COTAÇÃO DE 14/05/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2710

VENDA: R$5,2710

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,2700

VENDA: R$5,4330

EURO

COMPRA: R$6,3961

VENDA: R$6,3990

OURO NY

U$1.843,90

OURO BM&F (g)

R$311,62 (g)

BOVESPA

+0,97

POUPANÇA

0,2019%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia

Pressionado pela alta da gasolina, IPCA de BH sobe 1,24% em março

COMPARTILHE

O preço da gasolina nas bombas aumentou 14,02% em março na capital mineira | Crédito: José Cruz/Agência Brasil

Os vários aumentos nos preços da gasolina, anunciados pela Petrobras, fizeram com que a inflação em Belo Horizonte apresentasse a maior alta dos últimos seis anos para o mês de março. De acordo com os dados da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas, Administrativas e Contábeis de Minas Gerais (Ipead), o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subiu 1,24% no mês frente a fevereiro. Somente a gasolina subiu 14,02% no período. Com o resultado, o custo de vida na capital mineira acumulou alta de 2,51% no primeiro trimestre e de 6,32% nos últimos 12 meses.

Segundo a coordenadora de pesquisas da Fundação Ipead, Thaize Vieira Martins Moreira, ao longo de março, a gasolina foi o item que apresentou a maior alta, contribuindo para o aumento do custo de vida.

PUBLICIDADE

“Os vários reajustes feitos pela Petrobras impactaram no custo de vida em Belo Horizonte. Com o resultado, registramos a maior variação para o mês desde 2015”, disse.

Em relação ao custo de vida, dentre os itens que compõem o IPCA, o maior destaque, em termos de variação positiva, foi o grupo de Produtos Administrados, que apresentou alta de 4,15% no mês. Neste grupo, a elevação foi provocada, principalmente, pela alta no preço da gasolina.

Também foi verificada alta, de 1,44%, em Bebidas em bares e restaurantes e de 1,18% para Encargos e manutenção.

No período, foram verificadas quedas de 5,79% para Alimentos in natura e de 1,52% para Vestuário e complementos.

No mês, além da alta de 14,02% nos preços da gasolina, foram verificadas altas expressivas em automóvel novo, 3,5%, assinatura de telefonia fixa e internet, 18,20%, assinatura de telefonia fixa, 13,18%, e condomínio residencial, com alta de 1,2%.

Entre as quedas estão as excursões, com 4,38%, seguida pela batata-inglesa, cujo preço caiu 25,52%, maçã gala (-21,59%), e banana-prata (-21,31%.).

Já no acumulado do ano até março, cuja alta do custo de vida já está em 2,51%, a inflação foi puxada pelos Produtos Administrados, com elevação de 5,85%, habitação, 3,72%, pessoal, com alta de 1,29%, e alimentação fora da residência, 1,10%.

Dentre as quedas, destaque para alimentação na residência, com redução de 0,87%.

Cesta básica

Em Belo Horizonte, o custo da cesta básica apresentou variação negativa de 3,24% em março frente a fevereiro. O valor da cesta ficou de R$ 552,32, equivalente a 50,21% do salário mínimo. Com o resultado de março, o preço da cesta apresentou queda de 2,55% no primeiro trimestre, mas ainda está 15,93% maior nos últimos 12 meses.

De acordo com Thaize, a redução se deve à queda de preços em importantes itens, como a batata-inglesa, que caiu 25,48%, e o tomate, com retração de 21,93%.

“Alguns produtos contribuíram para a queda dos valores da cesta básica em março. Porém, na média dos últimos 12 meses, os valores estão bem superiores e, por isso, o consumidor continua sentindo a queda no poder de compras”.

Nos últimos 12 meses, produtos como o arroz e o óleo de soja acumulam altas de 63,05% e 80,96%, respectivamente.

Confiança do consumidor tem queda

O agravamento da pandemia, o aumento da inflação e as medidas mais severas para conter o vírus, que geraram novo fechamento do comércio, foram fatores que impactaram de forma negativa na confiança do consumidor.

De acordo com o Ipead, em março, mês em que o comércio operou com as mais severas restrições decorrentes do combate à pandemia, o Índice de Confiança do Consumidor (ICC) atingiu 29,01 pontos sendo este o nível mais baixo já observado desde o início da pandemia e também de toda a série histórica da pesquisa, que foi iniciada em maio de 2004. Queda de 19,54% no período.

O Índice de Expectativa Econômica (IEE) apresentou uma forte queda de 35,32% em comparação com o mês anterior, influenciado pela piora na percepção dos consumidores sobre todos os itens, principalmente em relação à situação econômica do País.

O Índice de Expectativa Financeira (IEF), também apresentou queda, 10,81%, em comparação com fevereiro, sendo o item Pretensão de compra o que apresentou a maior queda, 26,88%. Com a piora, o indicador voltou a patamares de abril de 2020 quando estava em 30,76 pontos, pior valor até então.

“Ao longo de março os índices que monitoram a pandemia de Covid-19 na Capital pioraram de forma expressiva e medidas mais severas foram adotadas. Dessa forma, o comércio foi novamente fechado com restrições ainda maiores do que em períodos anteriores, o que refletiu negativamente no humor do consumidor”, explicou a coordenadora de pesquisas da Fundação Ipead, Thaize Vieira Martins Moreira.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!