COTAÇÃO DE 04/05/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,4300

VENDA: R$5,4310

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,4170

VENDA: R$5,5930

EURO

COMPRA: R$6,5464

VENDA: R$6,5493

OURO NY

U$1.779,24

OURO BM&F (g)

R$311,42 (g)

BOVESPA

-1,26

POUPANÇA

0,1590%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Destaque Economia

Preço do aço impacta construção em Minas

COMPARTILHE

Além da elevação nos preços do aço, o planejamento das obras é prejudicado pela demora de até 150 dias na entrega | Crédito: Divulgação

A baixa oferta de aço no mercado nacional e os altos preços podem comprometer lançamentos imobiliários e gerar demissões no setor da construção civil do Estado.

De acordo com o Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado de Minas Gerais (Sinduscon-MG), no último ano os preços do aço subiram 80%, sendo que somente nos dois primeiros meses de 2021, a alta foi de 22%. Além disso, o prazo para entrega varia de 90 dias até 150 dias dependendo do tipo de material, o que compromete o planejamento das obras.

PUBLICIDADE

O presidente do Sinduscon, Geraldo Linhares, explica que a situação é crítica e as empresas do setor estão enfrentando graves dificuldades com o desabastecimento e encarecimento do aço.

“Somente entre janeiro e fevereiro, tivemos um aumento de 22% nos preços do aço. No último ano, a alta ficou em 80%. Além disso, estamos com problemas de abastecimento, já que, dependendo do produto, as siderúrgicas levam de 90 dias a 150 dias para entregar, entregas essas que também estão atrasando. É um problema muito grave”.

Ainda segundo Linhares, não existe alternativa no curto prazo para resolver a situação. A busca pelo produto em distribuidoras é desvantajosa, já que o volume demandado é alto e a maior parte não tem estoques suficientes para atender. Outro problema é o custo elevado, uma vez que os preços dos distribuidores são entre 45% e 50% maiores que os praticados nas indústrias.

A alternativa para o setor, ainda que de longo prazo, é a importação do insumo. “Já foi pedido ao governo federal a isenção da alíquota de importação e há um movimento para isso acontecer. Porém, a  importação leva cerca de três a quatro meses para chegar ao nosso País”, disse Linhares.

Com a falta de material no mercado, as obras estão sofrendo atrasos, o que vai encarecer o valor final.

“Ao iniciar as obras, construímos as fundações, pilares e lajes que dependem do aço para ser feitas. É um problema gravíssimo que estamos enfrentando. Encomendamos os materiais e só recebemos após três a cinco meses, com isso, começamos totalmente defasados”.

A falta de produtos para a construção civil não está limitada somente ao aço. Há dificuldades com o abastecimento de louças, metais, esquadrias de alumínio, portas, entre outros.

Com todos os gargalos, a tendência é que lançamentos imobiliários sejam adiados e também haverá encarecimento dos imóveis.

“Os preços dos materiais estão subindo muito e serão repassados para os imóveis que serão lançados. O momento atual é o melhor para o consumidor comprar apartamentos prontos ou quase concluídos, porque foram construídos com custos menores”.

Dispensas

Outro impacto negativo esperado, caso não ocorra a regularização da oferta, é a dispensa de mão de obra.

“Somos o setor que mais gerou emprego nos últimos meses e não queremos reduzir nossa mão de obra. Porém, com a falta de material e de previsibilidade de uma regularização das entregas, as obras estão se prolongando e as demissões podem ocorrer. O que é muito ruim”, explicou.

A indicação para as empresas do setor da construção civil é que o planejamento das obras e das compras seja muito bem feito e que as encomendas para a indústria de aço sejam realizadas com antecedência.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!