COTAÇÃO DE 02/08/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,1650

VENDA: R$5,1650

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,1700

VENDA: R$5,3200

EURO

COMPRA: R$6,0990

VENDA: R$6,1002

OURO NY

U$1.813,45

OURO BM&F (g)

R$299,72 (g)

BOVESPA

+0,59

POUPANÇA

0,2446%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia

Preços dos combustíveis continuam a subir em Minas

COMPARTILHE

Frentista abastece carro em posto de gasolina
Crédito: Charles Silva Duarte / Arquivo DC

O preço médio da gasolina em Minas Gerais apresentou mais um avanço na última semana. O combustível atingiu o valor de R$ 5,77 no período que engloba desde o dia 18 de abril até o último dia 24.

Na comparação com a semana anterior (R$ 5,72), a alta do preço da gasolina foi de 0,87%. Já quando se verifica os primeiros dias do mês, de 28 de março a 3 de abril (R$ 5,62), o aumento chega a 2,6%. Os dados são da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

PUBLICIDADE

Em Belo Horizonte, o preço médio da gasolina também vem apresentando aumento ao longo do tempo. Na última semana, o valor do combustível chegou a R$ 5,73, o que representa alta de 0,35% em relação à semana anterior e de 3,4% quando comparado ao período de 28 de março a 3 de abril (R$ 5,54).

Os números ainda mostram que não foi somente a gasolina que registrou expansão de preços, uma vez que a tendência de alta foi verificada nos valores de outros combustíveis. Isso tanto no Estado quanto na capital mineira.

O preço médio do óleo diesel também apresentou aumento de uma semana para outra em Minas Gerais. Na última semana, o combustível foi comercializado a R$ 4,24 no Estado, o que corresponde a um incremento de 0,71% quando comparado à semana anterior (R$ 4,21). Em Belo Horizonte, no mesmo período, o incremento foi de 2,1%, passando de R$ 4,27 para R$ 4,36.

Aumentos dos preços também foram notados quando se verifica a média dos valores do gás natural veicular (GNV). Na última semana no Estado, o combustível foi comercializado a R$ 3,60, o que representa um aumento de 5,8% na comparação com a semana anterior (R$ 3,40) e de 7,4% em relação ao período de 28 de março a 3 de abril (R$3,35).

Na capital mineira, a alta do preço médio do GNV também foi verificada na última semana. O valor do combustível chegou a R$ 3,39. Nas últimas três semanas, o preço médio foi o mesmo (R$ 3,34).

O preço médio do etanol hidratado na última semana em Minas Gerais, por sua vez, foi de R$ 3,94, o que representa um incremento de 2,87% na comparação com a semana anterior (R$ 3,83) e de 0,51% em relação ao período de 28 de março a 3 de abril (R$ 3,92).

Gasolina avança 13,1% nos três últimos meses

Os números divulgados pela ANP também mostram as alterações nos preços dos combustíveis ao longo de três meses em Minas Gerais, de fevereiro a abril. No período, a gasolina apresentou um avanço de 13,1%, passando de R$ 5,08 para R$ 5,75.

O preço médio do óleo diesel no Estado, por sua vez, passou de R$ 4,01 em fevereiro para R$ 4,23 em abril. O incremento, nesse caso, foi de 5,4%.

Também foi notado avanço nos valores do GNV, que no mesmo período passou de R$ 3,36 para R$ 3,55, e do etanol hidratado (R$ 3,44 para R$ 3,88). Os números representam avanços de 5,6% e 12,7%, respectivamente.

Produção da Petrobras tem queda de 5,3%

Plataforma da Petrobras na Bacia de Santos, litoral do Rio de Janeiro 05/09/2018 REUTERS/Pilar Olivares

Rio – A produção de petróleo da Petrobras no Brasil caiu 5,3% no primeiro trimestre, ante o mesmo período do ano passado, com efeito de vendas de ativos e declínio natural de campos maduros, informou ontem a petroleira, que também registrou recuo das exportações.

Entre janeiro e março, a petroleira produziu 2,196 milhões de barris por dia (bpd) de petróleo. Na comparação com o quarto trimestre, no entanto, houve alta de 2,9%, devido à continuidade do ramp-up da plataforma P-70, no campo de Atapu, e a menores perdas com paradas para manutenção em plataformas do pré-sal.

A produção total de petróleo, LGN e gás natural, por sua vez, somou 2,765 milhões de barris de óleo equivalente ao dia (boe/d) no primeiro trimestre, queda de 5%, ante um ano antes e alta de 3,1% ante o período entre outubro e dezembro.

“Quando comparamos com o primeiro trimestre de 2020, a produção teve uma redução de 5% devido, principalmente, aos desinvestimentos concluídos ao longo de 2020 e início de 2021 e ao declínio natural de produção, que teve uma média de 11% nos projetos que já atingiram o seu pico de produção e entraram na fase de declínio”, disse a empresa.

Devido ao agravamento da pandemia, a Petrobras afirmou que reduziu “novamente” o efetivo nas plataformas, dentre outras medidas, e que tem “conseguido operar com segurança e eficiência e manter um bom desempenho”.

A produção no pré-sal somou 1,9 milhão de boe/d no trimestre, representando 69% da produção total da Petrobras contra 63% registrados um ano antes.

“A produção nas plataformas do campo de Búzios aumentou 14%, devido, principalmente, à maior eficiência e à estabilização das unidades”, disse a Petrobras.

“Registramos, também, aumento da produção no campo de Tupi, devido ao término do ramp-up da P-67, e nos campos de Berbigão, Sururu e Atapu, com a continuidade do ramp-up das plataformas P-68 e P-70.”

Comércio exterior -As exportações de petróleo caíram 36,6% no primeiro trimestre ante o mesmo período do ano passado, para 511 mil bpd.

A Petrobras explicou que o recuo das vendas externas foi influenciado por uma menor produção de óleo no fim do quarto trimestre, período em que foi retomada a campanha de paradas programadas que não puderam ser efetuadas nos dois trimestres anteriores devido à pandemia.

Já as importações de petróleo cresceram 37,3%, para 390 mil bpd, devido a paradas programadas realizadas em unidades.

As importações de diesel dispararam 678%, para 70 mil barris ao dia, devido às paradas programadas nas refinarias.

Vendas internas – As vendas de derivados do petróleo no mercado interno somaram 1,667 milhão de barris por dia, alta de 2,3% na comparação com o mesmo período do ano passado e queda de 5,6% ante o quarto trimestre.

As vendas de diesel somaram 732 mil barris por dia, alta de 20% na comparação anual, enquanto as vendas de gasolina somaram 342 mil barris por dia, alta de 3,8% na mesma comparação.

A Petrobras ressaltou que superou em março o recorde de vendas de diesel S-10, com baixo teor de enxofre, alcançando a marca de 416 mil bpd. O recorde anterior era de 407 mil bpd, registrado em outubro de 2020.

O recorde ocorreu apesar de quatro paradas programadas obrigatórias para manutenção de refinarias nas unidades Refap, RPBC, Regap e Reduc ao longo do primeiro trimestre, segundo a Petrobras, uma vez que foi possível manter o fator de utilização do parque de refino em 82%, ante 84% no quarto trimestre e 80% um ano antes.

A petroleira alcançou recordes de produção de diesel S-10 na Refap e Revap, de bunker na Replan e de óleo combustível de baixo teor de enxofre na Rnest e RPBC. (Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!