COTAÇÃO DE 17/09/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2820

VENDA: R$5,2820

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,3100

VENDA: R$5,4500

EURO

COMPRA: R$6,2293

VENDA: R$6,2322

OURO NY

U$1.754,86

OURO BM&F (g)

R$298,96 (g)

BOVESPA

-2,07

POUPANÇA

0,3012%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia

Produção de serviços no Brasil tem em julho maior expansão em 8 anos e meio, diz PMI

COMPARTILHE

POR

Bar restaurante em Belo Horizonte
Crédito: Charles Silva Duarte /Arquivo DC
Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

São PauloA forte recuperação no volume de novos negócios levou a produção de serviços do Brasil à maior expansão desde o início de 2013, com o setor mantendo trajetória de crescimento em julho, de acordo com a pesquisa Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês).

Segundo dados divulgados nesta quarta-feira (04) pela IHS Markit, o PMI de serviços subiu a 54,4 em julho, de 53,9 em junho, segundo aumento seguido na produção e o mais rápido em oito anos e meio. Leitura acima de 50 indica expansão.

PUBLICIDADE

Os participantes da pesquisa informaram que a recuperação se deveu à conquista de novos clientes, ao fortalecimento da demanda e à suspensão de algumas restrições locais.

“Alguns dos obstáculos da Covid-19 enfrentados pelos prestadores de serviços diminuíram em julho, com as condições da demanda melhorando devido à diminuição das restrições locais e a maior acesso à vacina”, explicou em nota Pollyanna De Lima, diretora associada de Economia da IHS Markit.

A entrada de novos negócios aumentou pelo terceiro mês consecutivo em julho e no ritmo mais rápido desde o início de 2020, com as empresas citando esforços de marketing, aumento da vacinação e redução das restrições adotadas devido à pandemia.

De acordo com a IHS Markit, todas as cinco grandes áreas do setor serviços tiveram aumento de novos negócios e do índice de produção, com destaque em ambos os casos para Informação e Comunicação.

Ao mesmo tempo, os novos negócios para exportação tiveram aumento recorde no mês, com a demanda internacional apresentando melhora por três meses seguidos.

Com a demanda maior, as empresas contrataram pessoal adicional, e a alta do subíndice de emprego foi a mais rápida em mais de 11 anos. Foram citadas ainda como motivos as projeções otimistas de crescimento e a substituição de funcionários dispensados no início do ano.

Isso porque os fornecedores de serviços acreditam que a atividade de negócios vai crescer conforme a vacinação aumentar e a pandemia diminuir. O grau geral de otimismo em relação ao horizonte de 12 meses foi o segundo mais forte em sete meses, atrás de junho. Ainda assim, permaneceu abaixo da média da série.

Por outro lado, a escassez de materiais e flutuações cambiais desfavoráveis levaram os custos de insumos a aumentar novamente em julho, porém com a taxa geral de inflação recuando para o menor patamar em cinco meses.

Os entrevistados citaram custos mais elevados com alimentos, combustível, equipamentos de proteção individual (EPI), quadros de pessoal e serviços públicos.

Assim, o índice de preços cobrados aumentou pelo nono mês consecutivo em julho, mas a um ritmo mais lento do que em junho.

Com o PMI da indústria brasileira mostrando que o crescimento do setor chegou ao maior nível em cinco meses, o PMI Composto do Brasil aumentou a 55,2 em julho, de 54,6 em junho, na taxa de expansão mais forte em nove meses.

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!