um prejuízo menor, de R$ 4,6 bilhões no primeiro trimestre.

Já o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado seria de R$ 36,9 bilhões, em vez dos R$ 37,5 bilhões registrados.

O Ebitda ajustado teve alta de 36,4% na comparação com o mesmo trimestre do ano passado e avanço de 2,7% em relação ao quarto trimestre, apesar da redução do Brent, principalmente devido ao aumento das exportações, principalmente de petróleo, com níveis recordes em janeiro e fevereiro, quando a queda no Brent ainda era moderada em relação ao mês de março.

“Conseguimos aproveitar a valorização dos nossos petróleo e óleo combustível no mercado externo, graças ao IMO 2020, capturando ótimas margens no óleo combustível”, afirmou. (Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!